Aos trabalhadores e jovens do mundo

Quando começou 2020, esperava-se que o sistema capitalista fosse arrastado para uma nova crise econômica, como uma continuação da grande crise de 2008. O inesperado foi a pandemia do coronavírus, que já deixou centenas de milhares de mortos e paralisou a economia capitalista ao criar um longo efeito de greve geral a nível mundial. O que aconteceu nesse processo tem demostrado surpreendentemente que o capitalismo é um sistema podre e irracional.

Os governos capitalistas primeiro ocultaram essa epidemia e depois tentaram banalizá-la … porque o mercado capitalista tem que funcionar. Embora a pandemia exija planejamento e coordenação internacional, isso nunca foi possível em um mundo dividido pela competição imperialista e pelos Estados-nação. Os cientistas estavam alertando sobre essa epidemia há anos, mas o sistema capitalista não tomou as medidas necessárias e, como resultado, não estavam preparados para enfrentá-la. O sistema concentrou-se na saúde do mercado capitalista, em vez de priorizar a saúde e as necessidades de bilhões de trabalhadores contra a pandemia. Para esse sistema, é claro, a vida dos trabalhadores não importa diante dos lucros das empresas e da riqueza dos capitalistas. Nesse sistema, os cidadãos são vistos como clientes, o sistema público de saúde entra em colapso, a previdência social é comercializada, os recursos obtidos dos trabalhadores são transferidos para seguradoras privadas, hospitais privados e empresas farmacêuticas … Vimos as consequências mais dolorosas disso nos Estados Unidos, Itália, França e Grã-Bretanha. Os países capitalistas mais ricos entraram em colapso diante da epidemia. Faltavam as necessárias unidades de terapia intensiva, equipamentos básicos de saúde e dispositivos para salvar vidas, como respiradores. Também faltava um número suficiente de trabalhadores da saúde, que foram forçados a trabalhar nessas condições despreparados e milhares deles perderam a vida em todo o mundo.

A crise da saúde pública que desmascarou o fracasso do capitalismo, imediatamente se transformou em uma grande crise econômica. Centenas de milhões de trabalhadores perderam o emprego e centenas de milhões foram empurradas para abaixo da linha da fome e da pobreza. Mas, os capitalistas continuam a se enriquecer, mesmo nesse processo. O CEO da Amazon, Jeff Bezos, a pessoa mais rica do mundo, adicionou US $ 24 bilhões à sua fortuna nesse processo. As ações da empresa, que se beneficiaram dos trilhões de dólares que foram injetados no mercado e serão amplamente gastos em especulações, já compensaram as perdas no mercado de ações. Isso revela a natureza parasitária dos capitalistas e como eles têm interesses diferentes do resto do mundo.

Os governos destinaram bilhões de dólares para salvar empresas quebradas, como na grande crise de 2008. Segundo a propaganda burguesa, as empresas devem ser salvas para que os trabalhadores sejam salvos. Em outras palavras, as empresas devem sobreviver para que alguns funcionários continuem a ter empregos. Portanto, a prioridade é sempre os capitalistas. Os trabalhadores, por outro lado, precisam trabalhar mais e se dar bem com o chefe para evitar serem demitidos. Ainda assim, quem perderá o emprego terá que se cuidar. Então, o que acontece com as ruínas dessas empresas quebradas? Se pretende que os trabalhadores as carreguem nas costas. Mais impostos, mais trabalho, cortes sociais e, portanto, a transferência de recursos para os capitalistas continuará. Em outras palavras, eles querem que os trabalhadores empobreçam e que os capitalistas enriqueçam.

A crise de 2008 empobreceu a classe trabalhadora e exacerbou a luta de classes. O Movimento Ocuppy, a Revolução de Tahrir, a Revolta de Gezi, as grandes lutas da classe trabalhadora na Grécia, França e América Latina, e muitos outros lugares se configuram como produto do processo. Mas a reação também se manifestou nesse processo por meio de guerras civis, intervenções imperialistas, movimentos fascistas crescentes e governos populistas de direita como os de Trump.

Em 2020, enfrentamos uma crise econômica muito mais profunda do que em 2008. Os resultados podem ser igualmente terríveis. Para superar esse difícil processo, a reação capitalista terá vários planos para dividir as classes trabalhadoras, impedir o desenvolvimento da consciência de classe e enfraquecer as lutas. Mas a prioridade estará no confronto das classes trabalhadoras com os governos capitalistas.

Nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha, que definem tendências decisivas em suas metrópoles, as alternativas neo-reformistas de Sanders e Corbyn caíram diante dos intensos esforços da burguesia. Isso significa que temos que chamar os trabalhadores para as ruas e para greve. Embora a pandemia ainda não tenha desacelerado, trabalhadores e ativistas no Líbano voltaram às ruas. Não esqueçamos que 2019 foi um ano em que a luta de classes eclodiu em muitos países, do Irã, Chile e França até Líbano. Portanto, precisamos estar preparados para os próximos grandes desafios como trabalhadores e jovens com consciência de classe. É possível se livrar da barbárie capitalista. Temos que nos organizar para isso. É vital apoiarmos explosões sociais espontâneas com uma perspectiva socialista. Precisamos ser capazes de transmitir a milhões que nossos problemas decorrem do funcionamento capitalista como um todo. Se conseguirmos isso, o futuro será nosso. Com essa perspectiva, convidamos a todos os trabalhadores e jovens a entrar em contato e a unir-se a LIS.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *