No próximo domingo, 17, e dia 24 está marcado o Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM. Há uma campanha intensa de organizações para o adiamento do Exame. Na última segunda-feira, 11, em meio a pressão pelo adiamento, soubemos da morte em decorrência da Covid-19 do responsável no Inep que coordena a elaboração do Enem.

O Brasil vive hoje, novamente, um pico da pandemia de Covid-19 com mais de 200 mil pessoas mortas e uma média de contaminação acima de 1 mil casos. Manaus, por exemplo, está no maior pico de mortes desde o início da pandemia. Diante do cenário, a prefeitura da capital decidiu que não irá liberar as escolas para a realização das provas.

Caso seja realizado, o ENEM 2021 será marcado como o símbolo da desigualdade, já existente, no acesso ao Ensino Superior, além do ambiente para propagação do coronavírus. Exigimos que as provas sejam adiadas para o momento pós-vacina. Não há condições sanitárias para a realização de um Exame nacional com milhões de estudantes inscritos.

É importante também destacar que seguimos na luta pelo fim da desigualdade no acesso a Educação Superior, para que seja um dever do Estado a garantia do acesso e permanência 100% público, gratuito, diverso e de qualidade.