Estamos um mês após o surto que nos mantém nas ruas protestando contra esse modelo que torna nossa vida precária. Nas barricadas, nas praças, paralisando o país em greves gerais, debatendo e desenvolvendo a auto-organização em assembléias e prefeituras. A partir de baixo, sem individualidades ou representantes daqueles que governaram os últimos 30 anos, construindo um processo que sacudiu a estrutura institucional, política, social e econômica herdada do Pinochetismo.

Após a greve geral de 12 de novembro, com o governo e a direita encurralados, toda a casta política, incluindo a Frente Ampla e o Partido Comunista, correu para encontrar uma maneira de tentar tirar a política das ruas e devolvê-la a um canal. institucional Assim, eles deram um novo oxigênio a um governo vacilante, cozinhando, entre galos e meia-noite, um pacto por trás do povo mobilizado.

Com um plebiscito apenas em abril de 2020, para perguntar o que as pessoas já gritavam nas ruas e sem mencionar a opção de “Assembléia Constituinte”. Conceder à direita o poder do veto mediante a exigência de 2/3 dos membros da “Convenção” de aprovar os artigos da nova constituição. Manter o atual sistema eleitoral para a eleição de deputados “convencionais” que prioriza os partidos tradicionais. Basicamente, mudanças na medida do possível nos limites da constituição de Pinochet.

Repúdio popular, debacle e ambiguidades da esquerda que pactua

No entanto, a mudança em nosso país é histórica, nada será como antes. A revanche histórica que levou o povo a atacar a política desmantelou toda a falsa ideologia do “não pode ser” proclamada por aqueles que se adaptam ao poder.

Apesar de toda a tentativa de encerrar o processo de mobilização, incluindo uma intervenção “pela paz” na Plaza Italia e novamente a repressão, centenas de milhares voltamos a ganhar as ruas na sexta-feira 15. Os sindicatos, coletivos feministas, assembléias e organizações do povo mobilizado, rapidamente se pronunciaram contra o pacto. O “pacto de paz” estreou, acrescentando uma nova morte devido à repressão do Estado.

Crises eclodiram em grande parte dos partidos do regime. Particularmente dentro da Frente Amplio, ele não apenas assinou o pacto, mas também se tornou um dos principais porta-vozes de sua defesa. Houve demissões e pronunciamentos de rejeição. Com a assinatura do pacto, a liderança da Frente Amplio coroou um processo que em menos de dois anos o transformou definitivamente em parte do antigo.

O Partido Comunista tentou se cobrir ensaiando posições ambíguas, mas sempre marcando sua predisposição para participar de uma saída institucional. Ele levantou uma acusação constitucional sem votar no momento em que foi deliberado, concordou com o DC um acordo para negociar com o governo e depois se absteve do pacto, afirmando finalmente que é um desenvolvimento positivo. Tudo isso em alguns dias.

Está na hora de um novo projeto à esquerda

Sabemos que existem milhares de nós que repudiam a “cozinha” da casta política. Conversamos com centenas de ativistas desencantados com a esquerda parlamentar que aderiram ou endossaram o pacto. Companheiras e companheiros que encontramos nas ruas, militantes e apoiadores da FA e os jovens do PC, também grupos e tendências que expressaram seu repúdio à ação de direções que colaboraram com uma saída acordada com o direito.

Para todos eles, dizemos: Agora é a hora de estabelecer uma nova alternativa. Precisamos construir uma ferramenta política para fortalecer a mobilização e a auto-organização, não substituí-la, mas servir para aprofundar o processo e preparar o caminho para governar quem nunca governamos. Chegou a hora de romper com tudo o que é antigo e começar a construção de um projeto verdadeiramente revolucionário e anticapitalista.

Que seja consistente, democrática, feminista, ecossocialista e internacionalista. Que ela lute, imediatamente, contra o Pacto e a impunidade de Piñera, por uma greve geral até que ela caia, organizada pelos comitês e assembléias de greve, para impor uma Assembléia Constituinte Livre, Soberana, Democrática e Plurinacional. A partir daí impulsionar:

  • Acabar com a precariedade da vida: salários iguais ao custo de vida, fim das AFPs, Educação e Saúde Pública, gratuitos e com uma perspectiva feminista, Nacionalização dos direitos básicos, Recuperar bens comuns, perdão de todas as dívidas, acesso habitação decente.
  • Acabar com a impunidade de ontem e hoje. Julgamento e punição com prisão a todos os genocida de ontem e de hoje. Abertura de todos os arquivos da ditadura, não os pactos de silêncio. Desmantelamento do exército de Pinochet.
  • Contra o extrativismo e a poluição da água, da terra e do ar, proíbem mega-mineração, monocultura e agrotóxicos. Impulsionar a agricultura orgánica e o desenvolvimento de indústrias não poluentes.
  • Soberania e autodeterminação dos povos e territórios em resistência. Desmilitarização no Wallmapu
  • Pelos direitos e dissidência das mulheres. Contra a violência machista e os feminicídios, orçamento de emergência para assistência abrangente gratuita, casas de abrigo e subsídios às mulheres, com controle das organizações de mulheres. Cota de trabalho trans Aborto legal, seguro e gratuito no sistema de saúde para todas as pessoas capazes de gestar. Reconhecimento e socialização do trabalho doméstico.
  • Contra a casta política: que todo funcionário cobra o mesmo que um trabalhador e é revogável.

Para que a casta não nos roube, na cozinha, o que conquistamos milhões nas ruas, a tarefa fundamental do presente é construir uma alternativa política consistente nessa luta. Para aqueles que simpatizam com essas idéias, convidamos você a participar da construção do Movimento Anti-Capitalista e promover uma Nova Esquerda Anti-Capitalista para transformar o país.

Movimiento Anticapitalista – LIS


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *