Por Hassan Jan

Com a aproximação do final da segunda década do século 21, estamos testemunhando o mundo mergulhado em uma crise sem precedentes em todos os níveis, desde calamidades econômicas, aparentemente causadas pela Covid-19, até explosões sociais em todos os continentes, guerras no Oriente Médio e outras partes do mundo. A crise tornou-se uma característica permanente desta época. Não é possível encontrar um único Estado capitalista que não esteja sofrendo com algum nível de desastre econômico e político. A Covid-19 apenas rompeu a fina camada de estabilidade aparente que envolvia as profundas contradições e turbulências que existem nas profundezas da sociedade. As quarentenas que se seguiram em todo o mundo mergulharam todas as principais economias nas recessões mais profundas dos tempos modernos. Embora as economias estejam se recuperando dos choques iniciais, muitas das cicatrizes infligidas como resultado da Covid nas condições socioeconômicas, serão de natureza permanente e moldarão as próximas convulsões sociais em todo o mundo.

Este ano começou com o assassinato do general iraniano Qasem Soleimani por um drone americano no Iraque, o que colocou a região à beira da guerra, ao que parecia. Tão frágil e contraditória é a situação atual que, os líderes mundiais se gabam de aniquilar uns aos outros, mas a crise orgânica do capitalismo os enfraqueceu economicamente e não podem se aventurar numa guerra em grande escala pois isso destruiria os últimos vestígios de alguma forma de recuperação econômica do sistema. As contradições entre as diferentes potências imperialistas estão se manifestando através de seus satélites em todo o mundo, resultando em uma série interminável de guerras civis, da África ao Oriente Médio.

Por outro lado, a escala das catástrofes e misérias econômicas é enorme e o número de mortos tão grande que só pode ser comparado à destruição e calamidades econômicas de uma guerra em larga escala. Todos os anos, 9 milhões de pessoas morrem de fome. Isso é mais do que o número de mortos nas guerras no Afeganistão, Iraque, Síria e Iêmen juntas nos últimos vinte anos. Numa época em que a tecnologia moderna é capaz de fazer milagres e criar abundância de necessidades básicas da vida, que a pobreza e a miséria poderiam desaparecer para sempre, milhões de pessoas estão morrendo porque não possuem comida suficiente para comer ou, dito de outra forma, não possuem dinheiro para comprarem comida. Milhões estão morrendo no altar do capital e do lucro. O capitalismo condenou a imensa maioria da humanidade à extrema pobreza, miséria, desemprego crônico e miséria.

A Grande Recessão em 2008 foi um ponto de inflexão na economia e na política global que estabeleceu uma nova normalidade para o capitalismo mundial, ou seja, regimes de austeridade permanentes em todos os lugares. A economia de mercado neoliberal, ou o modelo Thatcherista ou Reaganômico adotado globalmente após a crise econômica dos anos 1970, desencadeou um período de mercados livres e o abandono da intervenção estatal na economia. Todos os setores-chave da economia foram privatizados e entregues a empresas privadas. O mantra da economia do “derramamento” foi apresentado como a solução definitiva para todo o sofrimento e miséria da humanidade. Os subsídios e benefícios foram gradualmente retirados. A saúde e a educação também foram privatizadas e as pessoas ficaram à mercê das grandes empresas. As taxas de crescimento dispararam, mas na pressa de obter mais e mais lucros, inflaram o mercado e criaram bolhas que desafiavam as leis da gravidade. Este castelo de cartas ruiu em 2008, resultando em uma série interminável de falências de bancos e empresas em todo o mundo.

O colapso do modelo econômico neoliberal forçou os Estados de todo o mundo a intervir para salvar a economia do colapso total. Centenas de bilhões de dólares foram investidos no resgate dos grandes bancos e empresas, enquanto as pessoas comuns foram deixadas à mercê. As empresas falidas foram virtualmente nacionalizadas. Esse teatro cômico era ironicamente chamado de “Socialismo para os ricos, Capitalismo para os pobres”. Embora a crise tenha sido temporariamente evitada, os cofres dos Estados acumularam enormes dívidas e uma nova crise de dívidas surgiu. Países em todo o mundo, especialmente na América e Europa, estão cambaleando com um nível astronômico de dívida que é um obstáculo constante para a economia. Na zona do euro, a crise da dívida assumiu uma dimensão mais grave, com a Grécia e outras economias europeias fracas chegando muito perto do default de seus passivos, pondo em risco a própria existência da União Europeia.

O surgimento da Covid-19 ampliou as contradições internas de um sistema quebrado. Acelerou a crise orgânica do capitalismo em todo o mundo, ao mesmo tempo que expôs de forma flagrante o que as políticas econômicas neoliberais fizeram aos sistemas nacionais de saúde em todo o mundo. Os sistemas nacionais de saúde em todo o mundo praticamente entraram em colapso devido à pandemia do Coronavirus. A maior potência econômica e militar do planeta, o imperialismo estadunidense, entrou em colapso antes da Covid-19 com o maior número de mortes do mundo. A loucura por lucro, vigilância global, ocupação, guerras e aventuras militares ao redor do mundo tornaram a maior potência do mundo indefesa contra um vírus. O renomado economista marxista, Michael Roberts, escreveu em seu blog: “De acordo com a American Hospital Association, o número de leitos de internação caiu a extraordinários 39% entre 1981 e 1999. O objetivo era aumentar os lucros aumentando o ‘censo’ (o número de camas ocupadas). Mas a meta do governo de ter um nível de ocupação de 90% significava que os hospitais não tinham mais a capacidade de absorver o fluxo de pacientes durante epidemias e emergências médicas.”

Além disso, ele explica: “Os departamentos de saúde estaduais e locais têm 25% menos funcionários hoje do que antes da Segunda-feira Negra, 12 anos atrás. Além disso, na última década, o orçamento do CDC caiu 10% em termos reais. Com Trump, os déficits fiscais foram apenas exacerbados. O New York Times relatou recentemente que 21% dos departamentos de saúde locais relataram reduções orçamentárias para o ano fiscal de 2017”. Trump também fechou o escritório de pandemia da Casa Branca, um setor criado por Obama após o surto de Ebola de 2014 para garantir uma resposta nacional rápida e bem coordenada a novas epidemias. No mesmo artigo, o autor expôs como a privatização da pesquisa em saúde e com fins lucrativos criou obstáculos no desenvolvimento de vacinas. “Depois, há a grande indústria farmacêutica. A Big Pharma faz pouca pesquisa e desenvolvimento de novos antibióticos e antivirais. Das 18 maiores empresas farmacêuticas dos Estados Unidos, 15 abandonaram totalmente o campo. Medicamentos para o coração, tranquilizantes aditivos e tratamentos para a impotência masculina lideram os ganhos, não as defesas contra infecções hospitalares, doenças emergentes e doenças tropicais tradicionais. Uma vacina universal contra a gripe, ou seja, uma vacina que visa as partes imutáveis ​​das proteínas de superfície do vírus, tem sido uma possibilidade por décadas, mas nunca foi considerada econômica o suficiente para ser uma prioridade.”

Não é apenas o setor de saúde que está destruído, todos os setores dos Estados Unidos estão em estado de desintegração. A infraestrutura da América está em um estado de desordem, com estradas, pontes, trens, aeroportos e represas envelhecidas. A maioria dos principais projetos de infraestrutura da América foi construída na década de 1960. Desde então, a população mais que dobrou. A Sociedade Americana de Engenheiros Civis estima que mais de US$ 2 trilhões são necessários para atualizar a infraestrutura envelhecida e decadente.

Com o aprofundamento da crise do capitalismo, o “sonho americano” se transformou em pesadelo. O desemprego crônico tornou-se um fenômeno permanente. Na ausência de uma alternativa de esquerda radical com base nas massas, bandos neofascistas de direita, Donald Trump e companhia, estão transformando imigrantes e muçulmanos como bodes expiatórios para o desemprego no país. A ascensão de Trump significa o fim da velha normalidade onde as classes dominantes costumavam governar o país com métodos tradicionais, em uma época em que a economia ainda funcionava e movia a sociedade para a frente. Trump representa os EUA escorregando em um atoleiro de crise socioeconômica. Sua personalidade é a personificação de um sistema condenado que, se não for substituído por uma alternativa socialista, acabará com toda a civilização humana.

Na arena internacional, a crise orgânica do capitalismo norte-americano obrigou os imperialistas a se retirarem do Iraque e do Afeganistão após uma derrota humilhante. Os governantes de Washington não podem fazer um compromisso militar maior devido às terríveis condições econômicas. Apesar de toda a beligerância de Donald Trump, não podem ir a uma guerra convencional com o Irã. Uma guerra com o Irã desencadearia uma reação em cadeia que afogaria a todos.

O surgimento de um movimento de massas contra o racismo nos Estados Unidos, que imediatamente se espalhou como um incêndio por todo o mundo, é de extrema importância. Protestos massivos ocorreram em todos os principais países europeus. Uma das principais características desses protestos foi a demolição das estátuas de traficantes de escravos, supremacistas brancos ou defensores do racismo. O racismo é uma das pedras angulares da colonização capitalista na América, África, Austrália e Ásia. A derrubada de símbolos racistas é uma manifestação com alto nível de consciência de massas que desafia os próprios fundamentos de um sistema socioeconômico.

Antes da pandemia do Coronavirus, um enorme descontentamento estava se formando na Europa contra os regimes de austeridade. A França esteve envolta no movimento dos coletes amarelos contra a política neoliberal de Emmanuel Macron. Protestos e greves estavam na ordem do dia, mas a pandemia interrompeu temporariamente o movimento, para deleite de Macron. Conforme as restrições da Covid são amenizadas, as massas estão se levantando novamente. Dessa vez, será mais robusto e poderoso. A zona do euro já estava se recuperando da crise da dívida soberana.

A UE, BCE e o FMI resgataram a Grécia em troca das mais duras medidas de austeridade, mas a pandemia acabou com os “ganhos” dos últimos anos, que trouxeram pouca estabilidade ao país. As medidas que os governos estão tomando após a pandemia para manter a economia dinâmica podem ter efeitos adversos. Peter Hooper, economista do Deutsche Bank, explicou: “O enorme estímulo da política fiscal e monetária” que veio para sustentar a economia fez com que a dívida disparasse e as ações potencialmente supervalorizadas, apresentando “o sério risco de um crise financeira global iminente à medida que os bancos centrais começam a se afastar da política (monetária) frouxa em algum momento nos próximos anos”.

A economia chinesa também sofreu uma forte contração de 6,8% no primeiro trimestre do ano devido à pandemia. No entanto, devido ao sistema de saúde universal e ao papel crescente do Estado chinês na economia, rapidamente contiveram a pandemia melhor do que os Estados Unidos e outros baluartes das economias de livre mercado. A economia se recuperou rapidamente no segundo trimestre, com crescimento de 3,2%. Apesar dessa perspectiva aparentemente otimista, o governo chinês anunciou em maio de 2020 que não definiria nenhuma meta de crescimento para 2020 devido à “pandemia Covid-19 e ao ambiente econômico e de negócios global”. É um anúncio significativo. A China está agora mais conectada à economia mundial do que antes de 1978, então a referência ao “ambiente econômico e comercial global” significa que Pequim está sentindo os efeitos da recessão global e da guerra tarifária com os Estados Unidos. A ascensão da China como a segunda maior economia do mundo deu início a sua crescente influência geopolítica e entrou em conflito com o imperialismo dos EUA em todo o mundo. A guerra comercial com a China visa a Washington para conter esta influência, mas essa guerra terá repercussões perigosas para a economia mundial, já que a China não é mais a economia isolada e “autossuficiente” de Mao.

O grande setor estatal da economia chinesa permitiu ao Partido Comunista manter sua base social intacta e prevenir qualquer explosão social. Em 2019, 63% dos empregos foram criados pelo setor público. De acordo com as estimativas do FMI, a China tem um estoque de capital público de 160% de seu PIB, o que lhe permite desempenhar um papel dominante na economia. No entanto, está diminuindo rapidamente. A China tem uma taxa oficial de desemprego de 5,5%, mas muitos duvidam da autenticidade, situando-se entre 15 e 17%. Resta saber por quanto tempo a burocracia chinesa evitará uma revolta massiva por meio da intervenção do Estado na economia, dado o péssima condição da economia global e as perspectivas sombrias de uma recuperação significativa, mas essa contradição pode não durar muito. Uma recessão na economia chinesa terá repercussões sociais gigantescas, dado o enorme tamanho do proletariado chinês.

No ano passado, o Oriente Médio viu os maiores movimentos de massas desde a Primavera Árabe de 2011. As massas no Iraque estavam fartas do desemprego, escassez de alimentos para atender às necessidades básicas, corrupção desenfreada e do sectarismo sistêmico do governo instalado pelo imperialismo estadunidense após a invasão do país em 2003. A invasão dos EUA destruiu a infraestrutura do Iraque e transformou o país em um viveiro de todos os tipos de grupos sectários e fundamentalistas. Há também um grande ressentimento contra a intromissão iraniana no país. As milícias xiitas patrocinadas pelo Irã estavam na verdade indo de mãos dadas com o governo iraquiano para esmagar e suprimir protestos em massa. O movimento colossal derrubou o governo, mas o novo governo é simplesmente uma continuação do antigo e a miséria continua para a maioria.

O opressivo regime teocrático iraniano foi abalado por protestos massivos em novembro do ano passado, provocados por um aumento no preço da gasolina. Protestos estouraram em todas as principais cidades iranianas e as pessoas exigiram a queda do regime dos mulás. Os mulás iranianos estão sofrendo o impacto da queda global dos preços do petróleo. Soma-se a esse dilema as duras sanções impostas pelos Estados Unidos ao regime, que tornam praticamente impossível qualquer transação comercial com outros países. A opressora máquina estatal usou os métodos mais terríveis, que aperfeiçoaram ao longo dos anos, para esmagar o movimento. De acordo com algumas estimativas, 1.500 pessoas morreram durante esses protestos. O assassinato do general iraniano Qasem Soleimani e o belicismo com os Estados Unidos interromperam temporariamente o movimento. A quarentena subsequente do coronavírus estrangulou ainda mais, mas o péssimo estado da economia iraniana e a devastação causada pela Covid-19 podem novamente desencadear uma grande agitação.

Da mesma forma, o Líbano esteve no meio de movimentos massivos de protesto no ano passado. O país está atolado em uma guerra complexa entre satélites dos Estados regionais em que o Irã é uma peça importante. Uma infraestrutura em desintegração e o desemprego em massa, com preços em alta, aumentaram o sofrimento. Após os protestos em massa, o governo Saad Hariri renunciou em outubro de 2019. Apesar disso, o movimento continuou a exigir uma transformação total do sistema. Recentemente, uma explosão catastrófica, aparentemente causada pelo nitrato de amônio armazenado no porto de Beirute, gerou um descontentamento generalizado contra o governo. Protestos derrubaram o segundo governo em menos de um ano.

Todo o Oriente Médio está em crise. A intervenção imperialista e as guerras das potências regionais de Teerã, Riade, Ancara, etc. devastaram países como Síria, Iraque e Iêmen. Mas movimentos recentes no Irã, Iraque e Líbano mostraram, sem sombra de dúvida, que o movimento de massas transcende as fronteiras artificiais. Somente um movimento revolucionário das massas pobres que abrange toda a região pode trazer paz e estabilidade, derrubando os podres Estados capitalistas da região.

A maior economia do sul da Ásia, a Índia, está em uma recessão profunda após a quarentena da Covid. No trimestre abril-junho, a economia contraiu em impressionantes 24%. Mesmo antes da pandemia do Coronavirus, a economia havia desacelerado para 4% do crescimento anual de 8% nos anos anteriores, quando os governantes do país falavam de uma “Índia brilhante”. O desemprego está no nível mais alto em 40 anos.

Nos últimos sete anos de governo, o partido fundamentalista hindu BJP falhou completamente em cumprir suas promessas Vikas (de desenvolvimento). Sua base social está diminuindo rapidamente. O mesmo vale também para o Partido do Congresso Nacional Indiano, com o lema secular transformado em um discurso vazio e desprovido de qualquer desenvolvimento material para as massas. As várias correntes de partidos de esquerda também não conseguiram realizar nenhuma mudança socioeconômica real, optando pelo mesmo mantra do secularismo e democracia dentro dos limites do capitalismo. A ascensão do BJP neofascista de Narendra Modi é na verdade o fracasso de todos os partidos seculares e da “esquerda”.

A burguesia indiana finalmente optou pelo BJP (Partido do Povo Indiano) como seu novo partido tradicional porque na atual crise do capitalismo global, a sociedade não pode ser governada pelos métodos tradicionais. Na realidade, é a manifestação da frustração das classes dominantes da Índia com o aumento da pobreza, da desigualdade e da miséria das massas e o fato de que seu sistema é historicamente obsoleto. Os incidentes de linchamento de muçulmanos e hindus de casta inferior aumentaram rapidamente nos últimos anos.

Os governantes da Índia estão conscientemente promovendo a divisão entre muçulmanos e hindus para manterem seu sistema intacto. As novas leis de cidadania, NRC (Cadastro Nacional de Cidadãos) e CAA (Lei de Admissão da Cidadania), são uma provocação deliberada para incitar à violência religiosa. Apesar disso, as massas lutaram contra esta lei discriminatória e protestos estouraram em toda a Índia com hindus e muçulmanos agitando e rejeitando a política divisionista do BJP. O movimento estudantil que eclodiu no JNU (Universidade Jawaharlal Nehru), no ano passado em Delhi, coincidiu com o movimento Anti-CAA que inspirou todo o subcontinente indiano ao transcender a Linha Radcliff[1] com estudantes e ativistas de esquerda no Paquistão, mostrando solidariedade com seus companheiros na Índia. Além disso, a enorme classe trabalhadora indiana vem realizando greves gerais todos os anos contra a política econômica neoliberal de Modi.

As classes dominantes do Paquistão não são diferentes de seus irmãos indianos. O Estado paquistanês está na mais profunda crise de sua história. Pela primeira vez, a economia registrou crescimento negativo no último trimestre. Esta crise econômica se reflete nas disputas de diferentes facções das classes dominantes e instituições do Estado. As massas estão se recuperando das políticas neoliberais draconianas do governo Imran Khan. Todos os partidos políticos no horizonte foram desacreditados aos olhos das massas. A condição da sociedade é tão frágil que qualquer incidente pode ser o ponto de partida de uma explosão social.

O mundo inteiro está passando pela crise mais profunda do capitalismo em toda a sua história. O mundo mal havia se “recuperado” das devastações do acidente de 2008 quando foi atingido por outro, em uma escala muito mais profunda e catastrófica. O sistema não está apenas causando estragos na vida de milhões de pessoas, mas também colocou em risco todas as conquistas da humanidade por milhares de anos. A ganância por lucros está destruindo o ecossistema, causando mudanças climáticas devastadoras. A Covid-19 é na verdade o resultado de um modelo de desenvolvimento capitalista orientado para o lucro, destruindo a natureza com desmatamento, emissão descontrolada de gás carbono e terríveis resíduos industriais. Só a derrubada do capitalismo pode acabar com essa loucura. É tarefa das e dos marxistas de todo o mundo ampliarem sua força, desenvolver uma perspectiva decisiva sobre a derrubada do capitalismo global e lutarem por uma alternativa socialista. Na última década, numerosos movimentos de massa estouraram em muitas partes do mundo, da América à Europa, Oriente Médio e Ásia. Infelizmente, devido a falta de liderança marxista, esses movimentos se dissiparam e o capitalismo permaneceu intacto. Uma vitória socialista em qualquer país importante pode abrir as portas das revoluções em todo o mundo, colocando assim o socialismo na ordem do dia.

[1] N. do T: Radcliffe é a linha divisória entre a Índia e o Paquistão (e atual Bangladesh) implementada com a independência desses dois países em 1947.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *