Passado um ano da execução da vereadora do PSOL do Rio de Janeiro, Marielle Franco que também vitimou o seu motorista Anderson Gomes, ainda são muito poucas as respostas e sobram perguntas. A prisão de dois suspeitos no dia 12 de março, não soluciona o crime, e não responde à pergunta mais importante a ser feita: Quem mandou matar Marielle Franco?

A demora na elucidação desse grave crime comprova a desconfiança que nós temos nas instituições do Estado para levar adiante essa investigação. Assim sendo, nós do coletivo Juntas e na Esquerda, a Alternativa Socialista, tendência interna do PSOL, seção brasileira da corrente internacional Anticapitalistas Em Rede, propomos a criação de uma comissão independente para investigar a execução de Marielle, composta por especialistas, diferentes órgão e entidades de classe e de defesa dos direitos humanos nacionais e internacionais, e movimentos sociais.

Aliado a isso, acreditamos que somente a mobilização de massas nas ruas pode promover a pressão necessária para que o crime seja de fato solucionado e os seus verdadeiros culpados responsabilizados. Nesse sentido, consideramos completamente equivocada a postura da direção nacional do PSOL e de diversas direções estaduais e municipais que preferiram realizar apenas homenagem simbólicas e shows com intervenções artísticas ao invés de construir uma grande marcha exigindo justiça e colocando em pauta questões que e estão diretamente ligadas ao genocídio da população negra e os ataques aos lutadores e movimentos sociais, como o chamado “pacote anticrime” do ministro da justiça Sérgio Moro, ou a bandeira pelo fim da polícia militar, cujo caráter violento e autoritário ficam cada dia mais evidente, como demonstram as diversas denúncias de perseguição e agressão durante o carnaval.

Para lutar por Justiça para Marielle e Anderson é preciso muito mais do que apenas belas homenagens e mudar o nome da Fundação do partido (Que agora se chama Lauro Campos e Marielle Franco) é preciso ir à luta, se utilizando dos métodos históricos da classe trabalhadora como greves, passeatas, etc. e não se deixar iludir pelas instituições burguesas comprometidas até a raíz com a manutenção do atual estado das coisas, e com a perpetuação da exploração e opressão de negros, mulheres, LGBTs e trabalhadores.

Acesse e assine!
www.mariellevive.com

Você também pode imprimir, recolhe assinaturas dxs amigxs e nos enviar.
PORTUGUÊS – https://goo.gl/M9aP9H
ESPANHOL – https://goo.gl/M2r9Jg

Justiça para Marielle e Anderson!
Formação de uma Comissão Independente de investigação!
Marielle Vive!