Em julho deste ano completou-se 2 anos desde o lançamento do edital do Concurso Público para a Secretaria de Educação do Estado do Ceará – SEDUC. Naquele ano eleitoral de 2018, as promessas foram muitas: 2.500 vagas para professoras e professores da educação básica. Até hoje, nenhum aprovado foi convocado!

Desde a década passada os governadores do Ceará se orgulham em propagandear o Estado como referência nacional em índices educacionais. Camilo não fez diferente disso. Mas a prática, até agora, parece ter sido outra. Após o resultado final do concurso, em março de 2019, o governador Camilo Santana enrolou por cerca de 9 meses até homologar oficialmente. De dezembro do ano passado para cá, são só promessas.

A APEOC, sindicato que representa os professores em nível Estadual, pouco fez de esforço concreto para unificar e mobilizar os 3.708 aprovados (2.500 dentro das vagas + 1.208 cadastro de reserva) na luta pela celeridade e, finalmente, a posse. A política do sindicato na prática se converteu em blindar o governo, amortecer as tensões e se colocar como representante dos aprovados.

No início deste ano, Camilo vendeu como vitória a promessa de convocar 500 aprovados. A APEOC vendeu como “o que foi possível”. A pandemia da Covid-19 chegou e o governador interrompeu todas as posses e/ou convocações. A máscara de Camilo caiu e a desculpa da APEOC naufragou.

Camilo afirmou, como já tinha feito em 2019 por motivações diferentes, que seria uma irresposabilidade a convocação neste momento. Mas, ainda no mês de março, anunciou um pacote de R$ 800 milhões de empréstimo a empresários. Nada para os trabalhadores, tudo aos patrões. Essa lógica não é nova. O capitalismo não tem mais nada a oferecer a não ser a miséria e repressão. Tanto os governos da direita, quanto os governos “progressistas”, acabam se sentando na mesma mesa para aplicar os planos de arrocho contra a classe trabalhadora e os mais pobres.

Um novo “acordo” foi anunciado recentemente: convocação de 500 aprovados para o início do próximo ano. A mesma proposta requentada e agora azeda. Nos somamos aos aprovados e aprovadas no concurso da SEDUC Ceará que hoje dizem: “500, Não!”. É dever da APEOC oferecer todo o suporte necessário para que a campanha pela convocação das e dos aprovados se torne massiva! Ao mesmo tempo, o sindicato deve ceder parte de seu espaço para que representantes dos aprovados tenham acesso a mesa de negociação com o governo. A convocação de 500 não é consenso. A luta é pela convocação geral.

A própria SEDUC, em resposta ao MPCE, deixou claro que é possível a convocação dos 3.708 aprovados. Opinamos que é hora das e dos aprovados convocarem plenárias virtuais para avaliação e construção de um calendário de campanhas pela convocação e posse geral. A Alternativa Socialista se soma na luta em defesa da educação pública e contra a precariedade do trabalho das e dos educadores.

Contribua no abaixo-assinado pela convocação dos aprovados no concurso da SEDUC Ceará:
https://www.change.org/p/governador-camilo-santana-pela-convocação-dos-aprovados-no-concurso-da-seduc-ceará


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *