Neste domingo o portal The Intercept tornou público arquivos que comprovam que a Operação Lava Jato nunca foi imparcial e muito menos apolítica. E que a justiça sempre será de classe.

Uma operação que iniciou com a desculpa de investigar esquemas de corrupção nos poderes políticos do país, logo passou a operar politicamente na defesa dos interesses da burguesia que não aceitavam mais o PT na Presidência da República, mesmo o partido tendo se aliado e abraçado setores desta mesma burguesia para garantir sua permanência no poder por mais de 10 anos.

Parte do conteúdo divulgado contêm trocas de mensagens ilegais onde, o então juiz, Sérgio Moro dá direcionamentos para o procurador da república Detran Dellagnol seguir na construção de suas acusações contra o ex-presidente Lula, que pouco tempo depois foi condenado pelo juiz.

Outra parte do conteúdo também envolve membros da procuradoria, que buscaram impedir qualquer possibilidade do ex-presidente conceder entrevista, autorizada pelo STF, no período pré-eleição, com claro medo da mesma influenciar no resultado eleitoral de 2018.

Trazendo mais clareza sobre a crise institucional que segue arrastando o país para a desordem e instabilidade governamental, e que terá sempre sua fatura jogada nas costas da classe trabalhadora, deve ser aberta imediatamente uma profunda investigação sobre a ilegalidade na condenação do ex-presidente Lula e manobras que causaram intervenções nos resultados eleitorais, demissão do ministro da justiça Sergio Moro e dos procuradores Deltan Dellagnol, Athayde Costa, Junior Noronha, Jerusa Veicilli, Laura Tessler, Paulo Galvão, Januário Paludo, e qualquer envolvido nas ações ilegais da força-tarefa da Lava Jato.


/ Alternativa Socialista
LIS-ISL – Liga Internacional Socialista