A Conferência Internacional da LIS, convocada para discutir a estratégia dos socialistas revolucionários diante de um planeta onde a rebelião está crescendo, acaba de terminar.

Abriu com as palavras de boas-vindas e um relatório de Alejandro Bodart do MST da Argentina em nome da Coordenação LIS e intervenções de Güneş Gümüş do SEP da Turquia e Umer Shahid de A Luta do Paquistão. Participaram camaradas de mais de 30 países dos 5 continentes e também camaradas dos EUA, Rússia, Chile, França, Bielorrússia, Sahara Ocidental, Austrália, Brasil, Líbano, Bolívia, Peru, Colômbia, Ucrânia, Argélia, Espanha, Nicarágua, Venezuela, Paraguai.

As resoluções adotadas são publicadas abaixo.

Resolução Política da Conferência Internacional da LIS de dezembro de 2020


Estratégia Socialista para um planeta em rebelião


A pandemia da COVID-19, que deixou sua marca no ano 2020 e continuará até 2021, será lembrada como uma das experiências mais chocantes da humanidade. Temos outra longa temporada de inverno para superar no hemisfério norte e no sul as perspectivas continuam graves. De acordo com números oficiais, o número de pessoas que perderam suas vidas até agora ultrapassou 1,6 milhões. E ninguém duvida que o número real é muito maior do que isso.

Este alto custo deixou claro que o capitalismo não funciona. Foi revelado que os grandes Estados burgueses, que elaboram planos detalhados para a máquina de guerra imperialista e alocam enormes recursos para ela, não têm planos para lidar com uma epidemia global. Todos os regimes capitalistas e os governos têm saído em apoio às grandes empresas e priorizado o lucro de poucos sobre a saúde e a vida dos trabalhadores e da maioria do povo. Nesta experiência histórica, os poderes capitalistas, e de fato o próprio sistema como um todo, tiveram um desempenho miserável em todas as áreas e todas as suas contradições se tornaram visíveis. Além disso, mesmo que a crise global de saúde pública seja superada com a vacina, as condições severas de uma grande crise sócio-econômica já sofrida por centenas de milhões de trabalhadores no mundo serão qualitativamente agravadas.

Antes que os efeitos da crise de 2008 fossem superados, uma nova crise econômica global estava batendo à porta em 2020. A pandemia a acelerou e a aprofundou. Hoje estamos testemunhando uma crise de tal magnitude que só é comparável com a do final do século XIX ou dos anos 30. Então, aonde este túnel leva? A expectativa de que seu desenvolvimento produza resultados grandes e claros assusta a muitos. De acordo com o prognóstico dos céticos, a ascensão do autoritarismo e do fascismo é inevitável. A maioria dos intelectuais de esquerda quer chamar a atenção para si mesmos, popularizando estes cenários distópicos. O governo Trump é mostrado de forma muito exagerada, como um ator fascista e o fim da democracia americana. Estes cenários pessimistas e exagerados provaram ser ferramentas úteis para conduzir as massas em direção ao mal menor do Partido Democrata. Por exemplo, organizações de esquerda como a direção do DSA e figuras como Noam Chomsky e Bernie Sanders trabalharam duro para liderar a crescente onda da esquerda e o movimento de classe nos EUA para apoiar o imperialista Biden. Assim, o desenvolvimento de um partido socialista de massa e independente nos Estados Unidos foi mais uma vez impedido, embora por enquanto. Mas Trump perdeu a eleição, e hoje a discussão de “fascismo vindo” não tem o mesmo efeito.

E quanto à alternativa de esquerda? Não estamos profetizando sobre os mistérios do futuro, mas podemos dizer que estamos entrando em um período em que a luta de classes se intensificará quando observarmos as principais tendências em desenvolvimento. Nossa intenção não é negar completamente a existência de tendências autoritárias, mas as coisas têm que ser medidas corretamente. O que existe no mundo inteiro é uma crescente polarização política e social. Uma de suas faces é a existência de importantes expressões autoritárias de centro-direita e ainda marginalmente de grupos fascistas. Mas a outra é a crescente resistência de trabalhadores, mulheres e jovens, que em vários países desde o ano passado têm liderado rebeliões reais e junto com isto a existência de um espaço crescente para o surgimento de alternativas de esquerda. Há uma certa correlação entre a ascensão da luta de classes e o surgimento de tendências autoritárias. Foi a crise econômica e política que precedeu as duas tendências. Não podemos dizer que toda crise do capitalismo leva automaticamente a um aumento da luta de classes, mas em um ambiente onde o padrão de vida do povo está caindo rapidamente, os ventos estão impulsionando a luta de classes. O salto do autoritarismo para o fascismo tende a vir à tona somente após o fracasso das lutas dos trabalhadores. Em outras palavras, se o movimento de classe explorado e os socialistas falharem no novo mundo, no qual a pandemia não será mais a principal agenda e as crises econômicas, sociais e políticas serão combatidas, então o perigo da ascensão do fascismo se apresentará.

Mas a esquerda terá que ir até a frente do palco. É inevitável que a luta de classes se intensifique em condições em que a brecha entre as classes se amplie ainda mais e a perda de empregos e renda caia bilhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura estimou que 690 milhões de pessoas lutaram contra a fome até 2019, e mais 130 milhões começaram a sofrer de fome crônica devido à pandemia. Aumentos constantes nos preços dos alimentos e a queda da renda nos últimos 6 meses significam que bilhões de pessoas serão subnutridas. Bilhões de pessoas, a grande maioria dos trabalhadores, perderam seus empregos ou tiveram seus rendimentos cortados, e a grande maioria não recebeu nenhum apoio governamental ou ajuda extremamente inadequada. As perdas e reveses sofridos pelos pobres na educação e na saúde continuam a ter conseqüências dramáticas. Em todo o mundo, o problema da terra e da moradia para a grande maioria está se tornando mais agudo. As quarentenas foram acompanhadas por um salto na violência contra as mulheres. E as corporações intensificaram as agressões socioambientais para se apropriar de matérias-primas baratas.

Todo este processo cria as condições objetivas para o fortalecimento da luta de classes. Alguns de nós pensam que o ano de 2019 foi o cenário de um mini 68, outros que na América Latina e no Oriente Médio se abriram situações pré-revolucionárias naquela época. Mas independentemente de como definimos o que aconteceu, em países como Porto Rico, Equador, Colômbia, Chile, Bolívia, França, Tunísia, Argélia, Líbano, Iraque, Irã e Sudão, a luta de classes assumiu formas muito violentas. 2020 não prometeu menos, mas a pandemia representou uma pausa relativamente necessária na escalada das lutas porque a atenção das sociedades tem se concentrado na pandemia e a classe trabalhadora em não adoecer para não cair vítima de péssimos sistemas de saúde e enfrentar riscos vitais.

Apesar disso, as ações anti-racistas nos Estados Unidos, que tinham sido precedidas por um deslocamento da juventude para a esquerda, atingiram níveis sem precedentes desde os anos 60 com sua massividade e radicalismo que deixaram os Estados Unidos frágeis diante de rupturas sistêmicas. Devido à magnitude dos eventos, que causaram uma onda de mobilizações anti-racistas ao redor do mundo e ao peso dos Estados Unidos no contexto global, temos que discutir se este evento não representa uma mudança de qualidade na situação mundial. Mais uma vez, neste processo, os protestos dos trabalhadores e da juventude no Líbano derrubaram o governo, e na Tailândia, embora tenha abalado o sistema, o movimento não atingiu seus objetivos. No Chile, a ascensão continuou e feriu mortalmente o regime herdado do Pinochetismo. No Peru, a mobilização derrubou dois governos em uma semana e deslegitimou a constituição do ditador Fujimori. Em Bielorrússia, a mobilização popular, sem precedentes desde os anos 90, apesar da grande repressão exercida pelo ditador Lukashenko, não foi derrotada e nada será o mesmo de antes. O povo saharaui, com sua juventude na vanguarda, está novamente se levantando contra a ocupação marroquina. E os trabalhadores da França, mais uma vez, entraram em cena, desta vez contra a lei de segurança autoritária da ala direita Macron.

Tudo isso anuncia qual é a perspectiva para quando a pandemia atingir o fundo da agenda em 2021. Os trabalhadores, cada vez mais pobres e os jovens sem futuro, começarão a pressionar os governos capitalistas. Os protestos e greves que ocorrerão em muitas partes do mundo manifestarão uma consciência de classe superior, a capacidade de agir coletivamente e eventualmente uma tendência anti-capitalista das massas.

No outro lado da moeda, vemos o fato de que os governos capitalistas estão fortemente endividados. Muitos países ao redor do mundo, desde Itália, Espanha e Portugal até quase toda a América Latina; Turquia, Tunísia, Egito e Líbano, Irã e África do Sul têm dívidas quase impagáveis. De acordo com o Banco Mundial, os países de baixa e média renda precisam de 175 bilhões de dólares e 700 bilhões de dólares por ano, respectivamente. Por outro lado, o total do fundo da dívida criado pelo FMI e pelo Banco Mundial para esses países é de US$260 bilhões. Em resumo, a probabilidade de colapso das economias de muitos países é bastante alta, como foi o caso da Grécia, Líbano e Argentina no passado recente. Isto trará consigo novas medidas de austeridade, mas é muito, muito difícil para os trabalhadores, que já foram empobrecidos durante o processo da pandemia, suportar um fardo ainda maior. Tudo isso é um bom presságio para novas explosões sociais.

A questão, entretanto, é se esta onda de oposição social triunfará. Naturalmente, o principal sucesso é a revolução socialista. Mas para preparar o caminho para que a classe trabalhadora tome o poder político, deve haver saltos no nível de desenvolvimento da vanguarda marxista revolucionária com consciência e organização de massa. As condições materiais serão mais adequadas para que esses saltos ocorram no próximo período. Neste sentido, o critério para medir o sucesso a curto prazo é a proliferação das revoltas dos trabalhadores em muitos países do mundo nos últimos anos e seu avanço à medida que amadurecem. Em outras palavras, a reação das massas, que careceu de direção e programa revolucionário e que se desenvolveu contra governos e regimes burgueses, desigualdades econômicas, autoritarismo, corrupção, desemprego, futilidade e capitalismo, deve ser radicalizada e levada ao socialismo pelo surgimento da consciência de classe e das forças organizadas. Para progredir, a hegemonia do socialismo deve crescer no movimento de massas; o socialismo atrairia os trabalhadores e os jovens mais qualificados para suas fileiras.

As ondas de luta que surgirão no próximo período aumentarão a consciência de classe mundial e desenvolverão a simpatia anti-capitalista entre o povo trabalhador e a juventude. Recordemos que as massas em vários países saíram às ruas com bandeiras nacionais durante os tumultos de 2019. Mas, com o efeito do radicalismo se desenvolvendo no próximo período, se encontrarmos mais frequentemente palavras de ordem e símbolos do socialismo, soarão os sinais de alarme para a classe dominante.

Neste período, acelerar a construção de organizações marxistas revolucionárias, e fortalecer e consolidar as organizações existentes será de importância histórica. A construção da direção internacional da classe trabalhadora só pode ser possível através de tais lutas. Não há atalhos para resolver o problema da direção. A construção de partidos revolucionários é um processo de longo prazo. Entretanto, o curso da luta de classes é decisivo para o ritmo de construção. Estamos entrando numa nova e longa etapa na qual a crise se aprofundará e seus efeitos se estenderão com o tempo. Não esqueçamos que, em tempos de crise e convulsões sociais, as massas aprendem muito rapidamente, experimentam saltos de consciência que tornam possível o que antes era inimaginável.

Neste contexto, seria uma grande perda limitar a luta da classe trabalhadora a objetivos mínimos em nome do realismo. É necessário lutar contra as ilusões do chamado “capitalismo democrático” entre os trabalhadores e a juventude, onde as pessoas têm que lutar contra os ditadores burgueses e os problemas básicos da vida nos países subdesenvolvidos. O modelo do Estado social parlamentar liberal não é mais válido nem mesmo no Ocidente. O nível de vida da classe trabalhadora nesses países está em rápido declínio, os direitos democráticos estão sendo suprimidos, a extrema direita está levantando a cabeça e os políticos demagógicos de direita se destacam como candidatos a ditadores. E ainda assim a demanda por uma sociedade burguesa democrática nos países capitalistas subdesenvolvidos é mais vazia do que nunca. Precisamos tornar a revolução permanente, derrotando as grandes classes capitalistas e latifundiárias, para que possamos resolver os problemas básicos da vida.

O sistema capitalista-imperialista e os estados nacionais burgueses são o maior obstáculo para a humanidade e a maior ameaça para a existência de nosso planeta. A tarefa estratégica enfrentada pela classe trabalhadora é tomar o poder político através de revoluções socialistas e se lançar na construção do socialismo mundial. A realização desta missão estratégica só pode ser possível com táticas bem preparadas. É por isso que temos que trazer os problemas mais urgentes do dia para o centro da luta e atrair mais trabalhadores e jovens para a luta revolucionária. Algumas das questões mais importantes com as quais as forças de vanguarda da classe e os marxistas revolucionários estão intensificando a luta hoje são as seguintes:

Agenda urgente para intensificar a luta

1. Os pacotes de resgate para os capitalistas devem ser cancelados imediatamente.

Os estados burgueses injetaram somas astronômicas (mais de US$ 10 bilhões) no sistema para salvar empresas ou limitar o colapso do mercado. Todos esses pacotes que salvaram as empresas da falência somam mais do que o dinheiro que eles bombearam após a crise de 2008.

Esses recursos são na verdade uma transferência de recursos de trabalhadores para um grupo de pessoas super-ricas. A pandemia, na qual milhões de pessoas perderam suas vidas, torna-se assim uma oportunidade para os capitalistas. As bolsas de valores do mundo celebram, portanto, as vitórias da classe capitalista. Mas não há nada além de especulação. Com estas bolhas, algumas empresas zumbis já afundadas são mantidas à tona, enquanto outras obtêm lucros enormes com a especulação da bolsa de valores. Mas a FED, que tem a capacidade de imprimir dinheiro ilimitado, não pode fechar os buracos negros em constante crescimento. A implicação é que a classe trabalhadora deve visar o capital.

Na luta contra um pequeno estrato parasitário que continua a enriquecer rapidamente, mesmo durante as pandemias, aproveitando a mais-valia criada pela classe trabalhadora mundial e os mecanismos do estado burguês sob seu controle, os pacotes de resgate são o ponto fraco do sistema. A classe trabalhadora organizada deve atacar neste ponto e exigir que todos os recursos sejam entregues às exigências das maiorias populares: pão, saúde, trabalho, educação, terra, moradia.

2. Quarentena com assistência integral de renda aos trabalhadores durante a pandemia.

Enquanto o grande capital que recebeu transferências milionárias em todos os países se tornou o primeiro a se salvar, cuidando de si mesmo, a pobreza e o trabalho em risco de morte foram a parte recebida pelas classes trabalhadoras e pequenos negócios. A pandemia atingiu mais duramente o setor de serviços, onde grandes massas de pessoas trabalham; milhões de pessoas em todo o mundo trabalhando em setores como preparação e venda de alimentos, entretenimento, cuidado infantil e educação tiveram a sorte de conseguir ajuda do Estado. O estado burguês e o capital forçaram a classe trabalhadora a trabalhar em locais onde há um alto risco de contágio, a fim de manter as rodas do lucro dos patrões girando e o sistema exploratório funcionando.

Assim, o impacto e o diâmetro da pandemia se expandiram e o número de mortes disparou. Portanto, a demanda comum do movimento operário global deveria ser uma quarentena total, exceto em setores vitais, fornecendo apoio total à renda dos trabalhadores formais e informais. Além disso, devemos levantar a proibição de demissões e cortes salariais, bem como a nacionalização de qualquer fábrica ou empresa que feche. Na medida em que estas exigências, que são muito legítimas aos olhos das massas, se difundem e se tornam bandeiras de luta, isso ajudará efetivamente a aumentar a consciência do conflito entre os interesses das classes trabalhadoras e o Estado e o capital.

