Por Verónica O’Kelly, Alternativa Socialista – LIS, Brasil

O Governo Bolsonaro existe há menos de um ano e meio e a sua fraqueza é tal que, se não mediar grandes mudanças na realidade atual, poderá ser derrubado do poder. Os debates que tiveram lugar em toda a esquerda e no progressismo quando Bolsonaro ganhou as últimas eleições, tiveram no seu centro uma análise derrotista que exaltou erradamente a força da ultra-direita e subestimou a capacidade de resposta das massas. Sempre defendemos a tese de que este era um governo que emergiu do processo de ruptura das massas com o PT, Lula e Dilma, que, defraudados com a traição deste último, foram cooptados por uma direita que se moveu para ocupar o espaço cedido. Não negamos que a vitória eleitoral de um personagem como este, que prometeu uma mão forte com um discurso anti-obreiro e de direita, foi um golpe, mas de forma alguma significou uma derrota, como alguns previram. Assim, o governo do ex-capitão do exército brasileiro tomou posse em Dezembro de 2018 e, em poucos meses, teve de enfrentar mobilizações massivas, greves e panelaços por todo o país, mesmo naquelas cidades onde o apoio eleitoral que ele tinha era esmagador.

A pandemia do Corona vírus acelerou a crise política

Nestas condições, o governo chega para enfrentar a atual crise capitalista e que foi aprofundada com o Coronavírus. Os números mostram uma economia brasileira em recessão com fuga de capitais, desvalorização do real em relação ao dólar e inflação. Bolsonaro tinha a tarefa de fazer avançar as medidas de ajuste que a burguesia imperialista exigia que, como em outros países, significava reformas trabalhistas, da previdência e fiscais a favor do capital e das empresas. Mas, os seus planos foram frustrados pela resposta popular que o enfraqueceu e hoje se encontra cada vez mais isolado, perdendo aliados a cada passo. O duro golpe que recebeu do PSL (Partido Social Liberal), o partido que o levou à Presidência e que em Novembro de 2019 o expulsou, deixando-o sem partido, é agravado pela perda de antigos e importantes aliados, como deputados, senadores e até governadores do Estado. Durante a crise do Coronavírus, o atrito começou com membros do seu círculo mais próximo, levando à demissão de ninguém menos que o Ministro da Saúde da nação Mandetta e, na sexta-feira passada, 23 de Abril, o todo-poderoso Ministro da Justiça e antigo juiz responsável pela Lava Jato e prisão de Lula, Sérgio Moro, anunciou a sua demissão em meio a declarações e acusações de interferência na justiça e na polícia,por parte de Bolsonaro, suscitando questionamentos pontuais no caso da vereadora do PSOL assassinada, Marielle Franco.

Seus discursos negativos e infames, que mostram desprezo pela vida de milhões de pessoas, põem em risco a saúde e a vida de muitas pessoas. Mas, estes discursos não vêm de um “louco” que não sabe o que está fazendo. Bolsonaro sabe muito bem que se não der prioridade aos lucros capitalistas, ele e o seu governo serão incapazes de enfrentar as consequências da crise económica e social que se avizinha. É por isso que a tática do bombeiro de atirar gasolina no fogo é a única no seu horizonte para permanecer no poder, mesmo que não esteja funcionando e ele sabe disso também.

Fora Bolsonaro, Mourão, Guedes e todo esse governo de bandidos

Com a saída de Moro, como expressão de um setor burguês ligado à poderosa rede de mídia Oglobo, a crise do governo deu um salto de qualidade. Ao pedido de impeachment apresentado pelos três deputados do PSOL (Melchionna, Bomfim e Miranda do MES), juntaram-se nestes dias os do partido Rede de Marina Silva, o PDT de Ciro Gomes, o PSB que governa em vários estados e até o antigo partido do Bolsonaro, o PSL. Também, o referente mais importante da burguesia, o deputado de direita e presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (Partido Democratas) fez declarações a favor do impeachment, embora até hoje não tenha definido se irá ou não dar curso aos mais de 30 pedidos que já tem nas suas mãos.

O PT e Lula têm-se recusado a levantar a palavra de ordem “Fora Bolsonaro e Mourão”, e estão concentrados no reforço de uma ampla frente político-eleitoral como oposição ao governo para ganhar as próximas eleições em 2022. Hoje, com o avanço da crise, já não podem recusar-se a exigir a saída de Bolsonaro, embora o façam formalmente e sem chamar à mobilização.

Dentro do PSOL ainda não há unidade sobre esta questão e os debates têm aumentado e refletem debates mais profundos de caracterização e orientação política. Infelizmente, a decisão do MES de apresentar o pedido de impeachment responde a um interesse eleitoralista e a uma autoproclamação que os levou, erradamente, a adoptar uma política quase solitária e afastada de toda a esquerda do PSOL. Também é errada a decisão política dos sectores que hoje lideram o PSOL e lideram a corrente socialista da Primavera (uma corrente composta por líderes e sectores da frente popular que vêm do PT) que têm seguido Lula e o PT e se recusam a pôr em prática uma política independente para desenvolver a mobilização e expulsar o Bolsonaro.

Com algumas correntes do PSOL, Luta Socialista (LS), Liberdade e Revolução Popular (LRP) e Socialismo ou Barbárie (SoB), defendemos a política de promover a mais ampla unidade na luta para derrubar Bolsonaro e seu vice-presidente, o capitão do exército Mourão, e ao mesmo tempo chamamos à formação de uma frente classista e anti-capitalista que apresente uma alternativa política e programática da esquerda e do socialismo para que os trabalhadores governem.

Os sindicatos e as centrais dão ar à Bolsonaro

A burocracia sindical lidera as principais centrais dos trabalhadores, a CUT e a CTB, que, lideradas pelo PT, respondem à política traiçoeira de não mobilizar e canalizar a indignação das massas para a saída eleitoral e a confiança no regime e nas suas instituições, como o parlamento. Enquanto os sindicatos independentes da burocracia lutam e enfrentam as medidas de ajuste ou exigem melhores condições de saúde para enfrentar ao Corona vírus, as centrais recusam-se a chamar a medidas nacionais unificadas, que significariam um verdadeiro plano de luta para derrotar o Bolsonaro e o seu governo.

Agora, para o dia 1 de Maio, toda a burocracia convocou a um ato unitário onde nem o Governo nem o Bolsonaro são citados e, em vez disso, apela com uma palavra de ordem lavada: “Um novo mundo é possível com solidariedade” e onde os antigos presidentes Lula e Fernando Henrique Cardozo irão falar. A CSP-Conlutas liderada pelo PSTU fez parte deste ato que significa uma verdadeira traição à classe trabalhadora brasileira. A CST, com a sua política acomodada, na última reunião da liderança nacional do CSP-Conlutas votou a favor da realização do ato seguindo a linha do PSTU. Hoje, tanto o PSTU como o CST informam publicamente que não irão a um evento com estas personagens, os mesmos que há alguns dias não se opuseram! A realidade é que eles recuam devido à forte pressão exercida pelos sindicatos e organizações como Unidos Pra Lutar, que sistematicamente rejeitaram e denunciaram o ato.

Para onde vá o PSOL?

O setor que hoje lidera o PSOL é formado por correntes populistas, oportunistas e céticas que passaram do sectarismo ao oportunismo sem parar, como é o caso do Fortalecer, Resistência e Insurgência (estes dois últimos fazem agora parte do Secretariado Unificado-SU e são rupturas do PSTU). Este setor está abandonando o programa histórico de fundação do PSOL para trazê-lo para o programa de conciliação de classes representado por Lula e o PT. É uma política consciente e de constante liquidação do programa independente, anticapitalista e socialista que está provocando cada vez mais desilusões nos sectores de vanguarda que viam o PSOL como aquela alternativa política radical de esquerda ao PT, ao PCdoB e a todos os pseudo-progressistas que governavam e continuam a governar a serviço do capital. Infelizmente, o MES (também membros do SU) são oportunistas e se organizam de acordo com os seus interesses eleitoralista, perante a liderança do PSOLoscilam e não se definem, quando deveriam fazer parte da esquerda que luta contra a maioria liquidacionista.  É por isso que formamos o Bloco de Esquerda Radical juntamente com outras correntes internas do PSOL com as quais apresentamos a nossa tese para o próximo congresso do partido, com o título “Por um PSOL de luta, radical e das bases” e recentemente um documento como resolução política que chamamos “Fora Bolsonaro e Mourão! Por um governo dos trabalhadores e das trabalhadoras e do povo pobre! Só a classe trabalhadora pode responder à pandemia com uma saída a favor da população”. Desta forma, estamos avançando com os companheiros e as companheiras de Luta Socialista, desenvolvendo campanhas comuns e atuando em conjunto em espaços diferentes. Com eles partilhamos a estratégia de construir o único instrumento político capaz de derrotar os planos de guerra contra o nosso povo, um partido revolucionário, feminista, ecossocialista e internacionalista.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *