Por Rubén Tzanoff

A ação do regime influenciou na baixa participação. O PSC obteve um triunfo com um sabor amargo. O ERC empatou em locais com o PSC e ficou em primeiro lugar no independentismo, que ganhou uma maioria no Parlamento. JxCat ficou em terceiro lugar. Ciudadanos e o PP desmoronaram. O Vox entrou em cena com 11 deputados. En Comú Podem permanece estagnado e a CUP cresceu. A formação do Governo e a candidatura de um novo Presidente estão a frente. Não se deve depositar confiança nos constitucionalistas ou naqueles que defendem os interesses da burguesia catalã.

A data de 14 de fevereiro para a realização das eleições foi imposta pelo Superior Tribunal de Justiça da Catalunha (TSJC), apesar de ter sido aprovada para 30 de maio. Não se preocuparam em forçar a exposição das pessoas à infecção por Covid-19 no meio da terceira onda da pandemia. A ação imprudente dos magistrados foi funcional à candidatura de Salvador Illia e a causa da pior participação cidadã na democracia, que caiu de 79,09% em 2017 para 53,5%. Além disso, a raiva aos governos central e regional e o desinteresse de parte da população também desempenharam um papel.

Os resultados, interessantes para comparar com as eleições de 2017, trouxeram mudanças. A mídia de massas e a Moncloa propagaram o “efeito Illa” para apresentar seu candidato como um certo “grande vencedor”. Parte do objetivo foi alcançado, já que o PSC saiu no topo, com 23,02% dos votos e 33 assentos – 16 a mais que a legislatura anterior -, ganhou terreno no interior e ganhou em grandes centros urbanos como Barcelona e L’Hospitalet. Entretanto, é um triunfo que deixou um gosto amargo no paladar porque os distanciou do objetivo de ganhar apoio para “virar a página” da autodeterminação. O regime de 1978 não consegue esmagar as exigências catalãs com repressão, perseguição, prisão ou manobras políticas.

O ERC alcançou 21,31% com 33 assentos. Isto permitiu que seu candidato Pere Aragonés se candidatasse dizendo “ERC está em posição de ocupar a presidência”. A Esquerra de Oriol Junqueras venceu a quebra de braço com o JxCat de Carles Puigdemont, ficando à frente do movimento pró-independência. Isto fortaleceu a corrente mais autonomista e dialogável com os opressores, a que mais tem cedido a Pedro Sánchez. JxCat, que apresentou Laura Borrás, teve uma queda de votos, ficando na terceira posição com 20,06% e 32 assentos, o que os coloca diante da possibilidade certa de perder a presidência da Generalitat para seus concorrentes e a iniciativa dentro do movimento pró-independência. O PDEcat de Arthur Mas, herdeiro direto da corrupta Convergencia, conseguiu 2,72% e nenhum assento.

Ciudadanos caiu em quatro anos: em 2017 ganhou as eleições com 36 cadeiras e agora está em sexto lugar, com 6 deputados, passando de 25,35% para 5,57%. Assim, aprofundou um desastre que primeiro enterrou politicamente seu líder, Albert Rivera, e agora fez o mesmo com Inés Arrimadas e Carlos Carrizoza. O PP obteve seu pior resultado na história eleitoral catalã com 3,85% e 3 assentos, pior do que nas eleições de 2017 impostas pela aplicação dos 155 de Mariano Rajoy. O golpe também afeta as aspirações de Pablo Casado de chegar a Moncloa. Os assentos acrescentados do “Trio de Colón”, expressam um retrocesso da direita, de 40 deputados em 2017 (Cs+PP) para 20 em 2021 (Cs+PP+Vox), embora com uma mudança muito importante: a ultra-direita do Vox foi reforçada.

Vox obteve 7,69% e entrou como a quarta força no Parlamento com 11 deputados, 7 deles em Barcelona, alimentando-se dos votos perdidos por Ciudadanos e o PP. Expressam a existência de um setor social minoritário mas considerável que é nacionalista, contra os direitos democráticos, os direitos sociais, inimigo das lutas dos trabalhadores, das mulheres e dos imigrantes, defensor ferrenho da unidade da Espanha e negador brutal da autodeterminação catalã, com uma ideologia de extrema-direita, muito atraente para o culto ao fascismo. Combatê-los e derrotá-los nas ruas onde eles mostram suas cabeças, e nas instituições de todo o Estado espanhol, é uma tarefa urgente.

En Comú Podem passou de 7,46% para 6,86%, mantendo 8 assentos. Continuam a ser atravessados por sua política nefasta de “equidistância” dos opressores e dos oprimidos e sua adaptação ao regime institucional. A grande aposta na candidata Jessica Albiach é para concretizar um “governo de esquerda” com o PSC e o ERC. O Podemos está determinado a integrar governos burgueses disfarçados de progressistas.

A CUP fez uma eleição muito boa, obtendo 6,69%, passou de 4 para 9 deputados. Capitalizou parcialmente o descontentamento de um setor da população, mobilizado tanto com o “independentismo mágico” quanto com o “independentismo pró-diálogo”. Os dados mostram um crescimento das posições mais radicais de autodeterminação e anistia, embora ainda estejam longe das variantes inconseqüentes que ainda são majoritárias. Em diferentes ocasiões, o candidato Dolors Sabater e outros afirmaram “estamos prontos para assumir responsabilidades”, ao mesmo tempo em que consideram a possibilidade de integrar um governo burguês catalão. Isto causou rejeições que levaram a liderança da CUP a corrigir este postulado. Nós, que votamos criticamente para a CUP expressando advertências, reforçamos que a CUP não deve fazer parte de um governo burguês catalão.

O balanço eleitoral não está completo porque a última palavra ainda não foi dita: a formação de um novo governo, para o qual o movimento pró-independência tem uma maioria. O líder de ERC, Oriol Junqueras, expressou: “Queremos nos juntar aos independentistas e queremos um Governo e uma maioria parlamentar que seja a mais ampla possível. Também dissemos que não governaríamos com o PSC e não o faremos. Os comuns se opõem ao envolvimento com a JxCat e propõem um governo composto apenas de apoiadores pró-independência”. Um tripartido PSC, ERC e En Comú Podem, como é proposto pelos socialistas, é matematicamente possível (68 deputados é o limite da maioria absoluta), mas não parece muito provável politicamente, por causa dos vetos cruzados. Apesar disso, Salvador Illa se candidatará ao cargo.

Resta ver o que vai acontecer até lá. O que está por vir é um período de 20 dias úteis a partir das eleições para a constituição do Parlamenfo, ou seja, o prazo é 12 de março. O debate sobre o cargo poderia ser realizado no final de março. Caso um presidente não seja eleito, um período de 2 meses começaria a correr para tentar alcançá-lo e, se também falhar, os 54 dias começariam a correr até a repetição das eleições na segunda quinzena de julho. Enquanto isso, devemos apoiar as lutas dos trabalhadores contra as consequências da crise capitalista, exigir a liberdade de Pablo Hasel e apoiar o movimento feminista na preparação de um grande dia de greve e luta em 8 de março.

Ao mesmo tempo, é necessário criar um polo forte da esquerda revolucionária socialista para lutar por uma política consequente de independência de classe, anticapitalista, pela autodeterminação e anistia, separando-se daqueles que atuam como correia de transmissão da burguesia catalã, para aprofundar o caminho da luta pela derrota do regime de 78, pela República Catalã e o socialismo.