3. A luta contra a destruição neoliberal do sistema de saúde e as desigualdades no acesso à saúde.

É de grande importância criar um programa de resposta de emergência que apóie a infra-estrutura e os serviços de saúde, alocando os recursos necessários. Além disso, a luta para garantir o acesso rápido e livre às vacinas em países pobres e de baixa renda é uma tarefa urgente.

A pandemia de Covid mostrou as conseqüências mortais da mercantilização neoliberal, entregando o sistema de saúde à sede de lucro. Em todo o mundo, os sistemas de saúde pública foram parcial ou completamente privatizados ou deixados para morrer. Em todos os casos, eles foram deixados à mercê dos capitalistas. A falta de pessoal, hospitais e unidades de terapia intensiva tem sido o principal fator que tem levado a um alto número de mortes na pandemia. Os socialistas devem levantar a necessidade de um sistema de saúde único, administrado pelo Estado, nacionalizando todas as clínicas e laboratórios privados.

O outro lado da moeda, a vacina, que é apresentada como receita de salvação na pandemia, está mais uma vez sujeita à ganância do capital. Os monopólios farmacêuticos, que já receberam milhões de dólares em incentivos à pesquisa, procuram lucrar com a vacina que vai ser usada em massa. Este processo acarreta o perigo de aumentar ainda mais as desigualdades, tanto a nível nacional quanto internacional. Em países como os Estados Unidos, onde o sistema de saúde é totalmente privatizado, a vacinação gratuita de toda a população e o fornecimento de vacinas gratuitas aos países do Terceiro Mundo, que estão endividados, estão entre as exigências mais importantes da atualidade em termos de solidariedade internacional.

4. Tributação dos ricos e expropriação total para obter os recursos necessários para resolver problemas sociais urgentes.

Os mesmos Estados que utilizam o orçamento público para despesas militares e para empregadores, reclamam da falta de recursos quando se trata de trabalhadores e trabalhadoras. Na esteira da crise de 2008, vimos que os bancos centrais deram grandes quantidades de dinheiro quase de graça às empresas para que elas pudessem especular mais, e bilhões de dólares foram gastos em títulos de lixo. Hoje é essencial exigir o confisco dessas empresas especulativas que multiplicam suas riquezas enquanto os trabalhadores lidam com a pobreza, e também as economias daqueles que as dirigem. Devemos lutar pela nacionalização do sistema bancário e do comércio exterior.

Nesta base, o não pagamento soberano das dívidas estrangeiras nos países onde elas os sobrecarregam e a exigência de impostos progressivos sobre a riqueza pessoal e empresarial em nível global é importante tanto para apontar onde obter os recursos para as demandas revolucionárias da classe trabalhadora quanto para conscientizar a oposição capitalista-trabalhador.

5. A luta pelo orçamento da educação.

Uma das necessidades básicas que tem sido afetada pela pandemia em todo o mundo tem sido o direito à educação. O sistema educacional, que já estava atormentado por profundas desigualdades, entrou em colapso para as classes trabalhadoras e os pobres quando entrou em funcionamento. Quando a pandemia acabar, ficará mais claro que os pobres que não estão equipados para ter acesso à educação on-line estão isolados do sistema educacional. Nesta base, é uma demanda vital para as crianças da classe trabalhadora que um orçamento muito maior seja alocado para fornecer educação pública, científica, gratuita, secular e eqüitativa a todos os estudantes e que todos os subsídios estatais para a educação privada e confessional sejam eliminados.

6. A luta contra o uso da pandemia pelos governos para atacar o direito de protesto.

2019 foi um ano de revolta global. Apesar da pandemia, esta onda de luta se manifestou nos exemplos dos Estados Unidos, Líbano, Tailândia, Bielorrússia, Bolívia, Peru, Guatemala e França em 2020. As classes dirigentes, apanhadas pelos efeitos devastadores da crise e da pandemia, estão recorrendo a medidas extraordinárias diante da ameaça de rebelião. Em todo o mundo, as principais exigências revolucionárias da classe trabalhadora devem ser a luta contra os ataques ao direito à liberdade de expressão, ação e organização, bem como a defesa de todos os direitos democráticos dos trabalhadores, mulheres e jovens, que foram cerceados por governos e regimes autoritários.

7. A luta contra o desastre socioambiental do capitalismo.

A matriz da produção e consumo capitalista, além de explorar os trabalhadores, destrói a natureza com o único propósito de acumular lucros privados. A origem da COVID reside precisamente nesta forma brutal de intervenção nos ecossistemas. Por sua vez, a crise econômica, ampliada pela pandemia, impulsiona ainda mais a depredação ambiental para obter matéria-prima barata e para valorizar o capital. O aquecimento global e todas as conseqüências deste desastre recaem sobre a classe trabalhadora e as pessoas. É por isso que é tarefa dos socialistas propor uma forma de produção que atenda a todas as necessidades sociais, mas de forma sustentável para a natureza e a saúde da maioria.

8. A luta contra a opressão das mulheres e a dissidência.

As condições criadas pela pandemia e as quarentenas agravaram a situação de violência contra as mulheres e a dissidência. A luta por reivindicações de gênero está presente em todo o mundo. Neste contexto, devemos fazer parte destas lutas promovendo um programa que parte de demandas fundamentais como a igualdade salarial, medidas para combater a violência de gênero, a luta pelos direitos sexuais e reprodutivos e o aborto legal, e promove a unidade destas lutas com uma perspectiva anticapitalista e socialista.

9. A luta contra o perigo da guerra imperialista.

As condições da crise capitalista intensificam as tensões entre o capital e os Estados-nação dos quais ele depende. Este sempre foi o caso no contexto da Primeira e Segunda Guerras Mundiais. Agora existe uma tensão adicional na competição internacional entre capitais, entre a China e os Estados Unidos, ao ponto de já se falar de uma nova guerra fria entre essas duas superpotências. Onde nenhum dos lados representa qualquer vantagem para os trabalhadores do mundo. A luta entre as duas maiores economias do mundo, é claro, não fica entre esses países; a guerra comercial liderada pelos EUA encolhe toda a economia mundial e exacerba a competição econômica e geopolítica. Os Estados Unidos, embora ainda seja o principal poder imperialista, foi enfraquecido ao ponto de seu papel hegemônico ter começado a ser desafiado. É claro que o capital americano pode correr o risco de guerra para não abrir mão de seus privilégios em virtude de seu domínio sobre o mundo. Embora a ameaça de guerra ainda não assuma a forma de “guerra total” em nossa era de armas nucleares, as guerras regionais continuam a ser travadas como na Síria, Iêmen, Líbia e Karabakh. A existência de pontos de fulgor crônicos que podem desencadear guerras em larga escala em muitas partes do mundo mostra quão próximo o sistema imperialista chega de trazer o desastre à humanidade.

Hegemonia revolucionária

É de grande importância que os socialistas revolucionários ganhem a competição contra as tendências pró-capitalistas de esquerda e todos aqueles que pregam a possibilidade. Estes serão transformados em grilhões para o movimento de massa no período que se avizinha, quando a luta de classes se tornar ainda mais radical. A história da luta de classes é também a história desta disputa. Mais recentemente, na crise histórica que a Grécia viveu, o poder mais importante que salvou o sistema foi nada mais nada menos que a síriza euro-comunista e não podemos esquecer os elementos centristas que justificaram sua ação. Na Espanha, a força que legitima o regime nascido da constituição franquista de 78 é a “nova esquerda” de Podemos, agora no governo com o PSOE. Quem veio em auxílio do reacionário Piñeira e do regime pinochetista na rebelião chilena foi a Frente Amplio e o Partido Comunista. Sem a adaptação neoliberal do PT brasileiro, o reacionário Bolsonaro não teria chegado ao poder. Os apoiadores do capitalismo na Nicarágua e na Venezuela têm sido os governos da Frente Sandinista e do PSUV. Na Argentina, com exceção do trotskismo, toda a ala esquerda frentepopulista se alinhou atrás do burguês Partido Justicialista e seu discurso populista e possibilista. Atores semelhantes intervirão para desempenhar papéis semelhantes no próximo período, quando a luta de classes se tornará mais aguda. A LIS intensificará a luta contra estas tendências históricas que impulsionaram o recuo do movimento de massa.

  1. Não à adaptação ao reformismo! Por uma luta de classes independente! A perspectiva da independência de classe deve se destacar contra as tendências oportunistas que direcionam as ações dos trabalhadores e da juventude para os canais burgueses, como vimos recentemente nos EUA através do imperialista Partido Democrata e na Bolívia com o MAS.
  2. Contra todas as formas de opressão, e pela unidade da classe trabalhadora! Dentro dos movimentos de luta contra a opressão de gênero, racista e nacional, lutamos por uma perspectiva de classe, anticapitalista e socialista que destaque a relação entre todas as formas de opressão e exploração capitalista. Rejeitamos políticas de identidade e pós-modernismo reacionário, que dividem a classe trabalhadora e arrastam as lutas para becos sem saída. O socialismo é a única força que pode unir todos os oprimidos e explorados sob uma só bandeira.
  3. As disputas sectárias devem ser abandonadas. A tradicional estreiteza de visão, que não reconhece nenhuma organização revolucionária a não ser a sua própria, está presa a um terreno nacional, gasta a maior parte de sua energia em conflitos viciosos com outras forças revolucionárias, é uma doença grave nas fileiras dos socialistas revolucionários. É uma necessidade urgente para os socialistas revolucionários, que insistem em uma política de independência de classe, unir-se tanto na esfera nacional como internacional e formar frentes e unidades de luta para conquistar a classe trabalhadora.
  4. Nas fileiras daqueles que se dizem revolucionários, o abstencionismo sectário, o impressionismo e todas as atitudes consultivas de fora da verdadeira luta de classes devem ser abandonadas. Os revolucionários do teclado devem ser eliminados. A principal tarefa deste período é formar quadros que intervirão energicamente em todos os aspectos da luta de classes e contestarão as massas e sua vanguarda para o socialismo usando todo o arsenal tático e estratégico do marxismo revolucionário. Também é necessário lutar contra as tendências centristas e reformistas que exigem ou aconselham os burocratas de esquerda; em vez de construir uma força revolucionária independente.

A Liga Internacional Socialista convoca os trabalhadores, mulheres, jovens e setores de vanguarda que estão hoje na linha de frente das lutas que ocorrem em todo o mundo a se unirem para enfrentarmos juntos a contrarrevolução econômica e social que os defensores deste sistema capitalista-imperialista decadente tentarão descarregar sobre todos nós, a fim de salvar os lucros e privilégios de um punhado cada vez menor de capitalistas. Em vista do que está por vir, a LIS os convida a unir a luta social com a luta política, a construir juntos partidos socialistas revolucionários em todos os países e uma organização internacional que lute por um programa para destruir o capitalismo, para ajudar a formar organismos de auto-organização da classe trabalhadora, o governo dos trabalhadores e das trabalhadoras e o socialismo no mundo inteiro.


Resolução em apoio à luta do povo sarauí


Durante várias semanas, na passagem da fronteira de El Guerguarat, assistimos a uma nova e violenta agressão colonialista do Reino de Marrocos à República Árabe Democrática Saharaui

Exercendo o seu legítimo direito de defesa, o heróico povo sarauí, com a juventude na vanguarda, respondeu com todos os meios à sua disposição a esta nova e brutal agressão.

Da Liga Socialista Internacional somos solidários com a justa luta saharaui pela defesa do seu território e pelo exercício do direito à autodeterminação, independência e liberdade.

Repudiamos este novo ato de colonialismo por parte do Marrocos, que conta com o apoio explícito de Donald Trump, do imperialismo norte-americano e de Israel, da cumplicidade da União Europeia e em particular da Espanha e da França, além do cinismo da ONU.

A Conferência Internacional da LIS exige a retirada de todas as tropas marroquinas que durante décadas mantiveram a maior parte do território do Saara Ocidental sob ocupação ilegal, que corresponde à República Árabe Sarauí Democrática.

Só o povo saharaui, sem qualquer ingerência imperial ou colonial, tem o direito de decidir o seu próprio destino.