Por Jan Kryzhkevich

Recentemente, houve uma redução notável no número de participantes em protestos de rua na Bielorrússia. Os principais motivos são a deterioração das condições meteorológicas; fadiga física e psicológica; os problemas financeiros dos manifestantes; o medo provocado pelas represálias e pela brutalidade da tropa de choque, cujo nível explodiu com novo vigor.

Assim, no dia 8 de novembro, a marcha de protesto “Pela Soberania do Povo!” em Minsk, da qual participaram várias dezenas de milhares de pessoas, foi brutalmente reprimida desde o início. Cerca de 1.400 pessoas foram detidas e presas, em pé com as pernas abertas e mãos para cima, de frente para as paredes nos pátios das delegacias de polícia por cerca de 9 horas sob chuva congelante. Muitos foram espancados brutalmente, alguns ficaram lesionados e levados para hospitais. Pelo menos uma pessoa foi baleada e agora está no hospital militar.

Além disso, o regime começou a limpar pátios e bairros, cujos vizinhos expressam massivamente seu protesto contra o regime de Lukashenko. As forças de segurança realizam ativamente ataques e incursões, dispersam reuniões pacíficas e concertos, invadem apartamentos privados, realizam buscas, espancam e detêm residentes e seus convidados, destroem símbolos de protesto e murais.

Em 11 de novembro, um ativista do protesto, Raman Bandarenka, um pintor de 31 anos, foi espancado e detido no pátio de seu bloco de apartamentos, popularmente conhecido como “A Praça das Mudanças”. Ele morreu no hospital, depois de ser novamente espancado em uma delegacia de polícia.

O assassinato de Raman abalou todo o país e desencadeou uma nova mobilização. Em 15 de novembro, cerca de 100 mil bielorrussos marcharam pacificamente, condenando esse novo assassinato e a repressão sob o lema “Eu saio!” que foram as últimas palavras que Raman escreveu em seu bate-papo no pátio antes de ser morto.

As autoridades responderam com crueldade ainda maior, espancamentos massivos, uso de granadas atordoantes que cegam, gás, jatos d’água e balas de borracha, prisões, torturas e julgamentos. Mais de 1.500 manifestantes foram presos.

Para a marcha no domingo, 22 de novembro “Contra o Fascismo!”, os manifestantes escolheram uma nova tática de protesto local. Dezenas de milhares de bielorrussos em Minsk e outras cidades marcharam simultaneamente em seus bairros. Colunas locais de manifestantes marcharam em diferentes direções, juntando-se, bloqueando estradas e entrando em confronto com a polícia. As unidades policiais e militares não foram capazes de responder simultaneamente todas as alas de resistência e, sendo uma minoria significativa, retiraram-se das áreas rebeldes. Novamente usaram granadas atordoantes, cegantes e de gás, balas de borracha e outros equipamentos especiais. Ao todo, cerca de 500 pessoas foram presas em todo o país.

Além das marchas gerais aos domingos, as marchas dos aposentados são organizadas todas as segundas-feiras na Bielorrússia; todas as terças-feiras, marchas de deficientes; todos os sábados, marchas de mulheres. A polícia e o exército estão claramente cansados ​​desta maratona contínua de protestos, que já dura mais de 100 dias. A confusão e o conflito são evidentes nas fileiras das forças de segurança. Muitos policiais gostariam de renunciar, mas temem ser perseguidos pelo regime e seus colegas.

Devido à crescente crise política e econômica, a principal tarefa do regime é varrer o campo de protestos na Bielorrússia antes da chegada da primavera.

À frente estão os difíceis meses de luta e uma escalada total de retaliação massiva.

Quanto maior e mais forte for a repressão, maior será o potencial de protesto do povo bielorrusso

Entre o período de 9 de agosto e 23 de novembro, mais de 30 mil bielorrussos sofreram nas mãos do aparato repressivo do Estado,submetidos a espancamentos, torturas, prisões, multas e demissões. Mais de mil processos criminais foram iniciados, com condenações de 5 a 15 anos de prisão.

Pelo menos 6 pessoas foram mortas durante este período. O número exato de pessoas desaparecidas é desconhecido. O Ministério Público e a Comissão de Investigação receberam mais de 4 mil denúncias de ações criminais perpetradas por agentes das forças de segurança. Até agora, NENHUMA ação criminal foi apresentada pelos eventos relacionados a espancamentos, tortura e assassinatos!

Até agora, Viktar Babaryka, seu filho Eduard, Maryya Kalesnikava, SiarheyTsikhanouski e outros líderes do protesto popular continuam detidos no Centro de Prisão Prisional da KGB.

Com as represálias brutais e tortura de milhares de detidos, o regime tentou usar a tática de bloquear os bairros mais ativos da capital. Assim, no bairro residencial Novaya Baravaya, quando o frio chegou, a água quente e fria, o aquecimento e a Internet foram cortados, a eletricidade foi desligada várias vezes. Mais de 15 mil pessoas permaneceram bloqueadas, com crianças pequenas e idosos doentes.

No entanto, os moradores do bairro não puderam ser esmagados e intimidados. Toda Minsk ajudou  os bloqueados: os residentes de Minsk trouxeram água sem parar, foram convidados a se lavar e receberam a oferta de residência temporária em casas e apartamentos. O regime de Lukashenko alcançou um efeito completamente oposto: os bielorrussos não se intimidaram e não se renderam, mas se uniram em solidariedade. Após três dias, o bloqueio ao bairro foi levantado e as autoridades negaram publicamente sua participação, afirmando que os problemas surgiram em decorrência de falhas nos sistemas de aquecimento e abastecimento de água.

Além disso, o regime desferiu um golpe no apoio financeiro dos manifestantes. No dia 10 de novembro, todos os bancos do país, de acordo com a decisão do Comitê de Investigação da República da Bielorrússia, bloquearam cerca de 600 contas bancárias de pessoas que sofreram violência policial, para as quais foi transferida ajuda financeira de solidariedade de bielorrussos de todo o mundo. De acordo com fundações de ajuda mútua, o Estado roubou cerca de US$ 1.400.000 das contas de pessoas físicas. Mas a ajuda aos bielorrussos não foi suspensa: com algumas mudanças introduzidas, os fundos de ajuda mútua continuam a coletar dinheiro e enviá-lo aos beneficiários.

É digno de destaque a luta e a solidariedade dos trabalhadores médicos que, sem poder parar de trabalhar, saem constantemente para protestar contra as ações, pelas quais são submetidos à prisão e repressão.

Ainda na primavera, quando a pandemia estourou, Aliaksandr Lukashenko, um apaixonado da Covid-19, deixou os médicos, assim como todo o país, à sua própria sorte. Os bielorrussos, percebendo o perigo da situação, ajudaram os médicos na luta contra o coronavírus. Milhares de voluntários arrecadaram dinheiro, compraram e forneceram máscaras, respiradores e outros equipamentos de proteção individual para os hospitais. Os restaurantes e cafés preparavam comida quente para os médicos gratuitamente, os hotéis particulares ofereciam quartos gratuitos para recreação e hospedagem, os taxistas não aceitavam pagamentos de viagens de médicos.

Em agosto, os médicos foram os primeiros a enfrentar as consequências dos disparos e espancamentos de manifestantes, do assédio e da tortura de detidos, bem como de suas próprias prisões por cumprimento de suas obrigações médicas. Mesmo na guerra, os médicos são protegidos pela Cruz Vermelha, mas não há regulamentos para o regime de Lukashenko. Trabalhadores médicos foram detidos enquanto prestavam assistência às vítimas nas ruas: foram espancados, jogados em celas de prisão, zombados e torturados, junto com outros prisioneiros.

A comunidade médica reagiu imediatamente a essas atrocidades e à total arbitrariedade das autoridades. Em todo o país, fortes declarações públicas foram ouvidas de grupos de centros médicos e hospitais. Os médicos se tornaram um dos componentes mais organizados da resistência popular.

Em resposta, Lukashenko declarou guerra aos médicos, não poupando ninguém, independentemente de seus títulos e méritos, não se importando com as possíveis consequências trágicas para a população do país, usando os métodos e meios mais vis. Assim, por sua posição cívica, o professor Aliaksandr Mrochak, famoso cardiologista, cientista de renome mundial, acadêmico e doutor em ciências médicas, foi demitido. Em seguida, desconhecidos incendiaram sua casa de campo, começaram a intimidar e perseguir a família do cientista com ameaças anônimas.

