Por Mariano Rosa, coordenador da Rede Ecossocialista, Argentina – MST-LIS.

As origens da pandemia ainda são controversas. No entanto, parece haver provas suficientes sobre as causas que amplificam a sua propagação. A forma como é produzido, o sistema de saúde e outras razões. Neste artigo, vamos focar vários deles.

Noutros lugares, escrevemos sobre o papel da ciência ligada ao lobby dos laboratórios e às políticas de ajuste, para explicar que a emergência incontestável do Covid-19 poderia ser evitada.  Os laboratórios são empresas que valorizam o seu capital com a doença como um negócio e os Estados desfinanciam programas de investigação e prevenção em saúde, para atribuir recursos a resgates financeiros ou ao pagamento de dívidas externas. Esta é a raiz econômica mais, acima de tudo política, do aparecimento surpreendente do vírus. No entanto, o mais impressionante é a sua propagação. Ainda mais do que a sua aparência inesperada. Há várias variáveis envolvidas nesta questão:

Tráfico de animais. O Covid-19 é um vírus proveniente de animais, que passa para os seres humanos através da ingestão destes últimos. Neste caso, o Covid-19 está relacionado com morcegos, mas pensa-se que possa existir uma ligação intermédia, como o pangolim. O pangolim é o mamífero não humano mais traficado do mundo; as oito espécies de pangolim são consideradas ameaçadas pela União Internacional para a Conservação da Natureza. Entre 2016 e 2019, foram interceptadas 228 toneladas de balanças provenientes destas redes de crime organizado, pelo que se crê que o número real de comércio ilegal se situa nas dezenas de milhares de toneladas. É um negócio que vale um milhão de dólares.

A forma de urbanização capitalista. A transmissão de vírus como o Covid-19 é chamada zoonótica, que é uma forma técnica de dizer que tais infecções saltam dos animais para os seres humanos. Este salto de uma espécie para outra é condicionado por aspectos como a proximidade e a regularidade do contacto, todos eles constroem o ambiente em que a doença é forçada a evoluir. A deslocação massiva de camponeses para as cidades da China, em condições de precariedade e sobrelotação, e a intervenção agro-capitalista predatória nos ecossistemas naturais combina explosivamente a aglomeração urbana sem condições sanitárias elementares, a deslocação de animais (e vírus) dos seus habitats tradicionais para novos habitats. Os vírus mudam, adaptam-se e circulam mais rapidamente. Esta tese é explicada num estudo intitulado “Big Farms and Big Flues” (2016) pelo biólogo esquerdista Robert Wallace, que liga esta dinâmica à gripe aviária.

A contra-revolução da saúde na China. Desde a revolução socialista de 1949 até 1980, a mortalidade infantil desceu e, apesar da fome que acompanhou o Grande Salto em Frente, a esperança de vida aumentou de 45 para 68 anos. A imunização e as práticas de saúde generalizaram-se e a informação básica sobre nutrição e saúde pública, bem como o acesso a medicamentos rudimentares, tornou-se gratuita e acessível a todos. Desde então, uma combinação de negligência e privatização degradou substancialmente este sistema, enquanto a rápida urbanização e a produção industrial desregulamentada de bens domésticos e alimentos aumentaram a necessidade de cuidados de saúde generalizados, para não falar da regulamentação sobre alimentação, medicina e segurança.

Assim: tráfico ilegal de animais; urbanização capitalista anárquica e agro-pecuária predatória; e, finalmente, privatização dos cuidados de saúde no país mais populoso do mundo. As três chaves, do foco inicial e da propagação. As viagens, o comércio internacional, a repressão da informação e a subestimação dos principais líderes capitalistas do mundo fizeram o resto.

Marx como GPS

No Capital, Marx desenvolve fórmulas não acabadas para tudo, mas propõe uma série de coordenadas de investigação e análise política, de um potencial teórico e vitalidade muito atuais. A sua leitura das obras do químico Liebig sobre a interrupção do ciclo de nutrientes do solo no campo, por confisco capitalista e urbanização forçada, foi o ponto de partida para uma hipótese: o capital na sua lógica de valorização, esgota as duas fontes fundamentais de criação de riqueza social: a força de trabalho e a natureza.

Paralelamente, cunhou uma categoria metafórica, também muito profunda: a mercantilização de tudo pelo capital, fraturando as trocas sustentáveis com a natureza, viola o “metabolismo da gestão racional” que deve ser recuperado.

Para tal, propõe um parâmetro geral: planificar a produção e o consumo com base nas necessidades sociais reais, e não sob a subordinação da concorrência entre proprietários privados para a acumulação. Por outras palavras: substituir a produção das coisas a vender por valores de uso social que satisfaçam as necessidades reais da maioria que trabalha. Este vetor em si, combinado com o conceito de “metabolismo da gestão racional como regulador de trocas (com a natureza)”, define todo um programa, que Marx não elaborou. Cabe a nós, geração revolucionária, produzir esta plataforma de mudanças estruturais e sistêmicas. Como um roteiro, como um GPS ecossocialista.

De muros e pontes

As condições do capitalismo na China que explicamos acima, a quebra do metabolismo ecossistémico naquela região, como causa da propagação viral, não é exclusiva da China no século XXI. Condições semelhantes de alteração anárquica na Inglaterra do século XVIII ou nas colônias africanas do século XIX explicam a difusão viral de epidemias nesses países. O capital não planeja nem gere a relação com o ambiente tomando como parâmetros a saúde pública e a preservação da natureza. A sua orientação é a rentabilidade, o esgotamento da força de trabalho e a redução dos custos de produção, com fatores de produção a baixo preço. A China é o fim da Inglaterra do século XXI em todas as suas piores consequências econômicas, sócio-ambientais e totalitárias políticas.

Portanto, onde o capitalismo em seus termos destrutivos do século 21 ergue muros, o ecossocialismo transformador tem que construir pontes de transição para uma reorganização de tudo:

A economia. Produzir com base no cálculo das necessidades sociais majoritárias e no planejamento democrático daqueles que vivem dos seus esforços e não da classe parasitária e ecocida. Reconversão produtiva. A reeducação social do consumo. Retreinamento da classe trabalhadora.

Relações sociais. O trabalho como direito social, rendimento equivalente ao custo de vida, como referência. Distribuição do trabalho por toda a força de trabalho disponível e incorporação de tecnologia para aliviar a carga coletiva da produção. Mais tempo social, como uma conquista emancipatória. Socialização dos cuidados e tarefas domésticas: desmantelamento das condições materiais do patriarcado e de todas as opressões.

Relações sócio-ambientais. Conceber ecossistemas não como “gôndolas” para serem despachados sem limite ou previsão de impactos. Reduzir o volume material produzido com base no cálculo social do que é necessário, na proibição da publicidade capitalista e na obsolescência programada. Abolição do abuso capitalista de animais.

A política. Desmantelar as castas dos políticos profissionais de 1% e o aparelho de repressão e controle social. Revogabilidade, auto-organização social da maioria. Governo daqueles que nunca governaram.

Relações internacionais. Colaboração do povo para abolir o capitalismo e a legítima autodefesa contra a agressão das corporações e do imperialismo. Federar democraticamente as regiões vizinhas do mundo, a fim de complementar os esforços econômicos, sociais, culturais, científicos e políticos de solidariedade.

Estes são parâmetros estratégicos para um projeto social reorganizado. Em bases novas, livres e ecossocialistas. É fundamental, agora, ativar militando por essas causas.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *