Por Luis Meiners

A sessão conjunta do Congresso para contar os votos do Colégio Eleitoral foi interrompida quando uma mobilização de partidários de Trump invadiu o Capitólio. As cenas de caos refletem o desdobramento da profunda crise política. Após a derrota em novembro, Trump insistiu em ignorar o resultado, apesar do fracasso repetido de suas tentativas de reverter a situação. Isso aprofundou a crise do Partido Republicano e do regime. Enquanto isso, na Geórgia, a vitória do Partido Democrata no segundo turno das eleições para o Senado parece se confirmar, fato que daria a esse partido o controle da Câmara.

A chamada “Marcha para Salvar a América” ​​reuniu milhares desde o início da manhã. Trump falou antes do meio-dia repetindo as acusações de fraude eleitoral, convocando a multidão a não ceder e marchando em direção ao capitólio. Horas depois, eclodiram confrontos em torno do Capitólio e um grupo entrou no prédio, chegando ao complexo do Senado. Membros do Congresso evacuaram, um toque de recolher foi declarado e a mobilização da Guarda Nacional era esperada. Trump tuitou uma mensagem da Casa Branca pedindo aos manifestantes que voltassem para casa.

A sessão interrompida é um procedimento formal que antecede a posse de Biden em 20 de janeiro. Essa é a etapa final para a certificação dos votos do Colégio Eleitoral, após a homologação do resultado do voto popular em cada Estado e os membros do Colégio Eleitoral se reunirem para dar o seu voto. O procedimento legal estabelece que nessa sessão possam ser feitas observações sobre os votos do Colégio Eleitoral.

O fracasso da campanha contra a “fraude”

Depois de uma série de reveses em suas contestações legais e após o fracasso dos esforços para pressionar legisladores estaduais e governadores republicanos a não reconhecerem os resultados eleitorais, a fúria e o desespero de Trump se voltaram para a sessão. Sua pressão sobre o vice-presidente Pence, que presidiu a sessão, e a bancada republicana de deputados e senadores foi aumentando, levando um grande grupo de parlamentares do Partido Republicano a se comprometerem em expressar suas observações sobre o resultado eleitoral, sem essa possibilidade jurídica aberta alguma de reverter os resultados.

A campanha contra a suposta fraude tensiona ao máximo a situação interna do Partido Republicano, aprofundando os conflitos. Opiniões de conservadores proeminentes apareceram na mídia expressando a necessidade de um novo partido. Os republicanos que ocupam cargos estão divididos entre o desejo de sustentar a institucionalidade e a pressão de Trump e uma base de direita radicalizada que hoje se expressa nas ruas.

Essa disputa foi sentida nas eleições para o senado na Geórgia. Trump empreendeu uma campanha particularmente forte contra as autoridades estaduais republicanas por terem certificado o resultado favorável a Biden. Há poucos dias, o áudio de uma conversa telefônica entre Trump e o Secretário de Estado da Geórgia veio a público, onde ele exigia uma recontagem e que encontrasse os mais de 11 mil votos necessários para reverter o resultado.

Somado a isso, havia o repúdio aos senadores republicanos por recusarem a expansão da assistência estadual para US$ 2 mil. Embora ainda não haja confirmação, tudo isso parece ter levado à derrota dos candidatos republicanos na Geórgia. A Câmara do Senado ficaria assim empatada em 50-50 entre os dois partidos, dando o desempate a vice-presidente eleita, Kamala Harris, e a presidência da Câmara ao Partido Democrata.

Perspectivas

Nos últimos meses, muito se falou sobre a possibilidade de um “golpe” nos EUA. Foi um dos argumentos centrais do Partido Democrata e de sua ala progressista para mobilizar o voto em Biden. Uma parte importante da esquerda sustentou o mesmo argumento e pediu o voto na candidatura democrata. No entanto, temos visto o fracasso das tentativas de reverter o resultado eleitoral. Nenhuma fração relevante da classe dominante ou do aparato estatal apoia essas tentativas. A última confirmação disso foi dada há poucos dias quando os 10 ex-chefes do Pentágono ainda estão vivos lançaram uma nota pedindo respeito ao processo constitucional.

Os eventos acontecidos não são um golpe, mas também não são sem importância. O fato de não conseguirem interromper a posse de Biden não significa que não sejam um sintoma claro da situação política. A polarização política da última década assistiu a uma radicalização à esquerda, mas também ao desenvolvimento de correntes ultradireitas protofascistas, que demonstraram capacidade de mobilização e apoio nas fileiras do aparato repressivo.

A ação ocorrida é uma prévia do que pode vir. Diante de um governo Biden que buscará aplicar uma restauração da “normalidade” neoliberal, um cenário de profunda crise econômica e sanitária, a direita buscará tomar a iniciativa. O trumpismo será um ator permanente no palco que está por vir.

Nessa conjuntura, a resposta da esquerda é urgente. É necessário que esta apareça como alternativa independente no cenário nacional, como alternativa à polarização entre um governo democrático neoliberal e a direita. Não se lançar nessa tarefa é abrir caminho para o desenvolvimento de elementos fascistas. Para fazer isso, a esquerda socialista precisa construir seu próprio partido, um partido socialista independente dos democratas. O DSA e toda a esquerda socialista devem organizar a resposta de milhões contra a direita e construir essa ferramenta política.