No momento da redação deste artigo, o primeiro-ministro Edouard Philippe anunciou a suspensão temporária e parcial do idade-eixo do seu projeto de lei, até que os interlocutores sociais cheguem a um acordo.

É claro que Laurent Berger e a central sindical da CFDT não precisam de mais nada, eles imediatamente celebram “a aposentadoria do idade-eixo”, “retirada que marca a vontade de compromisso do governo”. E Berger alertou que o CFDT “continuará as discussões dentro da estrutura proposta para responder às perguntas restantes sobre o futuro regime universal”. A UNSA não fica por baixo e, por sua vez, indica “um grande avanço”, estimando que as trocas possam “finalmente começar”.

Mas embora o CFDT grite que “alcançou” essa retirada, isso não é nada. De fato, Edouard Philippe especifica na carta que ele transmitiu às organizações sindicais que “o projeto de lei estipulará que o futuro sistema universal inclui uma era de equilíbrio”. O que suspendeu o governo foi, portanto, a medida de curto prazo da convergência progressiva (2022-2027) em direção a uma idade-eixo aos 64 anos. É por isso que cabe aos “interlocutores sociais” chegar a um acordo sobre medidas de equilíbrio financeiro e… uma futura idade-eixo a ser definida! Caso contrário, o governo alertou que irá legislar por decreto.

A idade-eixo é a árvore que cobre a floresta de demolição do sistema de aposentadoria por distribuição. A idade-eixo é a distração que permite que Macron e seu governo tentem impor um sistema universal de pontos, cujo único objetivo é reduzir as aposentadorias e estender o horário de trabalho dos funcionários.

A farsa Berger-Philippe, iniciada em 11 de dezembro, acaba de encontrar seu epílogo, como esperado.

Existe uma regra histórica bem conhecida: quanto mais as massas vão para a esquerda, mais os aparatos burocráticos vão para a direita. Que reação existe do lado da inter-sindical CGT-FO-FSU-SUD? No 39º dia da greve mais longa desde 1968, Martinez e Veyrier finalmente romperão com o “diálogo social”? Eles finalmente chamarão a greve interprofissional renovável até a vitória? Não! Ambos preferem continuar participando das “negociações” para garantir que o primeiro-ministro os escutou! Para Veyrier, a mobilização deve continuar até a apresentação do projeto de lei no Conselho de Ministros em 24 de janeiro e, em seguida, até abril, durante o debate parlamentar.

Enquanto isso, as jornadas de ação descentralizada seguem as ações nacionais, começando em 14, 15 e 16 de janeiro. Esses dias isolados de greve só alcançam uma coisa: desmoralização, refluxo e, finalmente, derrota! E os trabalhadores sabem perfeitamente. A base aceitará?

Nada é tão incerto, como o sindicato UNSA da RATP (transporte público) que, por meio de um comunicado à imprensa, em 11 de janeiro lembrou que a mobilização visa a “retirada total do projeto de reforma” e que a suspensão temporária da idade-eixo é apenas um “engodo”.

A crise ainda está aberta, tudo é possível.

La Comuna, 11/1/2020


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *