Lembramos mais um aniversário do triunfo da revolução russa, do estabelecimento do governo dos sovietes de trabalhadores, camponeses e soldados, do triunfo do partido bolchevique e do processo revolucionário que deu origem à Terceira Internacional.

Por Gustavo Giménez

Lenin e Trotsky, cada um com sua contribuição, completaram a estratégia essencial para o triunfo revolucionário em outubro de 1917, onde a revolução de 1905 foi um grande ensaio geral.

Lenin, enfrentando os que sustentavam que a revolução contra a autocracia czarista deveria ser dirigida pela frágil e servil burguesia russa – repetindo um esquema que não se adequava à realidade do país. Lenin estava convencido de que os operários e os camponeses eram os únicos capazes de modificar a Rússia feudal e atrasada. Além de não saber, a princípio, estabelecer os termos dessa aliança entre os explorados, foi ele o arquiteto do instrumento indispensável para a tomada do poder, o partido bolchevique.

Revolução Russa (1917): resumo, o que foi e causas - Toda Matéria

Trotsky, o presidente do Soviet de Petrogrado em 1905 e depois em 1917, embora não tenha seguido a estratégia partidária de Lenin no início, logo compreendeu o caráter socialista da revolução dada a crise do capitalismo que a guerra de 1914 trouxe. Somente um governo operário poderia acabar com a carnificina na guerra interimperialista, a fome e a estrutura feudal da Rússia czarista. Trotsky lançou as bases teóricas que Lenin mais tarde abraçou em suas Teses de Abril.

O elo mais fraco da cadeia imperialista foi quebrado [1]

Em fevereiro, o czar caiu após uma revolta que começou com a mobilização das trabalhadoras têxteis. Dois governos coexistem por alguns meses: o da revolução, expresso nos sovietes operários e camponeses e; o da burguesia liberal e dos partidos reformistas, o governo provisório. A vontade de cumprir os compromissos com os “aliados” de continuar a guerra, expressa pelo ministro liberal Muliukov, provocou em abril fortes mobilizações de rejeição e a primeira crise do governo provisório.

Hoje na História | 7 de novembro: Revolução Russa | Internacional

Desde então, a raiva não parou de crescer nas fábricas e quartéis, até que em 3 de julho ocorreram massivas manifestações armadas em Petrogrado. Os bolcheviques os apoiam, tentando, por sua vez, impedir um ataque prematuro ao poder, já que o interior do país e a maioria camponesa ainda não estavam preparados para isso e confiavam no governo Kerensky.

A resposta às “Jornadas de Julho” foi uma forte repressão aos bolcheviques, com as sedes invadidas, tipografias fechadas e seus principais dirigentes perseguidos e presos, acusados ​​de serem “agentes alemães”. Mas a contrarrevolução precisava de algo mais forte do que o enfraquecido governo Kerensky e por isso a burguesia russa apoiou o levante do general Kornilov em agosto.

Foram os trabalhadores e soldados liderados por Lenin que derrotaram o golpe. Isso alavancou os bolcheviques para a liderança dos sovietes e, com a eclosão da revolução no campo, preparou as condições para a tomada do poder.

A revolução internacional

Tanto Lenin como Trotsky conceberam a revolução em seu país como um elo da revolução socialista no mundo e não hesitaram em colocar todo o seu potencial a serviço da construção de uma organização operária revolucionária internacional.

Pensavam que a Rússia revolucionária não poderia ser sustentada sem o triunfo da revolução nos centros do proletariado europeu e nas nações mais importantes do mundo. Por isso fundaram em 1919, no meio da guerra civil contra os “brancos” e os 14 exércitos mercenários, a organização revolucionária mais poderosa que se conhece na história, a Terceira Internacional.

A Revolução Russa de 1917 e a esquerda latino-americana – Fundação Rosa  Luxemburgo

A contrarrevolução e os Possibilistas

Lenin, apesar de sua autoridade política, teve que travar batalhas políticas dentro do partido. Em abril de 1917, quando voltou à Rússia, enfrentou a liderança bolchevique que tinha uma linha de apoio crítico ao governo provisório e se recusava a preparar a tomada do poder pelas organizações dos soviets. Em outubro, dois dos principais líderes, Kamenev e Zinoviev, se opuseram publicamente à insurreição e foram afastados do partido – depois reintegrados quando fizeram a autocrítica.

Essas vacilações são típicas de momentos cruciais de grandes crises sociais e políticas. Surgiu um Possibilismo estrutural, de uma casta contrarrevolucionária que, liderada por Stalin, conseguiu deslocar a velha guarda revolucionária que liderava a revolução.

Anos de guerra imperialista, guerra civil e condições de grande miséria, devido ao bloqueio imperialista, exauriram as forças do povo russo. A classe operária estava dispersa, produto das graves condições que paralisavam a indústria. A tão esperada revolução internacional sofreu fortes derrotas, como a perda da revolução alemã de 1919-1923 e a derrota (graças à liderança stalinista) da revolução chinesa de 1927.

Dadas as riquezas naturais e o tamanho da URSS, por que continuar com a “revolução permanente” que Trotsky propôs, se era melhor se dedicar à construção do “socialismo em um só país”? Por que encorajar o desenvolvimento de uma internacional revolucionária, quando o que faltava era uma agência de defesa dos interesses russos? – leia-se a camarilha governante.

Essa possibilidade só poderia ser mantida na base de um regime totalitário. Depois de décadas de parasitar e destruir as bases não capitalistas da economia e as conquistas deixadas pela revolução, essa distorção chamada erroneamente de “socialismo real” foi derrotada pelas massas trabalhadoras da Rússia e dos próprios países orientais. Esse triunfo que teve um aspecto contraditório, visto que, na ausência de uma alternativa revolucionária, o termo “socialismo” permaneceu ligado à aberração stalinista na consciência de milhões. Durante anos, a ideia de que “outro mundo é possível” sob o capitalismo minou, nas mãos dos novos e antigos reformistas, a consciência popular.

A revolução e as possibilidades do Século XXI

Vivemos tempos em que o confronto entre a revolução e a contrarrevolução se tornou mais agudo. Foi-se o Estado de Bem-estar europeu, o sonho americano, a ascensão social de setores dos trabalhadores e das classes médias, enquanto os trabalhadores e os povos das colônias eram superexplorados. O panorama mundial, agravado pela pandemia, mostra um ataque brutal a todas as conquistas sociais para saciar a sede de lucro de um capitalismo cada vez mais em crise.

Ataques aos salários, aposentadorias, direitos trabalhistas, planos sociais, educação e saúde pública. Ajustes capitalistas são aplicados tanto por governos neoliberais, quanto por governos que se dizem populares e até “socialistas”. Trabalhadores e os povos respondem retomando o caminho das lutas que a pandemia colocou em um breve impasse. A consciência socialista surge na juventude do imperialismo e o descontentamento também se expressa, de forma distorcida, na derrota eleitoral das formações autoproclamadas de direita.

A “tática” possibilista do momento é apoiar o democrata Biden contra o fascista Trump, ou se unir aos barões do PJ para derrotar Macri, ou apoiar o candidato economista liberal de Evo contra a direita de Áñez, ou desviar o olhar das aberrações da burocracia Maduro ou Ortega, ou embelezar a nefasta burocracia chinesa para enfrentar o imperialismo ianque.

A verdade é que não há possibilidade de enfrentar a miséria e a degradação ambiental, de deter a virada repressiva contra os povos, as minorias oprimidas, migrantes, mulheres, dissidentes sem derrotar o sistema capitalista imperialista, seus governos e instituições .

Quem não valoriza a enorme energia que os povos estão demonstrando, desde as mobilizações por “Vidas Negras Importam” até as do heroico povo chileno, passando pelo levante na Bielorrússia, descarta a única possibilidade que a humanidade tem em tempos de catástrofe: transformar tudo. Utilizar os enormes recursos para acabar com a degradação e decadência capitalista e construir uma sociedade igualitária; usar todos os recursos da tecnologia e da ciência a serviço da humanidade. Uma sociedade sem opressão, exploração e miséria, uma sociedade socialista. Os ensinamentos da Revolução de Outubro são indispensáveis ​​para esta grande luta em curso.

Chile despertou'': com mais de um milhão nas ruas o poder político treme -  Carta Maior

Nota:

[1] Conhecida frase de Lenin.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *