por Ítalo Freitas

Demagogia é uma palavra de origem grega que significa “a arte de conduzir o povo”. O discurso demagogo tem por característica a manipulação dos sentimentos da população, através de promessas que o orador não tem intenção de realizar.

Recentemente, em visita ao acampamento dos aprovados no último concurso público de Juazeiro do Norte, o atual vice-Prefeito da cidade, Giovane Sampaio, que também concorre à reeleição ao cargo, dessa vez unido ao candidato Gledson Bezerra, nos presenteou com uma demonstração clara de demagogia.

Segundo Giovane Sampaio, em fala reproduzida por vídeo nas redes sociais: “aos contratados da Prefeitura, a Prefeitura tem que obrigação, também arrumar solução gerando emprego, gerando renda no município pra criar oportunidades… tem que criar outros mecanismos para os contratados não ficar sem seus empregos”.

O que Giovane Sampaio não disse, nem vai dizer, é que solução e mecanismo ele propõe pra manter os empregos dos contratados, garantir a convocação imediata dos aprovados no concurso, gerar emprego, renda e oportunidades.

Como o atual vice-Prefeito, apoiador de Bolsonaro, iria transpôr a Lei Complementar n° 173/2020, defendida e sancionada pelo Presidente? Essa lei é o principal obstáculo dos aprovados no último concurso. Ela impôs contenção de despesas nos serviços públicos dos Estados e municípios que receberam o socorro emergencial da União, como Juazeiro, para o combate ao novo coronavírus.

Giovane Sampaio é incapaz de aprofundar seu discurso, esclarecendo suas propostas sobre o tema, por que isso o obrigaria a avaliar sua atuação no Governo Arnon, como também a política do Governo Bolsonaro para os serviços públicos. Romper com a gestão municipal aos 45 do segundo tempo não insenta o vice-Prefeito de tudo que aconteceu em 4 anos de administração. Quando os servidores do município fizeram greves, de 2017 à 2020, Giovane Sampaio não estava do lado de quem defendia sua renda, estava do lado de Arnon, contra os trabalhadores.

Por ouvir calado a demagogia do candidato a vice, Gledson Bezerra, também presente no momento de gravação do vídeo, colabora com a tentativa de estelionato eleitoral. Em entrevista cedida a um portal de notícias da região, publicada em 15/09, Gledson afirmou que necessitaria analisar a folha de pagamento antes de convocar os concursados. Ou seja, o candidato de “oposição”, assim como o atual prefeito, também não ofereceu garantia.

Outra questão sobre a qual Giovanne e outros candidatos evitam falar, é a opinião em relação a Reforma Administrativa de Bolsonaro (PEC n° 32/2020) que, caso aprovada antes da convocação dos concursados, vai acabar com o sonho da estabilidade no emprego desses jovens.

Não existe verdade em nenhum candidato que promete atender as necessidades da maioria do povo e, ao mesmo tempo, defenda as políticas do Governo Bolsonaro. Tampouco pode se apresentar como “mudança” alguém que só rompeu com o atual governo municipal no último ano do mandato. Está do mesmo lado da trincheira dos ricos que agora se dividem em quatro candidaturas “diferentes”.

Em Juazeiro do Norte, a única candidatura em sintonia com as lutas dos trabalhadores, com um programa para a maioria popular oprimida e explorada, é a do PSOL com Demontier Cinquentinha para Prefeito, companheiras e companheiros para vereança. Candidaturas de trabalhadores que enfrentam a administração Arnon Bezerra desde o seu primeiro dia de governo. Candidaturas que defendem um projeto socialista de enfrentamento aos ataques de Bolsonaro.

Vamos de 50! Some conosco para organizar as lutas das e dos que trabalham e construir a Alternativa Socialista – PSOL.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *