Por Ashley Smith (militante e escritor socialista, membro do DSA e do Coletivo Tempest)

1. O que aconteceu: Trump incitou uma multidão de bandidos fascistas e de direita para saquearem o edifício do Capitólio em DC. Isto foi planejado há várias semanas. O protesto atraiu milhares, se não mais de dez mil, e foi coordenado com ações em várias capitais do país, com participantes variando de algumas dezenas a centenas. Isto marca o surgimento de uma nova direita fascista no país.

2. Isto não é um golpe, mas um patético e falhado “putsch” organizado pela extrema-direita que foi derrotado relativamente rápido. Trump e seu círculo interno deram a luz verde. Mas foi uniformemente condenada pela classe capitalista (Associação Nacional de Manufatureiros, Câmara de Comércio, CEOs de todas as grandes corporações, assim como Twitter e Facebook, que bloquearam as contas de Trump), ambos os partidos políticos, a liderança do exército, da polícia e a mídia burguesa. A classe capitalista, seus diversos representantes e aparelhos repressivos se uniram contra esta ação e a impediram. Pouco tempo depois, o Congresso voltou a se reunir para confirmar Biden. Como esperado, as ações do mercado em todo o mundo se recuperaram com o alívio de que uma nova administração restabelecerá o “business as usual” (pelo menos é o que esperam).

3. A pilhagem do Capitólio só poderia ocorrer com a conivência da administração e da polícia. Compare a resposta da polícia a esta ameaça aberta de violência da extrema-direita com a resposta aos protestos da Black Lives Matter [Vidas Negas Importam] em todo o país. À direita, a polícia tirou selfies e apertou a mão dos fascistas. Quando a BLM marchou em DC e em outros lugares, foram recebidos com a repressão policial. Imagine se a BLM tivesse marchado até o edifício do Capitólio. As pessoas teriam sido mortas a tiros em massa. A extensão da cumplicidade permanece pouco clara. Claramente, a liderança da administração não levantou um dedo para mobilizar a segurança do edifício do Capitólio e Trump incentivou o assalto. Independentemente de ter havido coordenação, não deve ser surpreendente que a polícia tenha usado luvas de criança com os fascistas. A maior concentração do sentimento pró-Trump é entre a polícia e o ICE e, portanto, predispostos a encorajar os nazistas.

4. O Estado mobilizou suas forças para reprimir o protesto quando ficou claro que era uma ameaça ao establishment político. Ambos os partidos políticos, a prefeita de DC e o establishment empresarial asseguraram isso. A Guarda Nacional foi mobilizada a partir de Maryland e Virgínia e a polícia de DC. Fizeram prisões de dezenas e dispersaram os protestos. A ordem foi restaurada e a eleição de Biden foi confirmada – mesmo a fanática Trumpista, Lindsay Graham, alinhou-se ao apoio para validar os resultados.

5. Estes eventos terão resultados políticos. Será contraproducente para Trump no futuro imediato. A classe capitalista, o establishment político e o aparato de segurança/militar/polícia apoiarão a confirmação de Biden para restaurar os negócios como sempre em casa e a credibilidade imperialista no exterior (os eventos foram um enorme golpe para o poder brando dos EUA). Considerarão a invocação da 25ª Emenda, a remoção e o processo judicial de Trump antes do término de seu mandato, e outras ações após sua saída do cargo. Eles devem enfatizar que o Estado permanece invencível.

6. A burguesia e seus representantes políticos exigirão maiores poderes para que seus militares e policiais monitorem, prendam e detenham “extremistas”. Farão isso nominalmente para prender e processar os fascistas. Mas o principal alvo da repressão será o povo negro, os imigrantes, os muçulmanos, a esquerda e os sindicatos.

7. Nenhuma dessas ações deterá o crescimento do Trumpismo e de sua corrente fascista. Eles saem das ações de ontem com entusiasmo e confiança, mesmo que alguns sejam presos, processados e encarcerados. Acreditam proteger seus direitos contra um governo Biden que é ilegítimo. Eles possuem a base para um crescimento ainda maior. A ala direita tem uma infraestrutura de mídia (QAnon, etc.), organizações como os Proud Boys, e redes em todo o país capazes de apelar para uma ação coordenada. Dito isto, eles ainda são pequenos e largamente superados em número pelo nosso campo caso nos mobilizarmos. Lembre-se, 26 milhões de pessoas marcharam neste verão em protestos pelo BLM. Ontem, apenas cerca de 15 mil marcharam por todo o país. Mas, se não houver oposição, suas fileiras crescerão. As condições que geraram sua ascensão – uma crise na vida da pequena burguesia causada pelos fracassos do neoliberalismo, o fechamento de suas pequenas empresas por causa da pandemia e o fracasso dessas empresas em meio à recessão – se tornarão mais agudas nos próximos meses e anos. Portanto, a ala direita se tornará uma ameaça clara, presente e perigosa para os trabalhadores e os oprimidos.

8. Trump, com seu círculo interno e os capangas republicanos, juntaram-se ontem à extrema-direita e aos fascistas. Trump teve a escolha entre capitalizar sua presidência para ganhar dinheiro ou tornar-se o Führer de um novo movimento fascista. Agora, completamente isolado na classe dominante e no establishment político, não tem outra escolha senão escolher este último. Alguns no Partido Republicano o seguirão, a maioria não. Mas Trump continua popular com cerca de 40% da população, independentemente do que aconteceu ontem, tem base para construir uma alternativa ao Partido Republicano que agora o repudia. Será que o Partido Republicano se dividirá? Será que um novo partido de extrema-direita surgirá em torno de Trump? Ambas são agora possibilidades, ainda que antes fossem impensáveis. Trump, ironicamente, poderia ser o veículo involuntário para uma desagregação muito desagradável do Partido Republicano.

9. Biden moverá à direita para abraçar o Partido Republicano que se submeteu a sua confirmação e realizar um governo bipartidário para “unir o país e restaurar a ordem”. Esse sempre foi seu plano o fará agora. Tentará superar a pandemia, tentará restaurar o funcionamento capitalista e reabilitar o imperialismo norte-americano para competir com a China. Será difícil para ele ter sucesso nessa frente, terá a oposição militante de Trump e da extrema-direita que considerará seu governo como ilegítimo.

10. Os liberais se alinharão por trás da unidade capitalista bipartidária e da repressão estatal para lidar com a ameaça fascista. Ontem houve um consenso absoluto sobre a lei e a ordem articulada por ambos os lados, as autoridades policiais (especialmente o ex-chefe da polícia Negro de DC, Ramsey) e a mídia, especialmente a CNN, que apoiou o destacamento policial para reprimir a direita. As forças liberais não resistirão a esta mudança para a lei e a ordem porque veem o Estado, não a ação anti-fascista em massa, como a chave para lidar com a direita. Portanto, serão ainda menos críticos a Biden do que antes.

11. Nós, socialistas, devemos seguir um caminho diferente. Não devemos apoiar o establishment burguês, a nova administração Biden, sua repressão estatal no país e a reafirmação imperialista no exterior. Devemos unir forças para construir Frente Única Antifascista em todos os lugares para enfrentar a direita em grande número e expulsá-la das ruas. E, igualmente importante, devemos redobrar nossos esforços para construir uma alternativa socialista militante que lute independentemente dos democratas por demandas que enfrentem as múltiplas crises do sistema capitalista: um Green New Deal; Medicare para todos; $15 a hora do Salário Mínimo e Sindicatos; Desfinanciar a Polícia; Abolir o ICE; cortes maciços no orçamento de guerra.

12. Devemos defender a reorientação da esquerda socialista, especialmente do DSA, de sua abordagem predominantemente eleitoral para organizar a luta a partir de baixo, especialmente o BLM e as lutas no local de trabalho. Estamos no meio das crises mais profundas (sim, no plural) do sistema capitalista desde os anos 1930. Continuarão a alimentar uma profunda polarização nos países, ondas de luta social e de classes e mais conflitos entre os Estados capitalistas pela hierarquia do imperialismo global. Isto dará origem a uma nova esquerda socialista que tomará forma organizada. Devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para armá-la com ideias, estratégias e táticas socialistas revolucionárias.