Este artigo, escrito por Kit Adam Wainer, foi publicado pela primeira vez na Tempest. Publicamos em português como contribuição aos debates e análises das eleições nos Estados Unidos.

Trump poderia roubar a eleição? Este é um medo que permeia os círculos liberais tradicionais e grande parte da esquerda. Alguns alertaram sobre a ameaça de golpe no caso de vitória de Biden. Outros estão preocupados com a imagem de Trump manipulando a contagem de votos e roubando no Colégio Eleitoral, auxiliado por republicanos leais, para obter um segundo mandato. Ainda assim, poucos traçaram um caminho plausível que Trump poderia seguir para anular os resultados das eleições após 3 de novembro e se manter na Casa Branca, apesar da vitória de Biden.

Um golpe militar?

A ameaça de um golpe militar para impedir a presidência de Biden parece ser o cenário menos provável de todos os imaginados. Há simplesmente pouca evidência para sugerir que os militares de alto escalão estão interessados ​​em destruir o sistema constitucional, derrubar a eleição e proclamar Trump presidente. Pelo contrário, um número histórico de ex-oficiais militares e líderes de inteligência se opuseram abertamente a Trump, chegando a chamá-lo de uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos. Há até um grande grupo de ex-membros do gabinete de George W. Bush que endossou Biden e está arrecadando dinheiro para ele. E não há contra-tendência significativa: nenhum grupo de ex-funcionários de Clinton ou Obama apoiando Trump, nenhum grupo de ex-membros do aparato de segurança nacional do Estado alertando que Biden representa uma ameaça aos EUA.

Se os preparativos sérios para um golpe militar estivessem em andamento, seria de se esperar que oficiais federais prendessem políticos da oposição e figuras da mídia. Mesmo assim, até o Departamento de Justiça de Bill Barr se recusou a fazer a acusação que Trump queria contra seu antecessor e tudo que Trump pôde fazer em resposta foi um tweet. Trump usou forças federais contra os manifestantes em Portland, Oregon. Mas vale ressaltar que não podia depender dos principais ramos das forças armadas dos Estados Unidos e teve que depender de US Marshals, oficiais de imigração e agentes da Patrulha de Fronteira.

Uma pesquisa de agosto de 2020 para o Military Times mostrou Biden liderando Trump entre os membros do serviço ativo. A pesquisa foi criticada por não divulgar os métodos e porque os leitores do Military Times são desproporcionalmente oficiais, em vez de recrutas. No entanto, para Trump realizar um golpe militar, oficiais seria exatamente o que ele precisa. O fato de que a maior publicação de oficiais militares publicou tal pesquisa deve lançar dúvidas sobre qualquer tese de que eles estão planejando reverter a eleição em nome de Trump.

Republicanos reduzem distância para democratas na votação antecipada nos EUA  | Eleições nos EUA 2020 | G1

Um roubo quase legal?

A advertência de Barton Gellman de que Trump poderia manipular os tribunais, as legislaturas estaduais e o Congresso para modificar o voto eleitoral a seu favor se os resultados finais estiverem próximos, apareceu no site do The Atlantic no final de setembro. Foi amplamente divulgado nas redes sociais e Gellman apareceu em várias entrevistas transmitidas no mesmo dia. Gellman argumenta que mesmo no caso de uma aparente vitória de Biden, Trump não estaria disposto a ceder. Isso desafiaria os resultados estaduais no tribunal, e as legislaturas republicanas poderiam declarar os resultados inválidos e indicar suas próprias listas de eleitores para o Colégio Eleitoral. “Se Trump se privar de todas as restrições e se seus aliados republicanos desempenharem o papel que ele lhes atribui, ele poderá impedir o surgimento de uma vitória legalmente inequívoca de Biden no Colégio Eleitoral e mais tarde no Congresso.” [enfase adicionada]

No entanto, a hipótese de Gellman é baseada em uma série de suposições, todas elas duvidosas.

Em primeiro lugar, a questão só faz sentido se Michigan, Wisconsin e Pensilvânia forem os Estados que dão a Trump a maioria no Colégio Eleitoral. No entanto, isso pressupõe que Trump já teria vencido a Flórida, Carolina do Norte e Arizona, três Estados nos quais Biden ainda está ligeiramente acima (a liderança de Biden no Arizona é um pouco maior). Esses três Estados permitem que as cédulas entregues pelo correio sejam contadas antes de 3 de novembro, o que significa que a mídia provavelmente julgará o vencedor desses Estados na noite da eleição ou na madrugada de 4 de novembro.

Se Biden ganhar o Arizona, a narrativa da mídia será que Trump está enfrentando uma batalha difícil, aumentando as apostas para qualquer um que queira colaborar com o presidente para roubar o Meio-Oeste. Se Biden também ganhar a Flórida ou a Carolina do Norte, o caminho de Trump para 270 votos no colégio eleitoral é quase completamente interrompido. O meio-oeste provavelmente nem seria mais necessário para Biden nesse caso. Portanto, o cenário depende das pesquisas estarem erradas na Flórida, Carolina do Norte e Arizona e Trump tendo sucesso em vencer lá e também segurando na Geórgia, Ohio e Iowa. (Biden está ligeiramente atrás no Texas, praticamente empatado na Geórgia e Ohio, e ganhando terreno em Iowa).

Em segundo lugar, o projeto também depende da suposição de que a “miragem vermelha” se tornará realidade. Nesse cenário, Trump lidera substancialmente na noite da eleição devido ao forte voto republicano, mas após a recontagem do voto por correspondência dos democratas, o resultado muda em todos os três Estados do meio-oeste à favor de Biden nos dias seguintes. O problema com isso é que esses Estados do Meio-Oeste permitem que as cédulas pelo correio sejam contadas a partir das 7h do dia 3 de novembro e as eleições serão conduzidas por secretários de Estado do Partido Democrata. Além disso, a Suprema Corte dos Estados Unidos acaba de confirmar uma decisão do tribunal da Pensilvânia que permite a contagem dos votos recebidos até 6 de novembro, mesmo que o selo não esteja claro. Portanto, para que isso funcione, teríamos que supor que nenhum grupo constituinte revise as cédulas por correio antes do encerramento das urnas e que na verdade eles só começarão a contar essas cédulas no dia seguinte. É verdade que demorará dias para contar todos os votos. Isso sempre acontece em todos os Estados. No entanto, a mídia frequentemente julga os vencedores desses Estados muito antes de todos os votos terem sido contados. Se Biden estiver na frente e restar apenas os votos enviados pelo correio, a mídia provavelmente o declarará o vencedor. E, no momento em que este artigo foi escrito, as pesquisas que previam que os democratas usariam várias formas de votação antecipada, incluindo votação pelo correio, a taxas substancialmente mais altas do que os republicanos foram confirmadas.

Terceiro, o esquema depende da colaboração de legisladores estaduais republicanos, “desempenhando o papel que [Trump] lhes atribui”. A razão pela qual os atuais funcionários eleitos republicanos estão seguindo Trump hoje é óbvia. É do seu próprio interesse escolher o melhor candidato da lista. A participação dos republicanos na eleição deste ano depende do entusiasmo pelo presidente. Isso é o que empurrará a maioria dos candidatos para uma vitória em 3 de novembro ou os afundará. É por isso que a senadora do Maine, Susan Collins, ou a senadora de Iowa Joni Ernst, não podem se afastar de Trump. Precisam que os apoiadores de Trump em seus Estados se apresentem, votem e não corram o risco de conter seu entusiasmo. Mas tudo isso termina quando os votos forem lançados. Depois de 3 de novembro, nenhum desses políticos terá muito interesse no futuro de Trump. Os legisladores sabem que suas perspectivas nas eleições para o Congresso de 2022 serão melhores se o partido da oposição controlar a Casa Branca e seu destino nunca mais ficar ligado ao de Trump. Além disso, participar de uma conspiração potencialmente ilegal acarreta um grande risco pessoal, especialmente considerando que o líder dessa conspiração é completamente incompetente e desprovido de lealdade para com aqueles que o servem.

Quarto, o esquema também depende do apoio do Congresso, que tem o poder de certificar os eleitores do Colégio Eleitoral enviados por governadores em vez de legislaturas. Isso significa que outra pré-condição para todo o projeto é que os republicanos ganhem a Câmara dos Deputados (cenário que o analista FiveThirtyEight dá 4% de chance) ou que mantenham a maioria no Senado (27% de chance, dependendo FiveThirtyEight). E, novamente, depois de 3 de novembro, mesmo os membros republicanos da Câmara dos Representantes e do Senado terão laços muito mais fracos com Trump. O líder da bancada republicana na Câmara, Kevin McCarthy, saberá que suas chances de se tornar presidente da Câmara dos Deputados são melhores sob a presidência de Biden, por exemplo. O senador de Utah, Mitt Romney, já sinalizou que não vai cooperar. E o senador de Nebraska, Ben Sasse, deixou claro que deseja que seu partido se livre de Trump. Suspeito que muitos mais senadores republicanos prefeririam secretamente Biden como presidente. Eles simplesmente não podem dizer antes de 3 de novembro por causa dos efeitos que um endosso de Biden teria em suas próprias carreiras eleitorais. Assim, a probabilidade de que certifiquem listas de eleitores submetidas por legislaturas republicanas em vez de governadores devidamente eleitos parece pequena.

Em última análise, Trump precisaria de um ramo executivo bem oleado para lutar por ele nos tribunais e na mídia. Já que todos olham para ele quando ele está fora da sala, isso parece difícil de imaginar. Depois de 3 de novembro, mesmo se Trump ganhasse, eles provavelmente estariam procurando carreiras fora da Casa Branca de qualquer maneira. O que será melhor em seus currículos: participar de uma tentativa de semi-golpe de alto risco ou defender a Constituição? Até Mike Pence terá que pesar essa escolha.

Todos os cinco cenários devem ocorrer de acordo com o projeto de Trump para que qualquer esquema funcione. A maioria deles é possível por conta própria. Mas, coletivamente, são altamente improváveis.

O que dizem as pesquisas a uma semana das eleições nos EUA | Cobertura  especial sobre as eleições nos Estados Unidos | DW | 27.10.2020

O que os capitalistas querem?

É uma tolice tentar identificar uma posição única entre os capitalistas nas próximas eleições. Os ricos não agem como uma frente única e não têm um comitê executivo secreto. No entanto, há ampla evidência de que Biden é altamente favorecido entre os capitalistas estadunidenses. Em primeiro lugar, como foi amplamente relatado, Biden tem uma vantagem substancial na arrecadação de fundos, indicando que doadores ricos estão ajudando, seja porque o preferem a Trump ou porque esperam que ele ganhe e para alavancarem. Na verdade, devido às dificuldades financeiras da campanha de Trump, o presidente teve que parar de anunciar em Ohio e Iowa.

Também há evidências de que setores-chave do capital dos EUA favorecem Biden. O Goldman Sachs praticamente o apoiou publicamente recentemente e houve vários vazamentos do setor financeiro indicando que os investidores acreditam que Biden será bom para os mercados. A Câmara de Comércio dos EUA, por tradição, não endossou nenhum candidato à presidência. No entanto, o grupo recentemente fez ondas ao decidir apoiar um grande número de democratas no Congresso. Votos para esses democratas ajudarão a campanha de Biden.

A ameaça de um golpe, ou mesmo de uma eleição roubada, repousa em premissas duvidosas. Não há indicação de que algum setor importante das Forças Armadas esteja interessado. E a lealdade republicana a Trump é puramente transacional e oportunista. No final das contas, um golpe provavelmente teria pouco apoio entre os capitalistas. Poucas figuras permanecem, portanto, para realizá-lo. Jared e Don Jr. não parecem estar à altura do trabalho.

Há uma ameaça realista de violência pós-eleitoral por parte das forças de extrema-direita. Estes podem ter como alvo a esquerda e vários ativistas progressistas. É preciso se preparar para isso. Mas a capacidade de impactar o resultado da eleição ou sustentar a presidência de Trump, mesmo em face de derrota eleitoral, parece mínima. Afinal, mais de cinquenta milhões de pessoas já votaram em 23 de outubro, e os primeiros eleitores estavam inclinados para os democratas. Não há relatos de violência da direita nas seções eleitorais ou caixas de correio. Se os militantes neo-fascistas esperarem até 3 de novembro para interromper a votação, irão suprimir os votos de Trump.

Aqueles cujo objetivo principal é aumentar a participação do Partido Democrata, querem espalhar temores de um golpe de Trump. O argumento desses é que precisamos de um tsunami democrata para barrar Trump. Na esquerda, há debates sobre se é necessário apoiar um candidato claramente neoliberal. No entanto, essa questão deve ser debatida por conta própria. Não devemos desconsiderar nossa compreensão de como o Estado funciona, ou mesmo nossa concepção básica de como o governo funciona, para assustar a esquerda e fazê-la apoiar os democratas em novembro.

Trump ou Biden? O que você precisa saber sobre as eleições nos Estados  Unidos - Seu Dinheiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *