Por Carlos Carcione

A crise do sistema capitalista que se desenvolve desde 2008, aprofundada a níveis dramáticos após a pandemia, colocou na ordem do dia a comparação com a chamada crise de 1929. Comparação feita por organismos internacionais como o FMI, acadêmicos, analistas e intelectuais mais ou menos progressistas, para alertar sobre a profundidade da crise atual. Mas, o que foi a crise de 29, como e por que ocorreu, que derivações teve, que lições deixou para trás? Apresentamos uma perspectiva socialista revolucionária.

Em outubro de 1929, eclodiu o que até então foi a maior crise econômica da história do capitalismo. No dia 24 daquele mês, que entraria para a história como a “Quinta-Feira Negra”, a bolsa de Wall Street entra em colapso e as principais ações perdem em média 40% do preço. Cinco dias depois, na terça-feira, 29, o crack se repetiu, abrindo uma crise que atingiria o mundo todo e duraria quase uma década. Esse fenômeno, conhecido como Grande Depressão, só começaria a se reverter após a Segunda Guerra Mundial. O crash do mercado de ações foi seguido por um crash bancário e, em seguida, uma grande queda na produção, emprego e investimento. O número de falências dos bancos atingiu uma média anual de 600 instituições durante a década de 1920, enquanto na década de 1930, após a quebra do mercado de ações, atingiu uma média anual de 1.350 bancos falidos. Esse fenômeno atingiu seu nível mais alto em 1933, quando cerca de 4 mil bancos faliram.

Um terço dos bancos americanos faliram durante o período 1930-1933. O desemprego disparou para 25% da força de trabalho total e dezenas de milhares de pequenos “investidores” foram à falência, o comércio mundial foi cortado pela metade e surgiram fenômenos protecionistas que aceleraram a propagação da crise para o resto do mundo. As cenas de pânico, de suicídios no meio de Wall Street, longas filas de desempregados em busca de trabalho ou um prato de comida em todas as cidades do país, os rostos tristes pela fome de mães com seus filhos – retratados de forma magnífica por Dorothea Lange – são a expressão desse período. A eclosão desta crise é o símbolo de que, enquanto o crescimento econômico provoca maior desigualdade social, as crises do sistema também atingem os mais vulneráveis.

“Os felizes Vinte”

Como na falência de 2008, poucos previram o crash de 1929. “Os felizes Vinte”, ou “Alegres Vinte”, comparáveis ​​à Belle Époque europeia do final do século 19 ao início da Grande Guerra, foram um período de prosperidade e celebração perpétua para os setores privilegiados dos Estados Unidos. Ao contrário de seus aliados europeus na Primeira Guerra Mundial, os EUA saiu mais forte enquanto a Grã-Bretanha, até então o império dominante, e a França saíram profundamente exaustos do confronto armado; Enquanto isso, a Alemanha estava sobrecarregada por dívidas de guerra, sanções e reparações às quais foi submetida pelos vencedores.

Este seria um período de ouro caracterizado por pesados ​​investimentos especulativos, crédito fácil que alimentou o endividamento das famílias, que se tornaria impagável, um processo que atingiria o pico em outubro de 1929, após o devastador crash da bolsa de Wall Street. As dramáticas consequências da crise econômica de 1929 logo seriam desencadeadas: perdas econômicas incalculáveis, mais de 4 mil bancos falidos e milhões de famílias trabalhadoras na mais completa ruína. A conjuntura de ascensão dos mercados especulativos, chamada de Big Bull Market, que se desenvolveu nos anos anteriores ao colapso, repousava sobre uma base extremamente frágil. O crack revela o desastre social que mencionamos acima.

Mas a crise financeira não foi a causa daquela depressão prolongada ao longo de uma década; pelo contrário, foi o sintoma mais óbvio de uma crise econômica e social e de uma disputa interimperialista pela dominação mundial que se fermentava e não foi resolvida na Primeira Guerra. No final dessa crise, um novo mapa geopolítico global foi reconfigurado até a Segunda Guerra Mundial.

A dimensão geopolítica surgida da Grande Depressão

Na primavera de 1916, Lenin escreveu na Suíça sua obra “Imperialismo, etapa superior do capitalismo”, que teria sua primeira edição no outono do mesmo ano. Neste trabalho, faz uma verdadeira radiografia das transformações do capitalismo como sistema social, mas também do ponto de vista dos Estados nacionais mais desenvolvidos. Aquele que apenas um ano depois seria o principal dirigente da Revolução Russa, estuda o mais meticulosamente possível com os dados disponíveis em meio à Guerra, as transformações na economia da Inglaterra, Alemanha e Estados Unidos, os três países mais poderosos até então. A caracterização da transformação em capitalismo monopolista do capitalismo mercantil anterior e a previsão geopolítica feita em 1914 de que o período aberto conduziu a um tempo de crise, guerras e revoluções encontram bases materiais nessa transformação da estrutura econômica do capitalismo.

A saída da primeira grande crise do capitalismo que se registra, ocorrida em 1870, criou as condições para o desenvolvimento da Alemanha como um país de capitalismo moderno que, para sustentar seu desenvolvimento industrial, precisava cada vez mais de mercados e controle colonial do que deveria arrancar o Reino Unido dominante. Gerou-se uma disputa interimperialista pelo controle dos mercados e dos espaços coloniais que culminaram na Grande Guerra, com sua sequência na destruição das forças produtivas, capitais e milhões de mortos. No final da guerra, em 1918, apareceu uma grande pandemia, a Gripe Espanhola, trazida para a Europa pelas forças militares dos Estados Unidos, que só entraram claramente na guerra quando esta já estava decidida.

A tentativa da Alemanha de dominar colônias e novos mercados para seus produtos industriais foi derrotada, mas o custo foi muito alto para o império inglês, hegemônico até então. Enquanto isso, a participação passiva durante grande parte da conflagração permitiu aos Estados Unidos sair ileso e crescendo desse conflito. No entanto, as contradições que levaram à guerra não foram resolvidas. A Inglaterra não podia continuar mantendo sua antiga posição de primazia e os Estados Unidos, apesar de ser a primeira economia mundial desde então, não quis ou não poderia ocupar o lugar que o Reino Unido deixava vago.

Estados Unidos: ascensão e declínio

Simultaneamente, o prognóstico de Lenin continuou a se concretizar. Não só a guerra estourou, como também apareceu a primeira revolução operária triunfante, a Revolução Russa. O triunfo da república soviética na guerra civil em seu país acrescentou um forte elemento de questionamento internacional ao capitalismo. A Revolução Alemã de 1918, ressurgida em 1923, possibilitou verificar a exatidão dessa previsão. Embora as derrotas nas revoluções na Alemanha, assim como a do Biênio Vermelho na Itália entre 1919 e 1920, e outros processos, facilitariam o surgimento do fascismo e prolongariam a crise do sistema. O esgotamento dos países europeus triunfantes na guerra; a situação de prostração, miséria e fome do movimento de massas alemão imposto pelo Pacto de Versalhes; a ascensão do nazismo; os erros primeiro e a traição stalinista após o processo alemão, como ocorreria posteriormente na Guerra Civil Espanhola, abriram caminho, além do fortalecimento do fascismo e da chegada ao poder de Hitler, ao rearmamento e à dinâmica para uma nova guerra.

Dorothea Lange, fotografia e política — Ateliê Oriente

O crescimento econômico dos Estados Unidos, quase ininterrupto por meio século, esbarrou no crack de 29 e na Grande Depressão que vinha acumulando no período anterior, abrindo uma década de maior crise, instabilidade e polarização social. Mas sua situação como um país dominante o forçou a assumir um papel de liderança quando a Segunda Guerra Mundial estourou. O fim da guerra, tal como aconteceu no final da Primeira, apresentou uma situação de hegemonia e, com a cooperação da URSS stalinista, liquida as revoluções que se abriram em vários países europeus, embora não possa impedir o fim do mundo colonial. No entanto, este país se instala como potência capitalista hegemônica.

No período pós-Segunda Guerra, ocorre a recuperação. Esse período, conhecido como Idade de Ouro, vai até o final da década de 1960 e início da década de 1970. A recuperação tem motivos econômicos e políticos: primeiro, a destruição monumental das forças produtivas durante o período da Grande Depressão e da própria guerra, que exigiu um grande esforço de reconstrução. Segundo, uma vez que o nazismo é derrotado, a ascensão revolucionária do movimento de massas se repete. Esse processo foi desviado e, em alguns casos, congelado pelo papel contrarrevolucionário do stalinismo. Um terceiro elemento que marcou a mutação destrutiva do sistema foi o impulso industrial baseado em uma forte indústria de armamentos. Mas o dinamismo do sistema durou apenas até o final dos anos 1960.

A crise do petrodólar, a derrota na Guerra do Vietnã e as crises subsequentes marcaram o início do declínio dos Estados Unidos. Declínio que não pode ser evitado apesar do neoliberalismo, e nem mesmo com a implosão da URSS e sua conversão ao capitalismo, nem com o dinamismo que a restauração capitalista na China ou os avanços tecnológicos permitiram. Essa queda se manifesta nas novas crises recorrentes nos últimos 50 anos. Nesse sentido, a crise de 2008 e sua evolução posterior revelam o declínio de sua hegemonia. O mundo do pós-guerra acabou. Embora os Estados Unidos ainda sejam o país mais poderoso do planeta, sua hegemonia está questionada, é disputada por um jovem capitalismo em ascensão com vocação imperialista. Mas, acima de tudo, por causa de um aumento colossal da luta do movimento de massas.

Atualidades Enem: Crise de 1929 x Crise de 2008 | Revista Quero

Esgotamento do sistema

Entre 1845 e 1846, Marx e Engels, como parte de sua ruptura com o idealismo e a economia política clássica, escreveram “A ideologia alemã”. No texto, afirmam que, em um ponto de seu desenvolvimento, as forças produtivas do capitalismo se transformam em seu oposto, em forças de destruição. Ao mesmo tempo, no Manifesto Comunista, apontam que a justificativa histórica de toda formação social é dada pelo desenvolvimento de suas forças produtivas e que quando estas cessam de se desenvolver é o tempo histórico da substituição da velha sociedade por uma nova. Quase noventa anos depois, no Programa de Transição, documento fundador da Quarta Internacional, um ano antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial e 10 após o crack de 29, Trotsky afirma que esse momento é longo. A partir daí, as condições para a substituição de uma sociedade decadente por uma nova não só estão maduras, já estão apodrecendo.

Se no final da Segunda Guerra Mundial a ameaça à humanidade era um holocausto nuclear, hoje, em seu declínio, o sistema se torna mais predatório e parasitário. Com o extrativismo feroz, destrói o planeta, esgota as fontes de recursos limitados, torna as terras férteis estéreis e destrói elementos vitais como a água. Tenta por todos os meios aumentar a superexploração do trabalho e eleva a desigualdade e o capital fictício a níveis sem precedentes, o desperdício de recursos naturais com uma produção anárquica e desenfreada. Causa pandemias sociais, como migrações forçadas e catástrofes naturais que ameaçam a própria subsistência da vida.

Nessas condições do capitalismo, resta esperar por crises dramáticas como a de 1929, de 2008 e a atual. Duas guerras mundiais; revoluções triunfantes, derrotadas e congeladas; dezenas de guerras regionais; expropriação de direitos conquistados pelos trabalhadores e pelas massas em todo o mundo. Fome, miséria e desemprego, além de uma destruição crescente do planeta e de seus recursos vitais; genocídios que procuram um derrame de sangue, são o testemunho irrefutável do esgotamento do sistema capitalista. A urgência de substituir de forma revolucionária um sistema que não tem recuperação por um novo, o socialismo, é cada vez mais atual.

Pandemia, crise, novas revoluções e enfrentamentos interimperalistas

A pandemia de Covid-19 mais uma vez transformou o esgotamento do sistema capitalista em preto e branco. Neste ponto do desenvolvimento da pandemia, há um consenso de que a expansão capitalista voraz facilitou o salto do vírus da vida selvagem para a sociedade humana. A expansão da fronteira extrativa, o modo de produção preferido do capital, é o motivo.

Apesar deste modo de produção suicida, explorador e destruidor da natureza e do homem, todas os elementos presentes na crise de 29 são válidos e mais agudos neste período. Um imperialismo exausto, com gastos militares comendo suas tripas. Uma potência ameaçadora em ascensão, mais do que espontaneamente pela lógica da história. Uma crise econômica sem precedentes confirmada pelos ruídos do final de 2020 novamente em Wall Street, onde o capital fictício atingiu níveis vinte ou mais vezes superior ao da economia produtiva, e pelo pânico que transpiram os movimentos da classe dominante.

Por outro lado, durante um ano, uma ascensão imparável do movimento de massas tem assustado o mundo como o fantasma comunista que assombrou a Europa em outros tempos. Nos cinco continentes, começando pelo principal país do planeta, os Estados Unidos, saem em luta pelos direitos que merecem e obtêm vitórias, parciais é verdade, mas vitórias no final. A história não se repete, mas as analogias são úteis para encontrar elementos comuns do passado e ler a realidade atual com a maior precisão possível. É por isso que, quando olhamos para a crise atual, a face senil e decrépita do imperialismo em todos os seus aspectos civilizatórios, ocidentais e orientais, e do capitalismo como sistema; o que vemos é a imagem macabra do reflexo do espelho da Grande Depressão e do crack de 29. Nossa tarefa é construir a ferramenta política revolucionária com a qual os trabalhadores como classe, a juventude e as massas populares possam liquidar este regime corrupto e conquistar a emancipação da humanidade.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *