Ele morreu em 5 de agosto de 1895. Seu nome é indissoluvelmente ligado a Karl Marx, com quem, além de uma estreita amizade, compartilhou os desenvolvimentos que deram origem ao socialismo científico. Embora Engels tenha dito “eu sempre toquei o segundo violino com Marx”[1], sua pesquisa sobre economia e sobre a situação da classe trabalhadora inglesa teve uma grande influência sobre Marx. O surgimento do “marxismo” é de fato o fruto de um trabalho comum. Quando o mundo está passando por uma crise capitalista sem precedentes e novas gerações estão se aproximando das ideias socialistas, é essencial resgatar sua vida, sua trajetória e incentivar a leitura de suas obras.

Por Emilio Poliak

Engels nasceu em Barmen, uma cidade na região da Renâniana Prússia, em 28 de novembro de 1820. Sua família possuía fábricas têxteis, e era conservadora e muito religiosa. A aspiração de seu filho de se tornar um empresário que continuaria o negócio familiar estava em permanente contradição com as preocupações do jovem Friedrich. Pouco antes de terminar o ensino médio, ele foi enviado por sua família para estudar cursos de importação e exportação, mas logo abandonou esse caminho e entrou para o serviço militar. Em Berlim, ele foi atraído pelos círculos de intelectuais liberais que expressavam o espírito revolucionário da época.

Estes foram tempos em que as ideias da Revolução Francesa estavam se espalhando pela Europa e pela confederação alemã, que ainda estava longe de sua revolução democrática. A oposição ao poder do reino prussiano manifestou-se essencialmente no movimento literário da “Jovem Alemanha”, para o qual ele escreveu vários artigos, e depois no que ficou conhecido como a “esquerda hegeliana”. Este movimento político-filosófico resgatou de Hegel seu método dialético, mas questionou o aspecto religioso que serviu de base para o regime prussiano. Engels, como Marx, fazia parte deste movimento, com que eles romperiam anos mais tarde por causa de seu caráter meramente contemplativo da realidade.

O vínculo com a classe trabalhadora inglesa

Em 1842, Engelsmudou-se para Manchester para trabalhar em uma das empresas de seu pai. A Inglaterra foi o berço da revolução industrial, onde o sistema capitalista estava alcançando seu maior desenvolvimento e mostrando suas características essenciais. Lá ele passou quase dois anos conhecendo diretamente as condições de vida do proletariado e suas organizações, entrou em contato com as ideias dos socialistas utópicos, com o movimento cartista[2] e começou a estudar a economia capitalista e suas leis.

As conclusões de seus estudos foram publicadas em diferentes artigos durante esses anos e em 1845 publicou o livro A Situação da Classe Trabalhadora na Inglaterra, onde descreveu as dificuldades do proletariado, mas ao mesmo tempo ressaltou fortemente que não é apenas uma classe que sofre, mas que luta, que se organiza e em sua luta encontra a força que pode mudar a sociedade. Ele diz na introdução, dirigindo-se aos trabalhadores ingleses: “Eis como procedi: renunciei à sociedade e aos banquetes, ao vinho e ao champanhe da classe (burguesa)[3], dediquei minhas horas de ócio quase exclusivamente a lidar com trabalhadores simples; estou feliz e orgulhoso de ter agido desta maneira. Feliz, porque desta forma vivi muitas horas felizes, ao mesmo tempo em que conheci vossa verdadeira existência – muitas horas que de outra forma teriam sido desperdiçadas em conversas convencionais e em cerimônias reguladas por um rótulo cansativo; orgulhoso, porque desta forma tive a oportunidade de fazer justiça a uma classe oprimida e caluniada à qual, apesar de todas as suas falhas e todas as desvantagens de sua situação, somente alguém que tivesse a alma de um charlatão inglês poderia recusar sua estima […]

Graças às amplas oportunidades que tive de observar ao mesmo tempo a classe (burguesa), vossa adversária, cheguei muito rapidamente à conclusão de que vocês estão certos, absolutamente certos, de não esperar qualquer ajuda dela. Os interesses deles e os seus são diametralmente opostos, mesmo que eu tente afirmar o contrário e queira fazer você acreditar que eles têm a maior simpatia por seu destino. Suas ações desmentiram suas palavras. Espero ter fornecido provas suficientes de que a classe (burguesa) – apesar de tudo o que ela tem o prazer de dizer – não está na realidade buscando outro fim que não seja enriquecer através de seu trabalho, desde que possa vender o produto desse trabalho, e deixar vocês morrerem de fome, a partir do momento em que não possa mais lucrar com esse comércio indireto de carne humana.”

Encontro com Marx

Engels tinha colaborado com os Anais Franco-Alemães, a revista que Marx editou em Paris com Arnold Ruge. Lá ele havia publicado um artigo intitulado Esboço para uma Crítica de Economia Política, baseado em estudos realizados em Manchester. Em 1844 ele viajou para a França, onde conheceu Marx, e a partir desse momento suas vidas estariam intimamente ligadas, marcadas pela amizade e pelo trabalho conjunto.

Quando Marx foi expulso da França, os dois homens se estabeleceram em Bruxelas, onde produziram a maior parte de suas obras conjuntas. Em 1844 eles escrevem A Sagrada Família, uma obra que marca a ruptura definitiva com a esquerda hegeliana, questionando o fato de que a crítica em si não produz mudanças se não for como ponto de partida para a ação política. Anos mais tarde, eles escreveram A Ideologia Alemã, na qual estabeleceram pela primeira vez a concepção materialista da história. Eles criaram o comitê de correspondência comunista, fazendo contato com a Liga dos Justos, uma organização de trabalhadores, artesãos e intelectuais alemães exilados que tinham grupos em Paris, Bruxelas e Londres.

Engels e Marx se uniram em 1847 e travaram uma batalha interior para equipar a organização com uma teoria correta diante das então utópicas concepções socialistas mantidas pela Liga. Eventualmente, a organização mudou seu nome para Liga dos Comunistas e Marx e Engels receberam a tarefa de elaborar seu programa e objetivos. Marx o escreveu com base em um trabalho de Engels chamado Princípios do Comunismo. Este material foi publicado em 1848 como o Manifesto do Partido Comunista e tornou-se o documento fundador do socialismo científico.

Um militante revolucionário

A obra de Engels, como a de Marx, não se destinava à círculos intelectuais ou universitários. Todos os seus trabalhos sobre filosofia, economia e história tiveram como objetivo proporcionar à classe trabalhadora umaanálise científica da realidade e um programa de transformação social. Portanto, a atividade teórica era uma parte inseparável da atividade revolucionária e a construção de organizações para realizá-la.

Quando eclodiu a revolução alemã de 1848, eles organizaram a entrada de cerca de 300 militantes da Liga dos Comunistas para participar do processo, intervindo nas ações do movimento de massas e desenvolvendo análises e políticas a partir da redação do Nova Gazeta renana liderada por Marx. Engels também fez parte da fundação e direção da Associação Internacional de Trabalhadores, a Primeira Internacional, ocupando em tempos seu Conselho Geral. Após a morte de Marx, ele foi o principal ponto de referência da Segunda Internacional, a Internacional Socialista que construiu grandes partidos marxistas. Sua vida não foi a de um intelectual acadêmico, mas a de um teórico e militante a serviço da revolução operária.

Celebração da Amizade

A amizade que Engels e Marx estabeleceram por quase 40 anos faz parte da história do movimento trabalhista e é um exemplo de um tipo de relação afetiva despojada de toda a hipocrisia de um sistema que reifica todas as relações sociais e promove o individualismo como uma forma de realização humana. Construída em torno da luta para libertar a classe trabalhadora e a humanidade de toda exploração e opressão, foi fruto da admiração e colaboração mútuas, desprovidas de inveja e egos, unidas por um vínculo de solidariedade capaz de ordenar a própria vida de acordo com a vida de um amigo para realizar uma tarefa que transcendeu a ambos.

Quando Marx começou a escrever O Capital, a vontade de Engels de terminá-lo não conhecia limites. Vários dos artigos que Marx assinou para o New York Tribune, que eram quase sua única fonte de renda, foram escritos por Engels para que seu amigo não tivesse que abandonar um trabalho de tal envergadura e importância. Sua boa posição econômica como resultado da gestão da empresa familiar garantiu o apoio de Marx e sua família.

As milhares de cartas que fazem parte da correspondência entre ambos refletem esta relação de discussões em andamento, troca de informações, avaliações, pesquisas e preocupações sobre a situação do outro. Em uma destas cartas, quando Marx estava doente e trabalhando para terminar Capital, ele escreveu para Engels: “Você pode ter certeza de que farei o meu melhor para levar este trabalho, que gravita ao meu redor como um pesadelo, a um fim o mais rápido possível”. E este último responde: “Estou muito feliz que o livro esteja indo rápido, algumas das expressões em sua carta anterior me fizeram suspeitar se você se encontraria novamente em uma dessas encruzilhadas repentinas onde tudo está sendo adiado sem uma data fixa. No dia em que ver o livro impresso ficarei desesperadamente bêbado, a menos que você venha no dia seguinte e possamos celebrar juntos…”

Finalmente, em 16 de agosto de 1867, às duas horas da manhã, Marx escreveu novamente: “Caro Fred: Acabo de corrigir a última folha (49ª) do livro. O anexo, sobre as formas do valor, impresso em letras pequenas, leva 1 1/4 folhas. Eu também corrigi o prefácio e o enviei ontem. Este volume, portanto, será terminado, e que isto foi possível, devo apenas a você. Sem seu sacrifício por mim, nunca teria sido capaz de realizar o enorme trabalho de escrever os três volumes. Eu o abraço, cheio de gratidão! Estou anexando duas folhas de provas corrigidas. Recebi as quinze libras, muito obrigado. Eu te saúdo, meu querido e amado amigo.”[4]

Seus últimos anos

Quando Marx morreu em 1883, Engels se tornou seu principal disseminador e continuador de seu trabalho. Ele dedicou vários anos para reunir e organizar os manuscritos e rascunhos deixados por seu amigo a fim de completar O Capital, da qual apenas o primeiro volume havia sido publicado durante a vida de Marx. Engels conseguiu completar o segundo volume em 1885 e o terceiro em 1894. O quarto nunca foi concluído.

Ao mesmo tempo, ele publicou uma série de trabalhos que foram muito importantes para o desenvolvimento do movimento socialista, dois dos quais são de leitura essencial. Em 1880 escreveu Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico, no qual desenvolveu brilhantemente o surgimento do socialismo científico, não como a invenção nascida magicamente da mente de dois gênios, mas como a continuidade (e a crítica) das ideias mais avançadas dos pensadores da época, que Lenin mais tarde chamaria de “três fontes e três partes integrantes do marxismo”.

  1. Primeiro, a historiografia francesa e o socialismo utópico, do qual ele diz: “O objetivo era tirar a solução dos problemas sociais da cabeça, que ainda estava latente nas condições econômicas subdesenvolvidas da época. A sociedade não continha nada além de males, que a razão pensante foi chamada a remediar. Tratava-se, portanto, de descobrir um novo e mais perfeito sistema de ordem social, de implantá-lo na sociedade a partir do exterior, por meio de propaganda e, se possível, por meio de experimentos que servissem de modelo. Estes novos sistemas sociais nasceram condenados a se mover no reino da utopia; quanto mais detalhados e pormenorizados eles eram, mais tinham que degenerar em pura fantasia.”
  2. Em segundo lugar, a clássica filosofia alemã, especialmente o método dialético de Hegel: “A filosofia moderna alemã encontrou seu ponto culminante no sistema de Hegel, no qual pela primeira vez – e este é seu grande mérito – todo o mundo da natureza, a história e o espírito é concebido como um processo, ou seja, em constante movimento, mudança, transformação e desenvolvimento, e também são feitas tentativas para destacar a conexão íntima que preside este processo de movimento e desenvolvimento. Vista deste ponto de vista, a história da humanidade não aparece mais como um caos árido de violência absurda, tudo igualmente condenável sob a jurisdição da madura razão filosófica atual, e bom que seja esquecida o mais rápido possível, mas como o processo de desenvolvimento da própria humanidade”. E ele critica que “Hegel havia liberado a concepção da história da metafísica, havia feito dela dialética; mas sua interpretação da história era essencialmente idealista. Agora, o idealismo havia sido expulso de seu último reduto, da concepção da história, substituindo-o por uma concepção materialista da história, que abriu o caminho para explicar a consciência do homem por sua existência, e não esta por sua consciência, que até então era o tradicional”.
  3. A terceira fonte foi a economia política inglesa, desenvolvida sobretudo por Adam Smith e David Ricardo: “Assim, o socialismo não apareceu mais como a descoberta casual do intelecto deste ou daquele gênio, mas como o produto necessário da luta entre duas classes historicamente formadas: o proletariado e a burguesia. Sua missão não era mais elaborar o sistema mais perfeito possível da sociedade, mas investigar o processo histórico-econômico do qual estas classes e seu conflito necessariamente tiveram que emergir, descobrindo os meios para a solução deste conflito na situação econômica assim criada”.

Engels conclui: “Estas duas grandes descobertas, a concepção materialista da história e a revelação do segredo da produção capitalista, através da mais-valia, devemos a Marx. Graças a ele, o socialismo torna-se uma ciência, que só falta desenvolver em todos os seus detalhes e concatenações.

E depois de descrever as principais características do socialismo científico, ele resume: “III. Revolução proletária, solução das contradições: o proletariado toma o poder político e, através dele, converte os meios sociais de produção, que escapam das mãos da burguesia, em propriedade pública. Com este ato, ele resgata os meios de produção da condição de capital que tinham até então e dá a seu caráter social total liberdade para se impor. A partir de agora é possível realizar a produção social de acordo com um plano elaborado previamente. O desenvolvimento da produção transforma a subsistência de várias classes sociais em um anacronismo. Como a anarquia da produção social desaparece, também desaparece a autoridade política do Estado. Os homens, finalmente donos de sua própria existência social, tornam-se donos da natureza, donos de si mesmos, homens livres”.[5]

Patriarcado, classes, estado

Em 1884, Engels publicou A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado, outra de suas obras-chave. Antes disso, o aparecimento do livro A Sociedade Primitiva, do pesquisador americano Lewis Morgan, trouxe novos elementos históricos que reafirmaram a concepção materialista da história sobre a qual Marx havia deixado várias notas: “Na América, Morgan descobriu novamente, e à sua maneira, a teoria materialista da história, descoberta por Marx quarenta anos antes, e, guiado por ela, ele chegou, por contraste de barbárie e civilização, aos mesmos resultados essenciais que Marx”.[6]

Com base nestes elementos, Engels desenvolve uma análise científica profunda do desenvolvimento social da humanidade, partindo das comunidades primitivas baseadas nos genes do direito materno e nas modificações que ocorrem nas formas familiares a partir do surgimento de novas formas de produção e propriedade. Ele mostra como o surgimento do patriarcado está relacionado ao surgimento da propriedade privada, estabelecendo assim uma base para compreender a relação entre a libertação da mulher e a eliminação da sociedade de classes: “A derrubada dos direitos maternos foi a grande derrota histórica do sexo feminino em todo o mundo. Os homens também seguraram as rédeas no lar; as mulheres foram degradadas, transformadas em servas, escravas da luxúria dos homens, um mero instrumento de reprodução. Este baixo status da mulher, que é especialmente evidente entre os gregos dos tempos heroicos, e ainda mais nos tempos clássicos, foi gradualmente retocado, disfarçado, e em certos lugares até mesmo vestido de formas mais suaves, mas não, de forma alguma, abolido.”

Mostra também que o Estado nem sempre existiu, mas é parte do desenvolvimento histórico e aparece com a emergência das classes sociais como uma manifestação de seus interesses irreconciliáveis: “Assim, o Estado não é de forma alguma um poder imposto de fora da sociedade; nem é ‘a realidade da ideia moral’, nem ‘a imagem e a realidade da razão’, como afirma Hegel. É antes um produto da sociedade quando atinge um certo grau de desenvolvimento; é a confissão de que essa sociedade se enredou em uma contradição irremediável consigo mesma e está dividida por antagonismos irreconciliáveis, que ela é impotente para conjurar. Mas para que estes antagonismos, estas classes com interesses econômicos concorrentes, não se devorem e consumam a sociedade em uma luta estéril, torna-se necessário ter um poder aparentemente situado acima da sociedade e chamado a amortecer o choque, para mantê-lo dentro dos limites da ‘ordem’. E esse poder, nascido da sociedade, mas colocado acima dela e divorciado dela cada vez mais, é o Estado”.

Outros trabalhos importantes escritos por Engels durante seus últimos anos foram O Dialético da Natureza, o Anti-Dühring e Ludwig Feuerbach e o Fim da Filosofia Clássica Alemã.

“Memória eterna de um grande lutador e professor do Proletariado”.

Com estas palavras Lenin termina seu texto dedicado a Engels após sua morte em 5 de agosto de 1895. Não há nada de exagerado nessa frase e é por isso que a fazemos nossa. Suas contribuições para estabelecer as bases científicas para a luta pela libertação da classe trabalhadora e dos setores oprimidos de toda exploração e opressão foram fundamentais e permanecem plenamente válidas. Com este artigo prestamos nossa homenagem a ele e assumimos o compromisso de continuar sua luta e de aproximar seu trabalho das jovens gerações que se aproximam da luta pelo socialismo.


[1]Carta de Engels a I. Ph. Becker, 15 de outubro de 1884.

[2]Primeiro movimento político da classe operária inglesa, que lutou de forma centralizada pelo direito de voto dos trabalhadores.

[3]No original diz classe média, mas mais tarde esclarece: “Eu usei […] a expressão classe média no sentido do meio inglês; esta expressão designa, como a palavra francesa burguesia, a classe proprietária e muito particularmente a classe proprietária diferente da chamada aristocracia”.

[4]Correspondência entre K. Marx e F. Engels.

[5]Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico, 1880.

[6] Prefácio de A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado, 1884.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *