As imagens do assassinato de Javier Ordoñez nas mãos de dois policiais que o imobilizaram, espancaram e eletrocutaram até a morte, sob a forma de tortura, correram pelas redes sociais e pela mídia, gerando um amplo repúdio no movimento de massa e especialmente entre os jovens.

Recordamos o histórico 21 de novembro de 2019, quando o povo se levantou contra o golpe do Duque, mas também contra o assassinato sistemático de líderes sociais, pelo desmantelamento da ESMAD, e contra a doutrina assassina das forças militares e paraestatais.Agora, durante a pandemia da COVID-19, a política de ajuste se aprofundou junto com a militarização e a repressão do regime representado pelo governo Duque-Uribe, cujo partido, o Centro Democrático, centraliza o poder legislativo, executivo e judicial, além de tornar precárias as condições de vida da classe trabalhadora, salvando empresas como a Avianca e deixando impunes os massacres sistemáticos do povo colombiano.

Assim, a indignação que irrompeu na noite de 9 de setembro é a evidente expressão do repúdio ao regime, às instituições criminosas do Estado e ao avanço do paramilitarismo, cúmplice do governo Duque-Uribe e que hoje deixou um saldo de mais de 50 massacres no decorrer do ano, 219 pessoas assassinadas pela política de repressão e morte que prevalece nas calçadas, prefeituras, comunas, periferias e outros lugares do país onde o regime vê a necessidade de silenciar a ascensão da luta social e popular que se espalha com forte convicção e rebelião em nosso país.

A raiva e a dor não podiam mais ser contidas. A mobilização espontânea nas ruas estava cheia de gritos e lutas contra os assassinos de Javier, que estão à solta com a permissão do governo e das instituições que os encobrem e protegem. Em vez de prender os culpados, tendo todas as provas, o caso está sendo investigado pelo Ministério Público, uma instituição imbuída de uribismo que, através das palavras de Duque, exalta a galanteria da polícia após os assassinatos perpetuados por aquela instituição com armas de fogo durante os protestos. Sob estas condições, milhares de pessoas são assassinadas em aparente silêncio, mas o povo não esquece e resgata a memória do genocídio histórico em nosso país. Nestes dias em que a tortura e o assassinato são a regra, a revolta é a única resposta!

Em Bogotá, a polícia matou mais de 7 pessoas com tiros no Dia Nacional dos Direitos Humanos, uma delas menor de idade, com 3 tiros em seu corpo. A repressão brutal da polícia que perpetuou este massacre e deixou centenas de pessoas feridas durante seu legítimo exercício de protesto deixa provas de que os carrascos do povo estão deslizando pelas ruas, porém mais uma vez eles são recebidos com a resposta radical e posicionada dos jovens e do povo que não estão dispostos a recuar frente à repressão, e que reafirmam a cada momento a necessidade de combater ferozmente qualquer instituição que queira perpetuar o genocídio histórico que o governo reacionário Duque está aprofundando junto com o Ministério da Defesa que impôs a militarização da cidade, apoiando assim os crimes da polícia e colocando o massacre em total impunidade.

A polícia na Colômbia não é uma força civil, portanto é liderada diretamente pelo Ministério da Defesa e pelo governo, uma situação que lhes dá um quadro de independência em relação à orientação da prefeitura de Bogotá. Isto levou à separação de Claudia Lopez como a pessoa politicamente responsável pelos atos de repressão. A realidade é que em sua função, ela preside o conselho de segurança da cidade, ou seja, ela pode dar ordens para reprimir e dispersar as mobilizações. Entretanto, a palavra final vai para o Comandante Oscar Gómez Heredia, que é eleito diretamente pelo governo nacional. Toda uma estrutura antidemocrática e autoritária! Hoje Claudia López fala de uma reforma da polícia com o objetivo de acalmar a mobilização, uma questão que é funcional para o governo, pois para conseguir mudanças como as que ela mesmo propõe é necessário radicalizar a luta e não moderá-la sob a falsa idéia de que é possível reformar o Estado e, em suas próprias palavras, “recuperar a confiança na polícia”. Não esqueçamos que o movimento tem exigido historicamente o desmantelamento da ESMAD e a suposta política alternativa de Claudia López e Daniel Quinteropropôs protocolos a fim de continuar usando essa força para aplacar as lutas do povo. Portanto, a única maneira de derrotar o terrorismo de Estado e acabar de uma vez por todas com o regime atual é através da organização e mobilização.  

Canalizar a raiva, a indignação e a luta em organização

Toda essa luta deve ser canalizada para formas de organização da classe trabalhadora e dos setores populares, a fim de alcançar vitórias e avançar contra o regime genocida. Os confrontos devem ser cada vez mais firmes, conscientes e organizados. Por esta razão, é urgente exigir que as centrais operárias que fazem parte do CNP reativem as assembléias regionais, as reuniões nacionais e promovam as assembléias operárias por setores, com o objetivo de definir em conjunto a agenda de luta e preparar de forma organizada o enfrentamento contra o regime nas ruas e nos campos. Devemos lutar por baixo, todas as organizações revolucionárias, organizações sociais e sindicatos anti-burocráticos, a fim de estabelecer estes espaços de democracia e poder avançar.

Concordamos com o Bloco para a Greve Geral Indefinida na tarefa de organizar democraticamente uma greve e aumentar a mobilização em todas as regiões do país. Nessa medida, propomos que grupos ou comitês de choque, primeiros socorros e alimentos sejam estruturados, com o objetivo de resistir e cuidar coletivamente da resposta das forças militares, policiais e paraestatais.

O terrorismo de Estado foi exposto e, portanto, é necessário orientar esta luta a fim de aprofundá-la contra o regime genocida e o sistema capitalista como um todo. É por isso que estamos propondo um programa anti-repressivo para orientar nossa luta:

  1. Que haja um julgamento e prisão para os responsáveis pelo assassinato de Javier Ordoñez e a polícia que perpetuou o massacre na noite de 9 de setembro.
  2. Para o desmantelamento de todas as forças repressivas do Estado, a destruição do aparato paramilitar e a destruição da doutrina de contra-insurgência, que é o que torna possível que as forças repressivas atuem hoje.
  3. Dissolução imediata da ESMAD.
  4. Julgamento e punição dos responsáveis diretos e políticos pelos crimes e massacres ocorridos, especialmente dentro das forças repressivas e do aparato político de repressão, assassinato, massacre, genocídio e violência de gênero.
  5. Para a demissão imediata de prefeitos, juízes e promotores que ordenam, encobrem e protegem repressores e genocidas.

É por isso que convidamos e encorajamos você a participar das mobilizações que serão chamadas a partir de agora e sempre! A luta é agora, porque há uma guerra contra o povo. Respondamos com luta pela construção de um mundo diferente nos bairros, fábricas e assembléias territoriais, e deixemos que o confronto e a mobilização nas ruas seja o que constantemente nos empurra em direção a uma sociedade radicalmente diferente!

Impulso Socialista

Liga Socialista Internacional


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *