Estou orgulhoso de poder prestar hoje homenagem a Leon Trotsky, 80 anos após seu assassinato. É um orgulho dobrado poder fazê-lo neste Ato organizado pela jovem Liga Internacional Socialista. Nossa querida LIS

A contribuição de Trotsky para a causa da revolução socialista tem sido enorme.

Brilhante orador, adorado pelas massas. Melhor escritor, o que lhe valeu o nome de A Caneta. Teórico e organizador excepcional.

Cada um dos aspectos de sua vida separadamente, o colocariam em uma posição muito destacada. Mas sua obra como um todo o coloca, sem dúvida, ao lado de Marx e Engels, ao lado de Lenin, entre os maiores revolucionários da história.

Dos atris, com seus discursos ardentes ele soube ganhar a confiança da classe trabalhadora russa, que o escolheu para representá-los como Presidente do Soviete combativo do proletariado de Petrogrado na revolução de 1905 e novamente na revolução de 1917.

Autor da teoria da revolução mais completa, que guiou a Revolução de Outubro na Rússia e continua a guiar os destinos da revolução mundial, a Teoria da Revolução Permanente. Que afirma sinteticamente que toda revolução que não avança ao ponto de destruir o capitalismo em nível nacional retrocede, e o mesmo acontece se for isolada e não se estender a todo o mundo.

Organizador e dirigente desde o Comitê Revolucionário da insurreição e tomada do poder em outubro de 1917, dando assim início ao primeiro Estado Operário triunfante da história.

Ministro das Relações Exteriores encarregado das negociações para tirar a nascente república soviética da carnificina da Primeira Guerra Mundial.

Criador do zero do Exército Vermelho, que derrotou as forças da velha ordem autocrática apoiada por cerca de 20 exércitos estrangeiros, o que o destacou como um dos mais importantes estrategistas militares do século 20.

Ele fundou, junto com Lenin, a Terceira Internacional, onde suas contribuições durante os primeiros quatro de seus congressos serviram para guiar os revolucionários até hoje.

E um lutador sem quartel contra a contrarrevolução interna e a burocracia mais nefasta jamais conhecida, que triunfaria no jovem Estado operário até que desaparecesse.

Sem ele, o último bolchevique, a experiência de mais de um século de luta da classe trabalhadora poderia ter sido perdida. O fio vermelho revolucionário que foi construído nas lutas que levaram à ascensão, à crise e à superação das três primeiras internacionais teria sido cortado.

Várias vezes preso pelo czarismo, desterrado e perseguido pelo estalinismo, ele viu seus camaradas em luta e toda sua família exterminada um a um.

Mas ele não desistiu e foi capaz de transmitir às gerações futuras os principais ensinamentos do marxismo, do leninismo, e é por isso que ele merece que seu nome, que o trotskismo seja carregado com honra por todos nós que nos reconhecemos em seu trabalho.

Odiado e temido pelo imperialismo, que, nas palavras de um de seus representantes mais representativos da época, chegou ao ponto de dizer que a catástrofe causada pela Segunda Guerra Mundial só poderia beneficiar Trotsky, assim como a Primeira Grande Guerra havia beneficiado os bolcheviques.

É por isso que a burocracia estalinista primeiro o expulsou por causa do terror que tinha dentro do Estado operário, e depois o matou para tentar evitar que o prognóstico de Churchill se tornasse realidade.

Odiados por todos os burocratas entrincheirados do movimento operário e por todos os reformistas do mundo, que veem com ódio de classe como nós trotskistas não cedemos a seus cantos de sereia e continuamos a lutar para destruir o capitalismo, para acabar com a propriedade privada, para acabar com todos os privilégios e para enfrentar todos os inimigos da classe trabalhadora por igual.

Ignorado pela intelectualidade progressista, pelos círculos universitários onde há muitos que se dizem revolucionários, já que preferem personagens adocicados, e na maioria das vezes inócuos, a uma figura como Trotsky, inclassificável, questionador, militante, revolucionário até os ossos.

Quando Trotsky morreu em 1940, ele deixou um vazio que não conseguimos superar até hoje. Ele nos deixou bases graníticas, seus ensinamentos, sua obra mais preciosa, a Quarta Internacional e o programa para realizar a transição do capitalismo para o socialismo.

Mas a distância entre ele e os quadros que permaneceram à frente da Internacional era enorme.

Após a Segunda Guerra Mundial, a organização da Quarta Internacional ficou nas mãos de uma direção sem nenhuma experiência, sem tradição ou formação na classe operária, que através de erros e em meio a uma situação objetiva muito desfavorável, acabou dispersando as forças do trotskismo em múltiplas organizações.

Oportunismo e impressionismo surgiram, o que causou um setor a ser impactado por qualquer direção que liderasse setores das massas. Foi desta forma que se rendeu ao estalinismo em suas diferentes variantes, o estalinismo castrista, o sandinismo.

Mas também surgiu o sectarismo, que colocou um sinal de igualdade entre as lideranças reformistas e os processos que elas lideravam, o que levou à abstenção e à não disputa pela direção dos imensos processos da luta de classes.

Nos anos 90, o ceticismo, que levou muitas correntes a não acreditarem na revolução socialista, ganhou enorme peso e, portanto abandonaram a construção do partido leninista.

Também surgiu o nacional trotskismo. Eles partiram da ideia errada de que de um partido nacional você pode ganhar influência de massas, tomar o poder e se manter sem uma organização internacional.

Aqueles que continuaram a lutar para construir uma organização mundial de revolucionários o fizeram separadamente do resto, em torno de um partido mais ou menos desenvolvido que constrói políticas para todo o mundo e grupos menores em torno dele que são cópias menores do partido-mãe.

Os fracassos de todas essas experiências foram na maioria das vezes cobertos por métodos burocráticos, o que levou a crises e divisões.

O legado de Leon Trotsky precisa ser retomado. Deixar para trás o ceticismo. Combater o oportunismo e o sectarismo. Reconstruir um verdadeiro internacionalismo proletário.

Precisamos de um projeto que nos permita unir e não dividir os revolucionários. Essa é a melhor homenagem que podemos prestar ao velho revolucionário ucraniano.

Isto é o que aqueles de nós que decidimos construir a Liga Internacional Socialista pretendemos fazer.

Estamos convencidos de que só conseguiremos criar uma internacional de massas e ajudar a construir fortes partidos revolucionários em nossos países, se soubermos reunir sob as mesmas bandeiras e princípios as diferentes tradições que se formaram ao longo de todos estes anos no movimento revolucionário.

Se aprendermos a viver com diferenças parciais. Se reconstruirmos um método de funcionamento verdadeiramente democrático. Em resumo, se recriarmos a confiança necessária para poder debater tudo, elaborar coletivamente e agir em conjunto na luta de classes, intervindo e desenvolvendo campanhas agressivas. Jogando o jogo em cada processo revolucionário no qual participamos. E assim, pacientemente, construir uma nova tradição, integrando e superando as já existentes.

É esta proposta que tem nos permitido desenvolver rapidamente. Convergir com os camaradas da Turquia, do Paquistão, para um diálogo frutífero com os camaradas da Austrália e do Brasil.

Desenvolver na Europa Oriental, onde estamos participando da rebelião que está sacudindo a Bielorrússia e construindo uma nova organização revolucionária na Ucrânia.

Avançar na Europa, começando com a rebelião do povo catalão e os coletes amarelos da França.

Pôr os pés nos Estados Unidos, onde a rebelião negra e a virada à esquerda da juventude está fazendo tremer o império.

Participar da rebelião libanesa junto com a juventude do Movimento pela Mudança e iniciar um diálogo com setores da vanguarda que está se levantando no Irã, Iraque, Sudão, Argélia, Saara Ocidental.

Construir-nos no meio da revolução chilena e da rebelião nicaraguense, estendendo nossos braços a toda a América Latina.

E estamos indo para mais.

A LIS surgiu num momento muito importante. Decisivo. A crise que eclodiu em 2008 e se elevou a níveis incríveis desencadeou uma nova situação mundial que está a ponto de se tornar pré-revolucionária, se é que não já está nessa dinâmica. 

O ascenso de massas começou e devemos nos preparar para eventos cada vez mais extraordinários. NÃO será um leito de rosas. Enfrentaremos uma polarização cada vez mais aguda, onde a contrarrevolução trabalhará intensamente para derrotar a classe trabalhadora e nos levar à barbárie.

Mas nós temos armas poderosas para enfrentá-las. Para vencer. Para aproveitar as oportunidades e dar saltos em nossa construção.

Continuemos os ensinamentos de nosso querido Leon Trotsky.

O capitalismo não tem nenhuma reforma. Deve ser destruído e construir uma nova sociedade sobre seus escombros. Um mundo socialista.

Permaneçamos fiéis à nossa classe, a classe trabalhadora, que é a única classe criativa sobre a qual se pode construir uma sociedade superadora, sem exploração ou opressão de qualquer tipo. Avancemos e recomponhamos nossas forças sempre junto com ela.

Promovamos a mais ampla democracia operária, que é a única mil vezes superior, não apenas a qualquer autocracia ou ditadura, mas à democracia burguesa mais desenvolvida. E vamos nos educar, praticando-a até o fim em cada fábrica, em cada sindicato que conseguimos influenciar.

Construamos partidos revolucionários fortes, leninistas, bolcheviques, que é a única arma que pode nos levar à vitória contra o imperialismo, a burguesia, as burocracias de todas as listras e o reformismo.

E sejamos soldados da revolução permanente em todos os países onde atuamos, pois somente aprofundando a revolução até que os trabalhadores governem e consigamos o socialismo no mundo poderemos fazer desta vida um paraíso, onde, em paz, a humanidade avança do reino da necessidade para o reino da felicidade e da abundância.    


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *