Apoiamos a luta dos trabalhadores, camponeses e povos oprimidos

Os protestos iniciados após o golpe de 1º de fevereiro em Mianmar continuam. Os militares alegam fraude nas eleições de novembro [2020] como pretexto para o golpe e prenderam muitos políticos, incluindo Aung San Suu Kyi, uma das políticas mais importantes do país, e o presidente Win Myint. Pelo menos 25 manifestantes foram mortos pela repressão desde o início do golpe, 18 deles enquanto esta declaração estava sendo escrita. O exército também ameaça as massas que vão às ruas com 20 anos de prisão.

Apesar das ameaças, os protestos contra o golpe continuam com a participação massiva dos trabalhadores. Com convocatória de greve realizada pelos partidos políticos da oposição no dia 22 de fevereiro, a vida paralisou em quase todas as grandes cidades do país. A mídia de Mianmar afirma que os protestos de 22 de fevereiro são os maiores da história do país. Com a massificação e radicalização dos protestos, o governo golpista também aumentou a violência nas ruas e o uso de balas de chumbo contra as massas. Os cortes na Internet também são cada vez maiores. A principal reivindicação das massas que participam dos protestos é a libertação de Suu Kyi e outros políticos detidos, e que os militares entreguem o poder a uma administração civil.

Conceitos como democracia, direitos humanos e liberdade são sonhos longínquos dos habitantes de Mianmar (antiga Birmânia), reprimidos pelos colonialistas até meados do século XX e posteriormente por golpes militares. Embora passos importantes tenham sido dados para quebrar a hegemonia do exército na política sob a liderança de Suu Kyi, que passou muitos anos na prisão, em prisão domiciliar e foi apoiada por países ocidentais nesse processo, os avanços se mostraram bastante fracos. Na verdade, a constituição de Mianmar foi projetada para preservar o poder do exército na arena política. Independentemente do resultado das eleições, o exército tem uma cota de 25% dos deputados no parlamento. Além disso, os ministérios da defesa, do interior e das fronteiras são controlados pelos militares. O sucesso da Liga Nacional para a Democracia (NLD) de Suu Kyi nas eleições de novembro parece ter acionado o exército em proteger sua influência na arena política.

Por outro lado, os atores da política civil e militar mantêm a mesma linha política em relação a diferentes elementos étnicos e religiosos, como os massacres de muçulmanos Rohingya em 2017. Quando Suu Kyi, que é visto como o pioneiro da democratização burguesa de o país, apoiado o exército nesses massacres, as relações com o Ocidente se deterioraram. Ela foi até mesmo intimada a testemunhar pelo Tribunal Penal Internacional. Embora Suu Kyi não pudesse ser diretamente chefe de Estado devido ao marido ser cidadão britânico, a partir de 2015, quando ela dirigiu ativamente a política do país, a corrupção que envolveu ministros do governo e o não cumprimento do que foi prometido ao público fez com que sua popularidade fosse abalada. Esta curta experiência de “democratização” revelou o quão incompetentes e limitados são os setores burgueses.

Hoje, o destino do país depende em grande parte da competição das potências imperialistas no sul da Ásia. Superpotências globais como China e Estados Unidos competem por Mianmar, que é fundamental para controlar a Baía de Bengala, um importante destino do comércio internacional no Oceano Índico. A China manteve boas relações com os militares de Mianmar por muitos anos e conseguiu estabelecer boas relações com Suu Kyii, que se desentendeu com o Ocidente. Mianmar ocupa um lugar importante para a “Iniciativa de Cinturões e Estradas”, à qual a China dar particular atenção em termos de expansão de sua hegemonia imperialista. Portanto, mais do que quem está no poder e quais crimes ele cometeu no país, o principal problema da China é manter a estabilidade política e manter as relações funcionando. De fato, o veto da China e da Rússia à decisão do Conselho de Segurança da ONU de condenar o golpe mostra que a administração militar terá uma relação calorosa com Pequim.

Enquanto os Estados Unidos e os países da União Europeia condenam o golpe, repetem os refrões familiares: democracia, direitos humanos, resolução de problemas dentro dos limites constitucionais… Os países ocidentais viam Suu Kyi como uma alternativa para quebrar o poder político do exército, apesar de todas as suas falhas, e apoiou suas políticas sujas contra as minorias étnico-religiosas. EUA e UE tentarão criar uma nova alternativa dentro do país enquanto o exército expurga Suu Kyi. No entanto, sabemos que o objetivo principal será impedir que o país se instale na órbita da China, e impossibilitar um futuro livre e democrático para o povo de Mianmar.

O que aconteceu em Mianmar mostra mais uma vez que a democratização nos países atrasados ​​é uma tarefa muito grande que os setores burgueses não podem cumprir. O futuro dos trabalhadores e das identidades étnico-religiosas oprimidas não mudará, independentemente de quem esteja no poder. A extensão da exploração e opressão pode variar, mas as contradições existentes permanecerão. As profundas contradições econômicas e conflitos étnico-religiosos que se acumularam no Mianmar e outros países do sul da Ásia só podem ser eliminadas pela luta de classes internacional liderada por uma alternativa internacionalista e socialista.

A classe trabalhadora, que lutam contra o golpe com suas greves gerais e manifestações de rua, deve agir independentemente de Suu Kyi e do NLD, que são figuras políticas capitalistas, representantes dos patrões de Mianmar e das forças imperialistas. Além disso, os antecedentes dessas figuras na luta pela democracia são bastante sombrios.

Os trabalhadores devem desenvolver comitês de greve que tem formado o movimento grevista e se tornar uma força independente para tomar o destino de Mianmar em suas próprias mãos. Os trabalhadores, camponeses, jovens e minorias oprimidas não possuem futuro no sistema capitalista. O atual movimento anti-golpe não pode se limitar apenas às reivindicações democráticas. Para conseguir uma mudança fundamental além de derrotar os conspiradores do golpe, as propriedades dos capitalistas, a burocracia militar e os monopólios estrangeiros devem ser expropriadas e uma luta pelo poder dos trabalhadores em Mianmar deve ser travada.

28 de fevereiro de 2021.