Por Movimiento Anticapitalista

Enquanto escrevemos estas linhas, os cálculos/resultados das “super eleições” que terminaram há algumas horas ainda estão sendo processados. Revendo os dados preliminares, fica claro que eles mostram uma imagem do novo Chile que emergiu da revolta de outubro de 2019. O filme está em desenvolvimento e dependerá em grande parte dos passos que forem dados no futuro, para alcançar um final conforme merecem as maiorias.

Convenção Constitucional aberta e sem hegemonias

Os setores responsáveis pelo co-governo dos últimos anos, dos 30 anos, foram os principais derrotados nesta eleição. Não apenas por causa dos parcos resultados obtidos por suas listas, mas também porque as principais expressões que ganham respaldo são aquelas que indicam claramente que eles foram fundamentalmente responsáveis por terem garantido a transição da ditadura para a “democracia”, mantendo o esquema neoliberal de saque. A direita como tal não tem a possibilidade de ter ⅓ na Convenção para bloquear a possibilidade de mudanças profundas, o que vai expor ainda mais os setores que posam de esquerda, mas defendem a estrutura do regime.

Os números são esmagadores, de norte a sul, o que durante anos foi a espinha dorsal da alternância política no país hoje se reduz a uma expressão mínima. Aqueles que obtêm melhores resultados são talvez os candidatos que refletem as posições de direita mais radicais, um símbolo desses tempos de polarização, como Teresa Marinovic, para mencionar apenas um exemplo.

O outro fato marcante da eleição é a irrupção do fenômeno independente, como o setor, embora diverso e politicamente difuso, que obtém o maior número de cadeiras na CC. Dentro deste espectro, é claro que as expressões mais radicais foram também as que tiveram mais apoio.

Vamos a uma Convenção Constitucional sem maiorias claras, onde muitas máscaras serão postas a prova e onde a pressão das ruas terá que desempenhar um papel fundamental. Nos próximos dias, com todos os resultados sobre a mesa, poderemos avaliar melhor o alcance da situação, mas não há dúvida de que estamos diante de um momento muito interessante do ponto de vista político, com uma eleição que reflete o surgimento de novos espaços, a rejeição das estruturas antigas e um enorme espaço político para construir uma nova referência.

O fenômeno: independente e à esquerda

Como tinha sido aparente desde o plebiscito, a tendência “de que a nova constituição não deveria ser escrita pelos mesmos de sempre” foi fortemente expressa na eleição. As listas e candidaturas independentes conseguiram atrair um número muito significativo de votos que ao mesmo tempo estavam concentrados em algumas figuras icônicas, fundamentalmente ligadas ao processo da revolta e às formas não institucionais de fazer política. Ela se expressou fortemente nas candidaturas provenientes de assembléias territoriais e lutas sociais e teve uma expressão particular na Lista del Pueblo, que obteve um alto índice de votos em muitos distritos, com campanhas e realidades que se diferenciavam de um distrito para outro.

Tudo isso mostra a abertura para a construção de novas referências políticas e a alta valorização que as candidaturas referenciadas com a luta e a transformação da ordem atual têm em amplos setores. Também representa um desafio para o futuro, para ver se esses espaços são capazes de estruturar um programa de acordo com as expectativas ou se a pressão parlamentar acaba por anular seu potencial. Sem dúvida, este é um dos fenômenos mais interessantes a seguir.

Grande campanha anticapitalista e resultados que impulsionam uma perspectiva de crescimento.

Podemos dizer com orgulho que nossos candidatos independentes anticapitalistas, Camilo Parada Ortiz no distrito 10 e Maura Fajardo Gálvez no distrito 12, fizeram parte desta tendência e obtiveram um resultado muito importante que nos coloca entre os principais candidatos da esquerda. Com cerca de 2% em cada distrito, estávamos acima de listas completas como o DC, o PH, o PTR entre outros e também na maioria das candidaturas de outras listas.Fizemos isso com base na postulação de um programa profundamente radical, de profundas transformações e da perspectiva da maioria trabalhadora, criticando fortemente a estrutura de poder do regime e do estado subsidiário, levantamos um feminismo anticapitalista e profundamente inserido nas necessidades das mulheres trabalhadoras. Colocamos no centro a denúncia do extrativismo e também a crítica implacável aos privilégios da casta política. Esta eleição está a serviço, como dissemos em todas as oportunidades, da construção de uma nova referência política e deste ponto de vista continuaremos a promover a mais ampla unidade para o que está por vir. Com Camilo, Maura e todo o Movimento Anticapitalista, colocaremos todos os nossos esforços nesta tarefa, a tarefa de #TransformarTudo