Reproduzimos a nota do Movimento Socialista Russo (RSD) sobre as ações no Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, publicada no dia 09.03.2019.

Socialistas em seis regiões celebraram o Dia Internacional da Mulher organizando comícios e piquetes de protesto, fazendo videoclips, realizando projeções de filmes e debates. Pela primeira vez aconteceu uma ação feminista no campo: o povo de Vavozh, na República da Udmúrtia.

Moscou

O RSD, junto com ativistas de outros movimentos feministas de esquerda, realizou uma ação “Pelos direitos das mulheres e a justiça social” no monumento a Nadezhda Krupskaya. Os participantes da ação exigiram remuneração igual pelo trabalho igual, políticas para combater a violência sexual e doméstica, em particular, a criação de centros de crises para mulheres submetidas a violência e a devolução do artigo “Golpear” ao código penal; o aumento do gasto governamental na educação, saúde e outras áreas, a maioria das quais são mulheres.


São Petersburgo

O brilhante comício “Feminismo para todos” reuniu 500 pessoas, se transformando na maior ação pala a liberação da mulher em São Petersburgo nos últimos anos. A manifestação foi claramente de caráter social: prevaleceram consignas em apoio de trabalhadoras discriminadas, vítimas de violência doméstica, exploração sexual e pobreza.

A ativista da RSD, Valeria Kovalishina, que abriu a manifestação, enfatizou que a opressão das mulheres é inseparável da desigualdade de classe, a supressão das liberdades civis e a discriminação baseada em características nacional e raciais. A luta política contra o sistema composto de patriarcado, capitalismo e autoritarismo conduz a liberação da mulher. A socialista Rita Prudnikova dedicou seu discurso à luta contra a violência doméstica e ao vergonhoso papel do Estado, que sabota a adoção da lei sobre as ordens de proteção.

Representantes de grupos e iniciativas feministas falaram no comício: movimento LeftFem, popular vlog “Explicações feministas”, comunidades de lésbicas e trans, grupos musicais. O protesto uniu várias forças políticas, desde comunistas tradicionais do Partido Comunista Unido até os liberais do movimento Spring, o que sugere que, apesar da resistência dos conservadores, o feminismo está ganhando reconhecimento no entorno opositor. Depois da manifestação no espaço “Eve Ribs”, aconteceu um ato festival cheio de gente, em que tiveram informas sobre temas atuais, oficinas, um leilão de caridade e um show. Os socialistas falaram sobre a discriminação trabalhista, os problemas de violência doméstica e as crescentes restrições à liberdade reprodutiva.

Ecaterimburgo

O 8 de março, um grupo de RSD celebrou uma sessão aberta em Ecaterimburgo, onde falaram sobre o trabalho da feminista de esquerda Heidi Hartmann “Um casamento ruim: até uma união mais progressiva entre maxismo e feminismo”.

Irkustsk

O 8 de março, o grupo local da RSD, junto com as ativistas da Solidariedade das Mulheres e o Partido Comunista da Federação Russa, celebraram um piquete para lembrar às pessoas de Irkustsk o verdadeiro significado do Dia Internacional da Mulher. “Para nós, o 8 de março não é um dia festivo comercializado como “buquê de doces”, mas um dia de luta pela igualdade, contra a discriminação e a opressão baseada no gênero. Falando contra a opressão das mulheres como mulheres, não devemos nos esquecer da opressão de classe dos trabalhadores contratados. Apenas a transição para uma sociedade socialista pode liberar completamente uma mulher”, explicam as companheiras o significado da ação. Os piqueteiros falaram com a pessoas da cidade, alguns dos quais expressaram seu apoio aos ativistas, outros surgeriram que outro slogan valeria escrever nos cartazes, outros argumentaram, mas ninguém permaneceu indiferente.


Udmúrtia

Pela primeira vez nas ruas da cidade se falou de direitos trabalhistas e sociais das mulheres. Ativistas e ativistas da RSD de Izhevsk realizaram uma série de piquetes e organizaram um debate aberto sobre o Dia Internacional da Mulher. Além disso, os companheiros gravaram um vídeo sobre os problemas que enfrenta uma mulher no sistema capitalista.

No 8 de março, os partidários da RSD saíram com piquetes na aldeia de Udmúrt em Vavozh.

Yakutsk

RSD-Yakutsk realizou uma projeção do filme “Sufragista” em honra ao Dia Internacional da Mulher. O filme conta a difícil história da luta das trabalhadoras do Reino Unido pelo direito ao voto. Depois de assistir o filme, os participantes chegaram ao consenso de que os ataques aos direitos das mulheres na sociedade continuam em nossos dias, e a luta pela emancipação das mulheres deve continuar.