Por La Commune / LIS – França

Com 500 mil manifestantes em 70 cidades no sábado, 28 de novembro, a mobilização contra a “Lei de Segurança Global” foi massiva. Trata-se de um sucesso inequívoco para os defensores dos direitos e das liberdades democráticas, em estado de emergência, sob restrição de quarentena. Uma mobilização de acordo com a determinação da população, entre as quais se destacaram os jovens pela revogação da lei do liberticídio. Tudo isso mostra também a fraqueza política de Macron e do governo, uma ilustração da crise que abala o regime podre e não democrático da Quinta República.

As imagens da violência policial nas últimas semanas lembraram a brutalidade e a impunidade de seus criminosos. Como não recordar as mortes de Zined, Bouna, Adama, Steve, Zineb, Cédric e o estupro de Théo? Quando o ministro do Interior, Darmanin, admite que há “problemas estruturais” na polícia; quando Macron declara que as imagens da agressão de Michel “nos envergonham”, ou quando reconhece que quando “você tem uma cor de pele que não é branca, você é muito mais vigiado”, admitem profundamente a natureza anti-operária, racista, xenófoba e islamófoba da polícia e de toda uma “instituição” dedicada à defesa dos interesses dos capitalistas.

Como não pensar nos mutilados e feridos com coletes amarelos ou mesmo na repressão sistemática sofrida pelos manifestantes, trabalhadores, jovens, alunos do ensino médio ou estudantes, militantes sindicais, desde a greve contra a “lei anti-trabalhista Myriam El Khomri” em 2016 até a reforma da aposentadoria em 2020?

Uma violenta repressão sofrida pelos moradores das periferias e bairros populares todos os dias há mais de quatro décadas! Sabemos que as leis de segurança são utilizadas principalmente contra a classe trabalhadora e o movimento sindical. Desse ponto de vista, Macron e seu governo se preparam para o confronto.

A ameaça repressiva é expressa na vontade do governo em municipalizar e privatizar os poderes da polícia e da força militar (art. 1 a 19), para assim monitorar a população de forma ampla e descontrolada: por meio de câmeras individuais transportadas pela polícia e drones para fins coercitivos (art. 20 a 22); censurando imagens de intervenções policiais e penalizando sua divulgação (art. 24); permitindo a utilização de armas pelos agentes que não estão em serviço em estabelecimentos públicos (art. 25); permitir que qualquer agente público realize um teste de bafômetro inesperado, mesmo que não haja violação do código de trânsito (art. 29); proibir e penalizar a posse e fornecimento de materiais pirotécnicos sem a necessidade de um perito (art. 30).

A insegurança, a violência, o medo que afetam milhões de mulheres, homens e crianças são sociais: é o desemprego, a pobreza, a precariedade, a fome e o empobrecimento!

  • A crise é Macron-Castex-Darmanin.
  • Paremos juntos estes bandidos!
  • Retirada total da “Lei de Segurança Global”!
  • Fora Macron-Castex-Darmanin!

Paris, 4 de dezembro de 2020