Diante da situação de barbárie que o povo de Manaus e do Amazonas sofre, produto das sistemáticas políticas de esvaziamento e privatização do sistema público de saúde, pela caótica situação social com a pandemia da Covid-19, altos números de desemprego, baixos salários e pobreza crescente, é urgente mobilizar uma campanha de solidariedade e apoio ao povo trabalhador que resiste e luta pelas suas vidas.

A pandemia mundial mostra o quão terrível é um sistema que privilegia o lucro de 1% da população em detrimento da vida dos 99%. O capitalismo também demonstra que existem vidas que valem menos que outras e, no Amazonas, isso resulta na falta de condições mínimas para responder à crise sanitária ao ponto de faltar oxigênio nos hospitais, provocando a morte deliberada de centenas de pessoas.

O governador Wilson Lima e o prefeito David Almeida são responsáveis diretos pelas mortes, em sua grande maioria nas portas dos hospitais lotados, sem condições de atender essa demanda. Também são responsáveis o ministro Pazuello e o presidente Bolsonaro que negam publicamente o perigo da Covid-19 em nossas vidas e privilegiam os negócios capitalistas, com lobby empresarial para garantir seus negócios.

É urgente frear essas políticas de morte e defender a vida do povo amazonense e manauense. Nós, da Alternativa Socialista/PSOL, nos solidarizamos com este povo que resiste e luta e ajudaremos nessa campanha de apoio neste momento tão difícil.

Alternativa Socialista/PSOL, 3 de fevereiro de 2021.

Compartilhamos aqui o programa das organizações sociais, sindicais e políticas de Manaus que conformam a Frente Cabana em Defesa da Vida.

PROGRAMA EMERGENCIAL DOS PARTIDOS, SINDICATOS E MOVIMENTOS SOCIAIS PARA ENFRENTAR A COVID-19 NO AMAZONAS

FRENTE CABANA EM DEFESA DA VIDA: Vacinação para todas e todos e Renda Básica Já!

Este programa emergencial nasce da reflexão e leitura crítica dos partidos de esquerda, sindicatos, movimentos sociais, intelectuais e artistas do Amazonas. Somos mulheres e homens do povo que sofrem com a perda de familiares, amigas e amigos, renda e empregos. Desejamos superar a pandemia a partir de medidas cientificamente comprovadas.

O propósito deste Programa Emergencial, além de uma resposta política a situação para quem vive do trabalho, é exigir do governador Wilson Lima, do prefeito David Almeida e do presidente Jair Bolsonaro a execução de um plano de fato para o combate ao vírus que causou milhares de mortes e continua deixando uma quantidade absurda de contaminados e pessoas com as mais variadas sequelas. Não pode mais haver espaço para negacionismo, nem improviso, muito menos espaço para roubo do recurso público.

Seguem as nossas propostas:

• Vacina para todos e todas já! Que os governos Bolsonaro, Wilson Lima e David Almeida apresentem imediatamente um Plano de Vacinação, pelo SUS, para todas e todos.

• Pelo Retorno do Auxilio Emergencial do Governo Federal. Auxílio aos pequenos negócios de até 20 trabalhadores. Que os Estados e Municípios aprovem uma política de Renda Básica para a população desempregada e sem renda.

• Paralisação geral do comércio, indústria, serviços e funcionalismo público, com exceção para os setores essenciais. Onde for possível, que as fábricas redirecionem suas produções para EPIs e materiais médicos, destinados ao combate da pandemia.

• Defesa do SUS estatal. Bens e Serviços de Saúde sob controle estatal com participação popular direta. Que enquanto durar a pandemia TODA a rede hospitalar pública e privada, seja colocada à serviço da população gratuitamente e sob o controle dos técnicos dos SUS.

• Isenção das Tarifas de Água, Luz e IPTU. Suspensão das cobranças e dos cortes desses serviços por 120 dias.

• Testagem em Massa. Que se proceda uma testagem em massa da população, para que o governo tenha controle epidemiológico e possa programar as ações de combate ao vírus. Para tanto, que envolva as instituições de pesquisa da região: UEA, UFAM, INPA, FIOCRUZ e CBA.

• Quebra de patentes das vacinas para garantir a proteção de VIDAS e não do LUCRO.

• Condições de trabalho para os profissionais de saúde. Que os governos deem todas as condições de trabalho para que os profissionais possam desenvolver suas atividades com segurança. Sem demissões, atrasos nos salários e bonificação para linha de frente. Tanto condições estruturais quanto a de rotina de trabalho, como o fornecimento de EPIs suficientes e de qualidade.

• Garantir segurança trabalhista para todos e todas, evitando demissões e cortes salariais durante a pandemia.

• Garantir a todos os trabalhadores que possuem comorbidades e idade acima de 60 anos o direito de não serem obrigados ao trabalho presencial.

• Afastamento imediato dos trabalhadores com comorbidades, mantendo seus salários integralmente, proibindo cortes e demissões.

• Exigimos que o governo instale um Comitê de Crise com a participação da sociedade civil organizada (OAB, CNBB, Centrais Sindicais, Movimentos Sociais e Entidades científicas), para coordenar as Ações de Combate à Pandemia.

• Anulação das reformas e privatizações do serviço público.

• Não à reforma administrativa que visa destruir as bases universais do serviço público, inclusive, reduzindo a capacidade da área de saúde. Abaixo a política de Teto de Gastos!

• Adiamento do ENEM, não há condições sanitárias adequadas para a realização das provas no Amazonas, o que coloca em risco a vida dos estudantes e seus familiares. Considerando ainda que o acesso ao ensino durante a pandemia foi desigual entre estudantes da rede pública e da rede privada.

• Não-retorno das aulas presenciais no Amazonas enquanto não houver vacinação em massa.

• Combater as contra-campanhas de Vacinação – combate às notícias falsas e produção de material alertando sobre a importância da vacinação. Não aceitamos o “tratamento precoce contra a covid-19” proposto pelo ministério da saúde a base de Cloroquina e Ivermectina, pois os estudos da Organização Mundial de Saúde ja comprovaram a ineficácia desse tratamento.

• Parar a política genocida, conscientemente aplicada por Bolsonaro, que já ceifou a vida de mais de 200 mil brasileiros. Pelo Fora Bolsonaro e Mourão, como condição necessária para se ter um plano eficaz para combater a pandemia.