Mas as autoridades falharam novamente em suas tentativas: os colegas não recuaram e vieram em auxílio do acadêmico, levantaram dinheiro para restaurar a casa queimada, todos juntos ajudaram nos consertos e apoiaram moralmente o professor.

Em sua louca vingança contra todos e seu desejo de intimidar os médicos, o governo não para por nada. O Ministro da Saúde emitiu uma ordem forçando a demissão de todos os trabalhadores médicos que comparecerem às manifestações e não apoiarem o regime. Por exemplo, a diretora do Centro Nacional de Oncologia Pediátrica, Hematologia e Imunologia, Natalya Kanaplia, a principal oncologista pediátrica do país, foi demitida por se recusar a despedir funcionários que participaram dos protestos. Este é um caso escandaloso que está além do bom senso e dos padrões da humanidade elementar.

É significativo que o regime de Lukashenko desfere um golpe em todo o sistema de saúde quando a situação nos hospitais, devido a uma nova onda de pandemia, é verdadeiramente catastrófica.

Mas os médicos bielorrussos não desistem. Trabalhando em condições terríveis, continuam a lutar, apoiando-se mutuamente e participando ativamente da luta do povo bielorrusso.

Na vanguarda da luta contra a ditadura, como sempre, está a juventude bielorrussa que, sem medo, sai para protestar com marchas, greves e ações de solidariedade. As principais universidades do país se tornaram centros de resistência juvenil. Os protestos de estudantes se dispersam com extrema ferocidade. Seus participantes são julgados, presos, torturados e expulsos em massa das universidades. Mais de 700 alunos já foram expulsos e perderam a oportunidade de estudar e trabalhar na Bielorrússia. Além dos estudantes, as autoridades perseguem os professores e os representantes da administração dos centros educacionais que expressam seu apoio ao protesto. Detenções, prisões, julgamentos e demissões sem possibilidade de emprego, são o que espera qualquer educador pela expressão pública da sua posição cívica e apoio ao movimento de protesto.

Mas o movimento estudantil está crescendo e se desenvolvendo, envolvendo novos participantes em suas fileiras, assumindo novas formas e qualidades.

O assédio e a repressão afetaram muitos atletas famosos que se manifestaram contra a manipulação eleitoral e a violência policial no país. Os atletas reagiram criando a Associação Livre de Atletas da Bielorrússia (SOS-BY) onde entre os membros, está a tricampeã olímpica, campeã mundial e europeia de natação, Aliaksandra Hierasimienia; Medalhista olímpica, campeã mundial e européia de atletismo – Nadzieya Astapchuk; Campeã olímpica de biatlo Nadzieya Skardzina; Campeão mundial e europeu no sambo Stsiapan Papou; o melhor centro do Campeonato Mundial de Basquete de 2010 Alena Leuchanka e muitos outros atletas de destaque da Bielorrússia. “A Carta Aberta dos representantes da esfera esportiva da República da Bielorrússia, que exige que as últimas eleições presidenciais sejam reconhecidas como inválidas e pede o fim da violência policial e a libertação de todos os presos políticos”, foi assinada por cerca de 1.200 pessoas.

Além disso, foi fundado o Fundo de Solidariedade Esportiva da Bielorrússia, que oferece apoio jurídico, financeiro e de emprego a todos os atletas e trabalhadores reprimidos nessa esfera.

Assim, apesar da crescente repressão e brutalidade das autoridades, os laços horizontais dentro da sociedade continuam a crescer e se fortalecer em todos os níveis. As atividades nos pátios e bairros continuam evoluindo, oferecendo novas formas de solidariedade e protesto. Chás coletivos, concertos, conferências, exposições de arte e jogos de futebol entre pátios e bairros, apesar das ameaças e repressões, tornaram-se uma rotina diária nas cidades bielorrussas.

Associações de apoio independentes e fundos estão sendo criados. O movimento de protesto bielorrusso está gradualmente se transformando de um fenômeno espontâneo e fragmentado em uma única força organizada.

Greve nacional

Quase todos os dias, vários trabalhadores, engenheiros ou funcionários de várias empresas anunciam a sua adesão à greve nacional sob a forma de uma declaração oficial de participação individual. Apesar do número relativamente pequeno de trabalhadores que aderiram à greve, continua crescendo de forma contínua.

Na vanguarda da luta dos trabalhadores estão empresas como Hrodna Azot, Belaruskali, Planta Metalúrgica Bielorrussa, Planta Automotiva Bielorrussa, Naftan, Planta Automotiva de Minsk, Planta de Trator de Minsk, Planta de Motores de Minsk, Planta Eletrotécnica de Minsk.

As repressões contra os trabalhadores que aderiram à greve continuam. Lukashenko ordenou que todos os grevistas fossem demitidos sem direito a qualquer emprego. A administração substitui os demitidos por fura-greves de outras empresas ou contrata aposentados. Mas nem sempre é possível substituir os dispensados ​​por especialistas de qualificação equivalente. Como consequência, o processo tecnológico para e ocorrem acidentes. Entre os trabalhadores que temem ser demitidos, mas não apoiam o regime, está se tornando cada vez mais popular e a greve italiana pode ser muito eficaz.

As autoridades aumentarão a pressão sobre os trabalhadores militantes e os dirigentes dos sindicatos independentes. Assim, em 13 de novembro, perto de Salihorsk, foram presos 45 membros do Sindicato Independente da Bielorrússia, que foram condenados pelo tribunal a prisões administrativas, multas e demissão.

Apesar da repressão e ameaças, muitos trabalhadores continuam deixando os sindicatos amarelos. Por causa disso, Lukashenko ordenou o estabelecimento de organizações sindicais primárias em todas as empresas do setor privado antes do final do ano. Caso contrário, como disse Lukashenko, essas empresas serão fechadas.

Infelizmente, os trabalhadores das grandes empresas públicas da Bielorrússia continuam a ser a parte menos ativa do movimento de protesto. Quase três décadas de medo e arbitrariedade, um sistema total de contratos de curto prazo (1 ano) deixou sua marca nos grupos de trabalho que perderam os representantes mais ativos e decisivos da classe trabalhadora. Se em agosto houve um aumento acentuado na atividade dos trabalhadores, hoje há falta de fé no sucesso dos protestos e um clima de desesperança na maioria das empresas bielorrussas. No entanto, junto com a deterioração da situação econômica do país, espera-se um aumento do descontentamento e novas manifestações de trabalhadores.

Portanto, agora a esfera mais importante dentro das atividades dos ativistas do movimento operário é a organização do trabalho educativo nos coletivos de trabalho das grandes fábricas.

O colapso do poder vertical de Lukashenko

O protesto pacífico dos bielorrussos continua a destruir o poder vertical em todos os níveis. Mais de 500 funcionários renunciaram voluntariamente ao Ministério do Interior e ao Ministério Público devido ao desacordo com a execução das ordens ilegais. São apenas pessoas conhecidas de acordo com dados do Fundo de Solidariedade da Bielorrússia (BYSOL), que fornecem assistência financeira aos demitidos.

Estão abandonando seus cargos funcionários da Presidência, diplomatas, militares, trabalhadores da ciência e da cultura, profissionais dos mais diversos ramos de atividade. A falta de pessoal começa a afetar tudo. Por exemplo, em 19 de novembro, pessoas que nada têm a ver com o trabalho diplomático foram nomeadas para os cargos de embaixadores na Armênia, Azerbaijão e China: o ex-procurador-geral, o ex-ministro da Defesa e o ex-presidente do Comitê Alfândega do Estado. Um professor de matemática que não tem absolutamente nada a ver com cultura foi nomeado ministro da cultura.

Um sistema em que a obediência e a lealdade à autoridade são mais valorizadas do que a competência e o profissionalismo não podem funcionar normalmente e está fadado à destruição. Cada vez mais, os bielorrussos enfrentam a aparente incapacidade das autoridades de organizar um trabalho de qualidade em quase todas as esferas da vida no país. Assim, o lançamento solene da nova Central Nuclear ocorrido no dia 3 de novembro terminou com o fato de no dia seguinte a central deixar de gerar energia eléctrica devido à avaria do equipamento de transformação e medição. A pomposa inauguração de uma nova linha de metrô de Minsk foi ofuscada por escadas rolantes quebradas e portas automáticas. A substituição dos trabalhadores despedidos de Hrodna Azot por fura-greves provocou um acidente e o encerramento desta importante empresa química. Muitos exemplos de incompetência e estupidez das autoridades podem ser citados.

O regime está se degradando cada vez mais rápido, as contradições se agudizam e adquirem um caráter irreversívelmente antagônico.

Endurecimento da ditadura

O regime de Lukashenko depende exclusivamente da força militar e do apoio financeiro do Kremlin. Uma ditadura militar está praticamente instalada no país: falsa, cínica e implacável.

Desde 1 de novembro, a entrada de estrangeiros e até de cidadãos da Bielorrússia no país está oficialmente encerrada (violação do artigo 30 da Constituição da República da Bielorrússia). Qualquer reunião, manifestação e greve são proibidas. Símbolos de protesto são proibidos. Na luta contra as cores branco-vermelho-branco, as autoridades repintam tudo o que podem, até tanques com substâncias inflamáveis, em que as listras brancas e vermelhas indicam perigo de incêndio. Canteiros de flores com plantas brancas e vermelhas estão sendo destruídos. Para o Ano Novo, Papai Noel branco e vermelho, guirlandas de Natal e outras decorações nessas cores serão proibidas. Acima de tudo, porém, as prisões e carros de detenção na Bielorrússia estão hoje a tremular bandeiras vermelhas e verdes como um símbolo da terrível loucura do atual regime.

Nem o Ocidente nem o Oriente irão ajudar os bielorrussos

As esperanças dos bielorrussos que protestam, relacionadas ao apoio da comunidade internacional, não se concretizaram. Em 1º de novembro, o Conselho de Direitos Humanos da ONU (o órgão máximo de direitos humanos) aprovou os esforços das autoridades bielorrussas para respeitar os direitos humanos. De acordo com o UN Watch, 51 dos 92 Estados membros do Conselho de Direitos Humanos (55%) aprovaram com satisfação as conquistas da Bielorrússia no campo dos direitos humanos. Entre aqueles que aprovaram as ações do regime de Lukashenko estão 36 Estados que tradicionalmente apoiam regimes repressivos e 15 Estados que acharam possível fazer uma avaliação positiva de algumas das realizações das autoridades bielorrussas.

O Vaticano também permaneceu fiel a si mesmo como cúmplice dos regimes autoritários. Em 3 de novembro, o representante Apostólico na Bielorrússia apresentou suas credenciais a Aliaksandr Lukashenko. E isso apesar de o arcebispo da Igreja Católica na Bielorrússia, Tadeusz Kondrusievicz, que se opõe ativamente à violência e à tortura, as autoridades o proibiram de entrar na Bielorrússia e praticamente o privaram de sua cidadania bielorrussa.

Além da Rússia, o regime bielorrusso foi apoiado pela China, Venezuela, Nicarágua, Síria, Turquia, Israel, Japão, Azerbaijão, Armênia, Turcomenistão, Uzbequistão, Tajiquistão, Cazaquistão, Quirguistão, Moldávia, Bangladesh, Camboja, Namíbia, Paquistão e a Ordem de Malta.

Perspectivas políticas

Em torno de Sviatlana Tsikhanouskaya, que venceu as eleições presidenciais na Bielorrússia e foi expulsa do país, foram formados o Conselho de Coordenação e a Direção Popular Anti-Crise, com base na qual autoridades alternativas estão sendo formadas. A influência dessas organizações no protesto é bastante hipotética. Ao mesmo tempo, a autoridade e a posição de Sviatlana Tsikhanouskaya, que entrou na política depois que seu marido, Siarhiey Tsikhanouski (potencial candidato à presidência) foi preso e jogado na prisão da KGB, são bastante altas.

No momento, o protesto bielorrusso não adquiriu subjetividade política. Os manifestantes não confiam em nenhum partido político oficialmente registrado no país, o que abre boas oportunidades para a implementação de novos projetos políticos. Especialmente para o movimento de esquerda, cujas ideias são cada vez mais procuradas não apenas na Bielorrússia, mas em todo o mundo.