Luis Meiners, LIS Estados Unidos

O número de pessoas infectadas com o Coronavírus já ultrapassa 114 mil em 112 países, com mais de 4 mil mortos. Medidas de quarentena e restrições de viagens tiveram um efeito real na economia, atingindo as cadeias de distribuição e produção, no setor de turismo e transporte.

Nesta segunda-feira, 9 de março, a Bolsa de Nova York abriu com um forte declínio que obrigou as operações a parar por 15 minutos. O Dow Jones, que reflete as 30 companhias industriais mais importantes, teve seu maior declínio desde 15 de outubro de 2008. Analistas do sistema apontam para uma combinação do efeito do Corona vírus e a queda nos preços do petróleo após divergências na produção, entre a OPEP, liderada pela Arábia Saudita e Rússia. No entanto, as raízes do que poderia ser o início de uma nova recessão devem ser buscadas nas tendências estruturais da economia dos EUA e do mundo.

Depois de atingir valores historicamente altos, nas últimas semanas os principais índices de referência de Wall Street começaram a cair. O S&P 500 caiu 12% nos 12 dias anteriores a segunda-feira. A redução da taxa de juros da Reserva Federal (FED) em meio ponto anunciada na terça-feira, 3 de março, não foi suficiente para conter a queda. Tanto a Reserva Federal (FED) como os principais analistas do mercado atribuíam a queda ao efeito Coronavírus.

Por outro lado, o preço do petróleo sofreu sua maior queda em apenas um dia, desde 1991, atingindo seus valores mais baixos nos últimos 4 anos. A recusa da Rússia em reduzir sua produção provocou uma resposta da Arábia Saudita, que reduziu drasticamente seus preços de venda. A queda no preço do barril, restando alguns dólares acima de US$ 30, atingiu duramente a indústria de Shale nos Estados Unidos, que precisa de um valor acima de US$ 50 para obter benefícios. Isso gerou fortes perdas nos valores das ações dessas empresas.

Elementos estruturais

Esses fenômenos, embora exerçam um efeito real, não explicam a dinâmica geral da situação. Para isso, é necessário investigar com mais profundidade os elementos estruturais da economia capitalista para entender suas crises. Sem pretender fazer uma análise exaustiva deles, que excede o objetivo deste trabalho, é essencial indicá-los para entender como eles interagem com os aspectos específicos da situação atual.

Do ponto de vista de uma análise marxista, o elemento-chave na análise de crises capitalistas é a queda da tendência na taxa de lucro. Michael Roberts, entre outros, mostrou como isso pode ser verificado historicamente e é essencial para explicar as crises recorrentes do capitalismo. Em um artigo recente, ele destaca: “Ao longo das décadas, houve uma diminuição secular da lucratividade do capital em todas as principais economias –  a taxa de lucro mundial tem caído – mas não em linha reta, porque houve períodos em que os fatores contraproducentes da tendência foram mais fortes. Mas, ao longo da história do capitalismo moderno, a taxa de lucro caiu. A lei de Marx não é apenas secular (isto é, uma tendência de longo prazo sobre a queda da rentabilidade). Também ajuda a explicar a recorrência cíclica de booms e colapsos da produção e investimento capitalistas. O funcionamento das contra tendências transforma a ruptura em uma crise temporária, de modo que o processo de acumulação não é algo contínuo, mas assume a forma de ciclos periódicos.”[1] O gráfico a seguir ilustra essa afirmação.

Gráfico 1. Queda Tendencial da taxa de Lucro. Fonte: Michael Roberts: Marx’s law of profitability at SOAS.

Pouco mais de uma década nos separa da última grande crise. Nestes anos, a acumulação de capital se aprofundou. Com retornos decrescentes, os incentivos ao investimento produtivo são menores e os capitalistas recorrem à especulação financeira em busca de lucros. Isso, por sua vez, gera uma bolha que se desenvolve na esfera do capital ficcional especulativo.

Gráfico 2. Lucros do setor não financeiro dos EUA antes dos impostos, em bilhões de dólares. Fonte: US BEA NIPA Tables citado en Michael Roberts, Trump´s trickle dries down..

Como pode ser visto na Figura 2, os lucros (pré-impostos) do setor não financeiro dos EUA vêm caindo desde 2014.

Isso gera uma queda no investimento produtivo. Um dos principais componentes do crescimento do PIB é o investimento privado em capital constante, ou seja, a compra de estruturas, equipamentos, software, etc. para expandir a capacidade produtiva. O gráfico 3 mostra a queda desse investimento nos EUA após 2014, em coincidência com o gráfico 2. O mesmo acontece se compararmos os dois gráficos da crise anterior. A queda nos lucros no segundo semestre de 2008 corresponde a uma queda acentuada no investimento em 2009. Os dados disponíveis ainda não refletem o que ocorreu no último trimestre de 2019 e no início de 2020, mas todos indicaram que o declínio se aprofundou.

Gráfico 3. Investimento privado real em capital constante. Fabricação 2009 – 2019. Fonte: FRED Economic Data

Apesar desses indicadores da economia real, a bolha especulativa continuou a crescer. Nesse cenário, o surgimento de fatores como o Coronavírus e a queda nos preços do petróleo atuam como catalisadores de profundas contradições que vêm se acumulando. Eles indicam aos investidores que chegou a hora de vender, o que se traduz em um forte declínio no mercado de ações, como o que ocorreu na segunda-feira. Isso, por sua vez, terá um impacto negativo na economia real. Assim, tudo parece indicar que a economia dos EUA está se aproximando de uma recessão.

Especificidade da crise atual

Marx argumentou que o capital só supera suas crises lançando as bases para uma crise ainda maior. Portanto, devemos analisar as maneiras pelas quais procuramos “superar” a crise de 2008 para alertar sobre a dinâmica da crise que já pode ter começado a se desdobrar. A resposta do Estado dos EUA à crise de 2008 girou em torno das políticas monetárias. Eles são orientados a aumentar a oferta de dinheiro, pressupondo que isso aumentará a atividade econômica. Simplificando, coloque o dinheiro obtido dos bolsos dos trabalhadores (impostos), nos bolsos dos grandes bancos e empresas, para que emprestem e invistam.

Uma das primeiras respostas dos governos ao surto foi o chamado alívio quantitativo. Consistia essencialmente em fornecer dinheiro ao mercado comprando ativos financeiros através da Reserva Federal (FED). Foi assim que o estado, no governo Obama, interveio maciçamente na economia para salvar os bancos e Wall Street.

Isso foi acompanhado por uma redução acentuada na taxa de juros do FED. O objetivo, novamente, é aumentar a oferta de dinheiro, neste caso, abaratando o crédito. A baixa taxa de juros tornou-se a norma desde a crise de 2008, apesar dos aumentos após 2016.

Como esperado, no entanto, os ricos usaram esse dinheiro para ficar mais ricos e, dadas as modestas perspectivas de lucro na atividade produtiva, voltaram-se massivamente para a especulação. A Figura 4 mostra a evolução do uso de dinheiro entre as empresas S&P500. Os gastos com investimentos de capital foi de 42% em 2000 para 28% em 2017. Enquanto as despesas relacionadas a retornos para investidores (compra de ações e dividendos para acionistas) passaram de 26 para 48% no mesmo período.

Gráfico 4. S&P 500 uso do dinheiro, 2000 – 2017. Citado en Toussaint, Eric: A montanha de dívidas privadas estará no coração da próxima crise financeira.

Um terceiro elemento do “estímulo” foram os enormes cortes de impostos dos mais ricos feitos pelo governo Trump. Por meio da “Lei de Cortes e Empregos nos Tributos”, aprovada em dezembro de 2017, eles reduziram os impostos corporativos de 35% para 21%. O crescimento dos investimentos e seu efeito multiplicador na economia como um todo nunca chegou. Um estudo do FMI referente ao ano de 2019 mostra que menos de 20% da receita extra obtida com os cortes foi usada em investimentos de capital, enquanto cerca de 80% foi usado na compra de ações e dividendos dos próprios acionistas. [2 ] Um efeito que foi sentido foi o aumento da desigualdade. Um estudo realizado pelo Congresso dos EUA que mede o efeito de reduções de impostos em projetos de renda, para o período 2016-2021, de que eles produzirão uma queda de 0,2% na renda dos 20% mais pobres, enquanto o 1% mais rico aumentará sua renda em 0,9%. [3]

Assim, um dos elementos centrais da fragilidade da atual configuração da economia é a enorme dívida corporativa. A quebra do mercado de ações pode afetar fortemente a capacidade de pagamento dessas empresas, provocando uma onda de repercussões para as próprias empresas e seus credores. Dessa maneira, alimentando a possibilidade de uma recessão.

Em um artigo recente, Eric Toussaint afirma que “todos os fatores para uma nova crise financeira estavam e estão presentes e juntos há vários anos, pelo menos desde 2017-2018. Quando a atmosfera está saturada de materiais inflamáveis, a qualquer momento, uma faísca pode causar uma explosão financeira. ”[4] É provável que vivamos os primeiros momentos de uma nova crise e recessão. Quando se desenvolve, é essencial não perder de vista suas causas, para que os responsáveis não possam continuar se acumulando escondidos atrás de um vírus ou no preço de um barril de petróleo.

[1] Roberts, Michael: Marx’s law of profitability at SOAS. Disponible en https://thenextrecession.wordpress.com/2020/02/27/marxs-law-of-profitability-at-soas/

[2] IMF Working Paper, U.S. Investment Since the Tax Cuts and Jobs Act of 2017, disponible en https://www.imf.org/en/Publications/WP/Issues/2019/05/31/U-S-46942

[3] Congress of the United States, Congressional Budget Office, Proyected Change in the distribiution of household income. Diciembre 2019, disponible en https://www.cbo.gov/system/files/2019-12/55941-CBO-Household-Income.pdf

[4] Toussaint, Eric. No, el coronavirus no es el responsable de las caídas en las bolsas. Disponible en https://www.cadtm.org/No-el-coronavirus-no-es-responsable-de-las-caidas-en-las-bolsas


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *